Briga no trânsito: Sobrinho de Sarney é assassinado na Lagoa da Jansen

Uma briga no trânsito, na Lagoa da Jansen, no início da tarde de hoje, terça-feira, dia 16, resultou na morte de um sobrinho do ex-presidente da República, José Sarney, de nome Diogo Sarney. Ele estava em uma carro Kwid da Renault e o assassino em um Argo Vermelho. Abaixo a vítima e o local onde aconteceu o assassinato. 

A vítima é filho de Concy Sarney, filha de Evandro Sarney (falecido) e irmão de Gustavo Sarney, advogado que foi diretor do Fórum. O assassino ainda não foi preso preso.  O empresário Fernando Sarney esteve no local. A ex-governadora Roseana Sarney lamentou aos prantos a morte do parente.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Subtenente do Corpo de Bombeiros é assassinado em Paço do Lumiar

Jornal Itaqui Bacanga

No fim da noite desta terça-feira (9), um Bombeiro foi morto a tiros no bairro Vassoural, Paço do Lumiar.

De acordo com informações, a vítima identificada como Walber Nélio, de 53 anos,  era subtenente do Corpo de Bombeiros.
O Jornal Itaqui-Bacanga  apurou que,  cerca de três homens em um veículo branco, abordaram o oficial na porta do sítio que pertence a sua mãe e dispararam diversas vezes. Um dos tiros teria acertado a cabeça de Walber Nélio que foi socorrido e encaminhado para o Hospital do Servidor, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.
Os criminosos antes de fugir levaram uma arma de propriedade do subtenente.
Após o ocorrido, guarnições do Polícia Militar realizaram buscas para localizar e capturar  os indivíduos. Um dos suspeitos foi preso no bairro São Bernardo, outros dois  que participaram da ação encontram-se foragidos.
As informações iniciais da polícia, trabalham na linha de crime de latrocínio, visto que a arma do militar foi subtraída, no entanto as investigações continuam.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Corpos de duas mulheres, mãe e filha, encontrados na garagem de casa no Calhau

As duas, mãe e a filha, foram encontradas mortas hoje, domingo (07), pela manhã enroladas em um lençol no interior de um carro, na garagem da residência no Calhau. A polícia já passou pelo local e não tem ainda a motivação do crime e nem o nome do autor.

De acordo com publicação de hoje do site O Informante, “informações preliminares dão conta de que a mãe seria Graça Maria Pereira de Oliveira, de de 54 anos, e a filha Talita Oliveira de Oliveira Friveiro, de 25 anos de idade” que moravam à rua Duque Bacelar, número 21, no Quintas do Calhau.

Uma irmã de Graça Maria, de identidade não revelada, disse que o ex-marido da vítima chegou a ser denunciado por andar ameaçando a ex-mulher. A polícia iniciou as investigações.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Suspeito da assassinar adolescente de 17 anos em Manaus é preso em São Luís

Por G1 MA

A Polícia Civil prendeu nesta sexta-feira (5) Michael Saboia de Souza, de 19 anos, no bairro Anjo da Guarda, em São Luís. Ele é o principal suspeito de ter assassinado Heloísa Medeiros da Silva, de 17 anos. O crime ocorreu em dezembro de 2019 em Manaus, no Amazonas.

Michael Saboia foi preso e é o principal suspeito de ter assassinado Heloísa Medeiros, em Manaus — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Segundo o delegado Felipe César, Michael foi preso em cumprimento a mandado de prisão preventiva decretada pela Justiça do Amazonas. Desde a época do crime, o suspeito fugiu de Manaus e estava tentando se passar pelo irmão ao morar em São luís.

Ainda segundo o delegado, Michael confessou o crime, mas seu interrogatório será feito pela Polícia Civil do Amazonas, que comanda as investigações. Enquanto isso, ele continuará preso no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís.

Heloísa Medeiros da Silva, de 17 anos, foi encontrada morta em casa no Centro — Foto: Arquivo pessoal

O crime

A adolescente Heloísa Medeiros da Silva, de 17 anos, foi encontrada morta em uma casa no Centro de Manaus. Ela foi vista em imagens de câmeras de segurança ao sair de um bar com o suspeito, segundo a família da vítima.

Segundo o tio da vítima, Fábio Medeiros, de 26 anos, a jovem havia saído de casa para uma comemoração do aniversário com amigos em um bar no bairro Vieiralves, mas não retornou.

Heloísa, segundo o tio, havia concluído o ensino médio em 2019 e tinha o sonho em se formar em enfermagem.

“Ela já estava com passagem comprada para ir para o Rio de Janeiro. Temos parentes lá e ela ia de vez pra fazer faculdade e tentar a vida para lá, mas isso aconteceu”, declarou.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Vídeo: PRF apreende lotes de hidroxicloroquina contrabandeada do Paraguai para o Maranhão  

A Polícia Rodoviária Federal apreendeu 3.600 comprimidos de Hidroxicloroquina contrabandeados do Paraguai na tarde desta quarta-feira (27), na BR 153, em Uruaçu, na região Norte de Goiás. O medicamento contrabandeado seria levado para Imperatriz (MA).

Em abordagem de rotina na BR 153, agentes da PRF pararam uma caminhonete com quatro ocupantes. Os homens, com idades entre 29 e 58 anos, alegaram que saíram de São Paulo após trabalharem na produção de um show sertanejo transmitido pela internet e retornavam para casa, na capital maranhense.

Durante a revista feita nas bagagens, os policiais encontraram, dentro de uma das caixas de equipamento sonoro, 120 caixas do medicamento Hidroxicloroquina, com 30 comprimidos cada. O medicamento é produzido no Paraguai é, portanto, de comércio proibido no Brasil.

Os homens informaram que trabalham com tecnologia e, inicialmente, alegaram ter pegado os medicamentos em São Paulo, mas depois afirmaram ter sido em Campo Grande (MS). A PRF suspeita que o remédio entrou no país pela fronteira do Paraguai com o estado de Mato Grosso do Sul.

De acordo com o grupo, a medicação seria levada para ser distribuída em um hospital de campanha da capital maranhense.

A Vigilância Sanitária de Uruaçu foi acionada e a ocorrência será encaminhada para a Polícia Civil do município, onde seguirá a investigação. Os homens poderão responder por crime contra a saúde pública.

Fonte: PRF

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Adolescente envenena com chumbinho uma mãe e mais quatro crianças da mesma família

A adolescente de 16 anos colocou chumbinho no bolo e suco da mesma família, envenenando uma mulher e seus quatro filhos crianças, sendo uma de 2 anos, outra de 7 anos, uma de 10 anos e outra de 12 anos. Horas depois a adolescente se entregou e disse que não estava arrependida.

Reprodução G1 Santarém

As vítimas começaram a sentir mal e vomitar. Foram levadas imediatamente a um posto de saúde e depois transferidas para o Hospital Municipal Dr. Alberto Tolentino Sotelo, em Santarém, no Pará.

O fato aconteceu no sábado, dia 09 e a polícia investiga desde domingo, dia 10, a motivação do crime. A família envenenada continua hospitalizada em estado estável.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Populares saqueiam carga de frangos de caminhão que tombou na BR-222

No início da noite de ontem (05), um caminhão que transportava frangos tombou após trafegar na BR-222 em uma zona de muitos buracos, nas proximidades do município de Santa Luzia-Ma.

Após o acidente, populares começaram a saquear a carga de frangos vivos. Mesmo diante de câmaras de celulares, muitos não se intimidaram e continuaram roubando toda a carga do veículo acidentado.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Em confronto com policiais, homem que matou mulher e dois filhos menores tomba no Maranhão

Separado desde de outubro do ano passado, um homem decidiu procurar a ex-companheira para reatar a relação, mas foi recusado. Insatisfeito usou uma faca e um facão e matou a mulher, deixando-a com o rosto desfigurado. E ainda degolou os dois filhos menores, sendo um de 2 anos e o outro de 4 anos.

O fato aconteceu na noite de ontem, sábado, na cidade de Palmeirândia. Adeilson Barros (foto acima), 30 anos, usou a mesma faca para tirar a vida de Naize Martins e dos dois filhos crianças.

A polícia foi acionada e ao chegar na vila onde ocorreram os três assassinatos, o criminoso ofereceu resistência e, com uma espingarda, partiu para o confronto com os policiais. Porém, foi alvejado e morreu no local.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Operação de transportes de respiradores ao Maranhão foi ilegal, diz Receita Federal

Enquanto os comunistas do Brasil elogiavam a operação que resultou na compra de 107 respiradores mecânicos da China e o transporte para o Maranhão, driblando grandes nações, a Receita Federal entendeu que foi tudo feito de forme ilegal para encanar o fisco brasileiro.

A Receita entendeu que a rota usada primeiramente pela Etiópia foi proposital para desviar dos radares dos Estados Unidos e da Europa, assim como driblaram o fisco que não fiscalizou o material enviado quando da chegada no aeroporto de Guarulhos em São Paulo. O transporte imediato para São Luís na madrugada, foi para evitar que os equipamentos fossem retidos.

Em nota, postada hoje pela coluna Painel, da Folha de São Paulo, a Receita informa a remoção dos respiradores foi “realizada sem o prévio licenciamento da Anvisa e sem autorização da Inspetoria Receita Federal em São Luís, órgão legalmente responsável por fiscalizar a importação das mercadorias.”

Diz a coluna que “a Infraero registrou boletim de ocorrência na quarta-feira (15)”.

“Diante da situação de flagrante descumprimento à legislação aduaneira (art. 23 e art. 27 do DL 1455/76), aplicável no âmbito do comércio internacional, a Receita Federal tomará as providências legais cabíveis contra as pessoas físicas e jurídicas envolvidas, promovendo os competentes procedimentos fiscais, além de representação aos órgãos de persecução penal”, completa.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Justiça aceita denúncia do MPF contra acusados do assassinato do líder indígena Paulo Paulino Guajajara

Foram denunciadas duas pessoas por homicídios qualificados, ocorridos na Terra Indígena Araribóia (MA), em novembro de 2019.

A Justiça Federal recebeu, no último dia 23 de março, denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) e tornou réus Antônio Wesly Nascimento Coelho e Raimundo Nonato Ferreira de Sousa, acusados pelo homicídio qualificado do líder indígena Paulo Paulino Guajajara e de Márcio Gleik Moreira Pereira e pela tentativa de homicídio do indígena Laércio Sousa Silva. Também foi ofertada proposta de transação penal em relação a Clayton Rodrigues Nascimento, por caça ilegal da fauna silvestre.

Determinou-se, ainda, o arquivamento, por falta de provas, da notícia de prática do crime de porte ilegal de arma de fogo por Clayton e Laércio Silva, sem prejuízo de reabertura das investigações, caso surjam novas provas. Da mesma forma, foi determinado o arquivamento da notícia dos supostos crimes de furto e dano de motocicleta, atribuídos ao indígena sobrevivente, pela ausência de intenção de subtrair e por se tratar de crime sujeito à iniciativa do ofendido, respectivamente.

Para o MPF, os crimes contra a vida foram agravados por terem atingido a comunidade indígena, uma vez que foram cometidos contra aqueles que lá estavam para proteger a terra e cultura indígenas. Além disso, foram cometidos também por motivo fútil, com a finalidade de reaver uma motocicleta, e por motivo que dificultou a defesa da vítima, tendo em vista o elemento surpresa destacado no contexto em que foram efetuados os disparos de arma de fogo.

Os crimes ocorreram em 1º de novembro de 2019, na Lagoa Comprida, dentro da Terra Indígena Araribóia, próximo ao Município de Bom Jesus das Selvas (MA). A região é marcada por constantes conflitos entre indígenas e não índios, em sua maioria, em razão de exploração ilegal madeireira.

No entendimento do MPF, as condutas criminosas amedrontaram toda a comunidade indígena, uma vez que as vítimas, Paulino Guajajara e Laércio Guajajara, eram conhecidas como integrantes do grupo denominado “guardiões da floresta”. Os crimes contra eles foram realizados por exercerem o papel de protetores da comunidade, uma vez que ocupavam, na época, proeminente papel de liderança. Ficou evidenciado, assim, o interesse federal inerente aos crimes, já que foi atingido o território e o modo de vida dos indígenas da Reserva Araribóia.

O MPF requereu, ainda, a condenação dos denunciados à reparação dos danos causados à comunidade indígena, a título de valor mínimo dos danos morais e materiais, e pediu a produção de laudo antropológico por perito designado mediante prévia consulta indígena com participação da Fundação Nacional do Índio (Funai) e da Associação Brasileira de Antropologia, nos termos da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre Povos Indígenas e Tribais, e da Resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nº 287/2019.

Entenda o caso – De acordo com o MPF, constatou-se que, no período de 30 de outubro a 1º de novembro de 2019, os denunciados, utilizando motocicletas e portando armas de fogo, entraram e permaneceram na Terra Indígena Araribóia para caçar e perseguir espécimes da fauna silvestre, sem a devida autorização legal.

No dia 1º de novembro, ao retornarem da caçada, os acusados sentiram a falta de uma motocicleta e perceberam que as que ficaram haviam sido danificadas. Então, os caçadores realizaram buscas, seguindo os rastros do veículo, e, ao chegarem na região próxima à cacimba, nos arredores da localidade Lagoa Comprida, encontraram os indígenas, bem como a motocicleta, apreendida por eles com a intenção de demonstrarem às autoridades a presença ilegal em sua Reserva Indígena.

Nesta ocasião, foram efetuados os disparos de espingarda pelos denunciados Antônio Wesly e Raimundo Nonato, que atingiram os indígenas Paulo Paulino Guajajara, que morreu, e Laércio Sousa, que ficou ferido, além de Márcio Gleik, que foi atingido por engano e também veio a falecer.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deputado pede que assassinato de líder indígena no Maranhão seja apurado

Zezico Guajajara foi encontrado morto na cidade de Arame. Ele vinha denunciando ao Ministério da Justiça as ameaças e perseguições por parte de um falso índio que se instalou na nação indígena. O deputado federal Pedro Lucas enviou ofício ao ministro Sérgio Moro pedindo a apuração do caso.

Veja aqui: OFÍCIO.PDF

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.