A transformação de Jackson

    Conheci o cidadão Jackson Lago, nos idos de 70, no comando de um jornal alternativo, que funcionava na rua da Savedra, no centro de São Luís. Poucos metros, quase que em frente, “batia ponto” diariamente na sede do Movimento de Oposição Pra Valer, que resultou na eleição de Haroldo Sabóia, em 1978, para deputado estadual. Foi, acredito, um dos melhores deputados da oposição, naquela época.

    Jackson Lago, salvo engano, não tinha a menor identidade ou convivência com a religião, inclusive a católica. Diziam os amigos mais próximo que o médico era ateu. Leitor iniciante do Marxismo-Leninismo, continuei com minha fé em Deus, de quem nunca desgrudei até hoje. Passei por um período de internação hospitalar, em 1985, no Presidente Dutra. Recebia sempre, no final da tarde, as visitas do médico Jackson Lago. Eu, com minha pequena Bíblia, e ele com palavras de conforto e sinceros desejos da melhoria de minha saúde. Da sua boca, nunca ouvi tocar no nome de Deus, o que sempre foi comum a quem se deseja boa saúde. Curei a minha úlcera com as graças de Deus, dos médicos e, inclusive, com as palavras de incentivos do doutor Jackson Lago. Eu pemaneci o mesmo, conservando a minha fé. Ele, continuou o mesmo bom amigo incrédulo das palavras divinas.

    Agora, no exercício do mandato de governador do Estado do Maranhão, fiquei alegra em saber que o médico e político Jackson Lago ora todas as manhãs na residência oficial, acompanhado de alguns evangélicos, e de sua família, é claro. A satisfação só não foi completa porque soube que o motivo principal das orações é garantir a continuidade de seu mandato, ameçado pela legislação eleitoral vigente.

    A comandante dos apelos celestiais é a secretária das Ciidades, Telma Pinheiro, que detém o maior bolo do Orçamento estadual para obras. Comentam que o poder da irmã Telma é insuperável e decisivo nas ações do governador. Ora, logo penso que Jackson Lago, sob o domínio das orações da “irmã” Telma Pinheiro, pode ter levado uma lavagem cerebral, não fosse a sua oração pela salvação do mandato, seu apego súbito pelo evangelho.

    Confesso que tenho até hoje a vontade de olhar de perto tais orações. Mas soube, por pessoas que delas participam, que o momento é de fervor e que os apelos são restritos a que Deus expulse o satanás que asombra o mandato do nosso governador. Fico a imaginar, cá com meus botões, o doutor Jackson Lago implorando: “Deus, expulsa o rabudo de bigode que ameaça meu último sonho. Põe pra fora o fardão do satanás imortal que quer tirar de mim o que sempre busquei na vida. Xô, Lucifer do Curupu, que quer impedir a libertação do povo santo do Maranhão”. E com a “irmã” Telma Pinheiro ao lado, dando gritos de Aleluia por continuar na mordomia e sendo ela a guru de Jackson Lago. Amém!

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    O que querem os evangélicos

    Tenho 50 anos de vida. Até aos 17 anos fui evangélico da Assembléia de Deus, levado pela saudosa avó Maria Rosa. Bons tempos aqueles em que as igrejas e os irmãos em Cristo estavam voltados exclusivamente para levar a palavra de Deus a todo o mundo, na busca da salvação eterna para sí e aos outros. Participei das primeiras pregações em praças públicas aqui em São Luís. Éramos jovens fervorosos e inquietos pela expansão das palavras de Deus. A política partidária não fazia parte de nosso convívio, a luta nefasta por cargos públicos não nos seduzia. Era nossa meta primordial, naqueles tempos, buscar a Deus sobre todas as outras coisas.

    Hoje, os tempos e os templos são outros. Os costumes mudaram.. para pior. Ao invés de buscar a Deus em primeiro lugar, os evangélicos, com raríssimas exceções, brigam por espaços na política partidária e por cargos públicos, com o aval das lideranças das igrejas. Abraçam causas de corruptos e corruptores, sem o menor pudor. Oram, apelando a Deus, não pela salvação das almas, mas em favor de que os vivos permaneçam vivos na arte de subtrair o que de fato e de direito pertence aos povos. Uma lástima.

    Na eleição municipal de São Luís, observei exemplos, senão gritantes, ridículos. Evangélicos se dividiam na busca pelo poder político. Levaram aos seus templos candidatos e a eles prometiam, não um lugar aos céus, mas a certeza de que suas orações levariam Deus a tocar no coração de cada eleitor para que fossem vitoriosos nas urnas. Uma grande mentira. Um engodo enorme aos olhos de Deus. Um “Migué”, como no dito popular. E os candidatos a prefeito prometiam vagas na futura asdministração, além de dinheiro para tornar seus sonhos em realidade.

    Agora mesmo os evangélicos, capitaneados por meia dúzia de “líderes” querem levar o rebanho evangélico para as praças, ruas e avenidas para defender o mandato do governador jackson Lago. Os mercadores da fé querem usar os irmãos como massa de manobra para evitar a cassação do mandato de Jackson Lago, como se as orações fossem sensibilizar a Deus e aos ministros do TSE. Não é essa a função dos evangélicos, não foi esse o destino reservado por Deus a cada um naquele que nele crê para que tenha a vida eterna.

    A Justiça Divina permanece e estará acima de todas as coisas. Entretanto, não vejo nas ações do Poderoso o acobertamento de atitudes ilícitas ou a proteção aos que transgridem as leis. Aos evangélicos é dado o direito de orar pela mudança dos gestos maléficos dos homens, a transformação de suas perversas consciências, em nome de Deus. Nunca, a permanência dos próprios evangélicos pelos tesouros na terra, pelas mordomias satánicas ou pelas sobras do poder dos infernos. Orais, irmãos, enquanto vida tiverem pela salavação dos que precisam da palavra de Deus e da vida eterna! Esse, sim, é o papel que cabe a cada evangélico.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    A verdade que Dino tentou esconder

    O deputado Flávio Dino, quando estava em campanha para prefeito de São Luís apontava como ponto principal do seu programa de Educação a aquisição do prédio do antigo Maristas para torná-lo um colégio de referência municipal. Não aceitou dos seus assessores o argumento de que o governador Jackson Lago já havia iniciada o processo para a secretaria de Educação do Estado. E prosseguiu a mesma ladainha, ou propaganda enganosa.

    Durante debate no segundo turtno, na TV Mirante, foi lembrado pelo oponente João Castelo que não havia mais possibilidade do município adquirir o Maristas. E afirmou, na maior cara dura, que o processo sequer iniciara. O processo vem se arrastando há mais de seis meses. Abaixo trecho principal da matéria distribuída agora pela Secom estadual.

    Jackson Lago vai implantar escola de referência no antigo Maristas

    O governador Jackson Lago cumpriu, esta semana, mais um compromisso com o propósito de fazer da escola pública estadual uma referência em qualidade educacional. Em cerimônia, Lago assinou o documento adquirindo definitivamente o prédio do antigo Colégio Maristas, no Centro de São Luís, que, a partir do próximo ano letivo, será transformado em um Centro de Ensino Experimental, uma referência na rede estadual voltada para o ensino médio.

    O Centro deverá receber a primeira turma de ensino profissionalizante com 350 alunos, que estudarão em tempo integral. As obras de reforma do prédio serão iniciadas nos próximos dias com recursos a serem disponibilizados pelo Instituto de Co-Responsabilidade pela Educação (ICE). “Queremos que seja uma escola pública de excelência e de boa qualidade para honrar a tradição daquela escola”, garantiu o governador Jackson Lago, que é ex-aluno do Maristas.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Lideranças do PDT de todo o país manifestam apoio a Jackson Lago

     Lideranças pedetistas de todo o Brasil assinaram o documento ” Movimento contra a cassação do mandato do governador Jackson Lago”, durante o encontro nacional do partido no início da semana. “Aqui em Brasília, recebemos inúmeros apoios ao governador e de repúdio a essa manobra. Como políticos, eles sabem o que significa a virulência dos derrotados em desespero”, afirmou o deputado federal Julião Amin, responsável pela coleta das assinaturas.

    Do histórico deputado federal Miro Teixeira ao novato Brizola Neto, dezenas de parlamentares e gestores  manifestaram-se a favor de Jackson Lago, incluindo o governador do Amapá, Waldez Góes, o vice-governador do Pará, Odair Corrêa, e o presidente nacional do partido, o deputado gaúcho Vieira da Cunha.  “Jackson é  um homem sério e honrado, um companheiro de uma história de lutas, um governador legitimamente eleito”, definiu Teixeira.

    Carta aberta – Essa não é a primeira manifestação de apoio do partido,  que aprovou uma mensagem de “apoio incondicional”  ao governador durante o IV Congresso Nacional, definindo Jackson Lago “como homem íntegro e ético, democrata de convicções, trabalhista e nacionalista e que derrotou a mais atrasada oligarquia do país,  que agora manobra para levar a eleição para o tapetão. 

    A carta diz ainda que “o PDT  e as forças democráticas do país denunciam essa manobra golpista contra a heróica resistência do povo maranhense que libertou-se nas urnas, de um passado de dominação e atraso”. A decisão de elaborar o documento foi aprovada por aclamação na plenária final do encontro, realizado em abril deste ano.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    A equipe de Marcelo tavares

    O presidente eleito da Assembléia Legislativa para o biênio 2009/2010, deputado Marcelo Tavares, viaja nas próximas horas para conhecer experiências de Legislativos de outros Estados, antes que se inicie o recesso parlamentar. Vai aproveitar, também, para pensar com calma e longe das pressões a formação da sua equipe administrativa. A estrutura permanecerá a mesma.

    Para a chefia de Gabinete, Tavares pretende nomear José Carlos Martins, técnico que já ocupou os mais altos cargos da Assembléia Legislativa, em diferentes administrações. Prova de que é competente. Em lugar de Martins, que ocupa a Diretoria Geral na gestão de João Evangelista, o presidente eleito colocará um economista, amigo pessoal, mas com experiência no setor público. Na secretaria de Recursos Humanos, sai o filho da secretária Telma Pinheiro, mas ainda não existe nome definido para a vaga.

    Na diretoria de Comunicação, apesar de todos os boatos e de armações, fica mesmo o atual, jornalista Jorge Vieira, que implantou programas arrojados  e deu visibilidade para os trabalhos do Legislativo. Na diretoria de Obras vai permanecer o engenheiro Martinho. A atual chefe do Cerimonial não será aproveitada. Falam, nos bastidores, que foi feito convite para Emílio Faray, que comanda o Cerimonial do Palácio dos Leões.

    Para o cargo de diretor Financeiro, Tavares colocará outro nome de fora, mas amigo pessoal. Para os outros cargos nomes ainda não foram ventilados. O que surpreendeu, inclusive aos parlamentares, é o fato do ex-governador José Reinaldo Tavares, tio de Marcelo Tavares, não exercer nenhuma influência na formação da futura equipe administrativa da Assembléia Legislativa.            

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    A equipe de Castelo

    Distante do Maranhão, o prefeito eleito de São Luís acompanha todos os passos para a formação da equipe da futura administração municipal. Recebe diariamente relatório da comissão de transição de governo. Alguns membros da transição serão aproveitados, enquantos outros preferem colaborar de fora da administração. Arlindo Cruz, que preside a comissão, deve ser o secretário de Planejamento, mas pode ficar na Fazenda Municipal, se for necessário. Na secretária de Governo, que será uma das mais fortes e atuantes da gestão, o cargo foi oferecido ao jornalists Othelino Neto. Por enquanto, nada definido. Neto é secretário do Meio Ambiente, onde desenvolve excelente trabalho.

    Da equipe de transição, o economista Afonso Salgado pode ocupar a Pasta da Agricultura, mas é daqueles que preferem auxiliar o amigo Castelo sem exercer cargos oficiais. O nome do vereador José Joaquim subiu de cotação para dirigir a secretária de Obras, que deve ser fundida com a de Trânsito e Transporte. Para a Cultura, Castelo pretende conversar com as pessoas do meio, que demonstram preferência pelo nome de Euclides Moreira Neto. O nome do vereador Gutemberg também é lembrado para a Pasta.

    Ao contrário do que vem sendo especulado, a turismóloga Luciana Lago, filha do governador Jackson Lago, não foi convidada e sequer aceitaria voltar a dirigir a secretaria de Turismo Municipal. Ela reside na Inglaterra, se aperfeiçoando mais ainda para o setor. O nome mais cotado, até o momento, é do ex-secretário de Turismo do Estado, na gestão de Zé Reinaldo Tavares, o economista Airton Abreu.  Na Secom municipal o martelo foi batido: vai assumir o jornalists Edwin Jinkles, profissional que passou por redações de jornais e soube, com competência, trabalhar a campanha de João Castelo.

    Para a Guarda Municipal, o nome mais cotado é do coronel da PM, Odair, fruto da indicação do deputado Cléber Verde. Odair foi o vice na chapa de Verde, que apoiou Castelo no segundo turno. Na Pasta de Esporte, que será fundida com a da Juventude, tem grupo querendo emplacar o nome do jornalista Herbeth Fontinelle, mas corre por fora Augusto Telles, com a força do PDT. Na Agricultura, caso Afonso Salgado não aceite o convite, vai ficar mesmo o presidente do Diretório Municipal do PDT, Júlio França. Os demais cargos do segundo escalão serão divididos entre os partidos e lideranças políticas que apoiaram o prefeito eleito.    

         

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Longe das pressões

    A exemplo do prefeito eleito de São Luís, João Castelo, o presidente eleito da Assembléia Legislativa, Marcelo Tavares, decidiu ficar fora do Maranhão para melhor pensar a equipe que fará parte de sua administração a partir de fevereiro. No caso de Csstelo, as pressões são maiores, é claro. Ele foi eleito por uma coligação que envolve diversos partidos, além dos que entraram no barco no segundo turno.

    O prefeito eleito, ao contrário de Marcelo Tavares, assume no dia primeiro de janeiro e tem sua equipe praticamente montada. Mas foi preciso se distanciar da capital para escapar das incômodas pressões. Castelo saiu de São Luís com apenas dois nomes definidos: sua vice Helena Dualibe, na Saúde, e Moacir Feitosa, na Educação. Agora, ao time faltam apenas poucas escalações.

    O próximo presidente da Assembléia Legislativa não sofre pressões partidárias. Elas partem de amigos, aliados políticos e, notadamente, dos deputados que foram responsáveis pela sua vitória. Amigos técnicos já enviaram corrículos, outros passaram a visitar o deputado com mais frequência. Aliados políticos como prefeitos querem emplacar parentes e os que não conseguiram lograr êxito na eleição de outubro deste ano preferem eles mesmo assumir cargos. Os deputados, mais gulosos, disputam cargos do primeiro escalão para seus apadrinhados. Com o estilo caladão, Tavares apenas ouve. Só deve se pronunciar a partir de janeiro.     

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Zé Wilson quer impedir posse de Gardeninha

    O secretário de Articulação Política do Governo do Estado, Wilson Carvalho, tem ação na justiça eleitoral para assumir mandato de deputado estadual, que acha ter conquistado nas eleições de 2006. Ele teve votos suficientes para estar exercendo o cargo de deputado. Ocorre que o Tribunal de Contas da União reprovou suas contas quando dirigu a prefeitura de Cururupu.

    Carvalho acredita que antes do dia 10 a ação será julgada em seu favor, no TSE, em Brasília. O secretário obteve mais votos que a deputada Fátima Vieira, do seu mesmo partido, o PSDB, o que lhe daria a condição de titular. Como o deputado Soliney Silva, também tucano, foi eleito prefeito em Coêlho Neto, assume o primeiro suplente, Gardênia Gonçalves.

    Wilson Carvalho acha que a suplente Gardeninha não tomará posse no mandato. Resta apenas ao secretário modificar, o que é impossível, as leis que impedem pessoas que exerceram cargos executivos e tiveram contas reprovadas pelo TCU assumir mandatos eletivos. Vai continuar sonhando e ocupando o posto de secretário de Articulação Política, cargo criado para acomodar os aliados do governo. Aliás, para que serve mesmo a tal secretaria?         

      

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Lixo amontoado na capital

    O prefeito Tadeu Palácio precisa voltar a administrar a cidade que tanto ama urgentemente. Precisa deixar a lua de mel ou os passeios pela velha Europa para olhar de perto o estado de abandono que vive São Luís. Antes mesmo dos motoristas das duas empresas que operam os serviços de limpeza da cidade entrarem em greve, a Limpel e Limfort, o lixo estava disputando espaços com pedestres em ruas, praças e avenidas.

    Há duas semans que os serviços de recolhimento do lixo estão funcionando de forma precária. Antes, a coleta acontecia um dia sim  e outro não. Hoje, existem ruas em que os caminhões das empresas não passam há mais de quatro dias. Os moradores não têm a quem reclamar, vez que o prefeito encontra-se fora da cidade, ou melhor, do país.

    Enquanto o lixo vai se amontoado e começa a se avolumar mais ainda com a greve dos motoristas, colocando em risco a saúde da população, a cidade começa a ficar nas trevas. Os serviços de manutenção da rede pública estão parados, inclusive as obras de modernização do sistema. Ruas e avenidas de bairros da periferia, incluindo os da elite, estão em completa escuridão, facilitando as ações dos marginais. 

    O prefeito, que atingiu em determinado período índices agradáveis de aprovação e popularidade, embora não tenha tido habilidade o suficiente para eleger seu sucessor, não pode ficar na história como um administrador que abandonou sua cidade por maior que fosse a paixão. Tem que olhar no retrovisor, viajar, sim, na história recente da administração da prefeitta Conceição Andrade, que deixou São Luís jogada ao lixo, ratos e baratas, e nunca mais se elegeu a nenhum cargo eletivo. Caiu no esquecimento. Foi para a galeria do ostracismo político. Não é esse o destino reservado a Tadeu Palácio.     

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    80 mil analfabetos

    O secretário de Educação Municipal de São Luís, Altemar Lima, confirmou a existência de 80 mil analfabetos residentes na capital. A princípio parece um número pequeno, considerando que são apenas 8% do total da população de São Luís. Comparando com outras capitais, significa muita coisa.

    Dados do Ministério da Educação nos colocam entre as cinco capitais brasileiras com índices negativos no setor educacional. O PDT administra São Luís há mais de 20 anos, mas os avanços foram poucos. Pela Pasta da Educação passaram professores renomados. Ainda assim os resultados não são satisfatórios.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.