Professores de São Luís paralisam por falta de reajuste salarial

    Sem que Braide desse a mínima para a categoria, eles decidiram acampar na porta da sede da Prefeitura de São por prazo indeterminado, como mostra a imagem de Matheus Soares do Sistema Mirante. Eles reivindicam ainda a imediata volta dos estudantes para as salas de aulas.

    Porém, das 261 escolas da rede municipal, 22 estão em condições de oferecer aulas. Eles querem um reajuste que não vem sendo dado desde 2016 e reclamam de assédio moral.

    As condições físicas das escolas são as piores possíveis, sem que o prefeito Braide tivesse a preocupação de cuidar dos espaços físicos.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Falta de cumprimento total de acordo pela Prefeitura de São Luís gera ameaça de nova greve de ônibus

    Por O Estado

    O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET) informa que, desde o dia 1º de novembro, após acordo firmado com a Prefeitura de São Luís e o Sindicato dos Rodoviários do Maranhão, que deu fim à greve dos trabalhadores do transporte público da capital, diariamente tem dialogado com as partes envolvidas e buscado solução para sanar os ruídos de comunicação e dissipar qualquer tipo de atrito ou descontentamento por parte de empregados e empregadores.

    Última greve do transporte público de São Luís causou graves transtornos à população de São Luís (Foto: Douglas Pinto/TV Mirante

    Contudo, informa que a Prefeitura de São Luís ainda não cumpriu totalmente o acordo firmado no dia 1º, o que está impossibilitando que algumas empresas também cumpram os compromissos firmados, gerando movimentos extremados de trabalhadores descontentes com toda essa situação. E, mesmo após o fim da greve, que durou 12 dias, trabalhadores de algumas empresas ameaçam deflagrar nova paralisação, o que vinha sendo evitado nos diálogos que o SET mantém com a categoria.

    Diante desse cenário, o SET reitera a necessidade de retomar o diálogo e buscar, juntos, a resolução dos conflitos, com vista a não trazer ainda mais prejuízos para a população, que direta ou indiretamente é impactada pela falta de transporte público na capital maranhense. O cumprimento do que foi acordado pelo SET necessita, impreterivelmente, que a Prefeitura de São Luís também cumpra, integralmente, a sua parte no acordo.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Braide anuncia fim da greve dos rodoviários em São Luís

    Por Jornal Pequeno 

    Após reunião nesta segunda (01), o Sindicato dos Rodoviários e das empresas do sistema de transporte entraram em acordo.

    SÃO LUÍS – O prefeito Eduardo Braide anunciou, por meio das suas redes sociais, o fim da greve dos rodoviários, que já durava 12 dias. Segundo o prefeito, os ônibus voltam a circular ainda nesta segunda (1o).

    No vídeo publicado nas redes, o prefeito fez questão de destacar que o fim da greve se deu após uma reunião entre empregados e empregadores, na sede da prefeitura e não vai haver aumento no valor das passagens.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Greve dos motoristas de ônibus causa a primeira degola: Braide demite o secretário da SMTT

    Talvez não seja essa a solução, mas o prefeito de São Luís, Eduardo Braide, demitiu seu secretário de Trânsito e Transportes, Cláudio Ribeiro e colocou no comando da Pasta o chefe da Assessoria Jurídica da SMTT o advogado Diego Baluz. Confira o anúncio abaixo:

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Eduardo Braide precisa ser prefeito para decretar calamidade pública e contratar novas empresas de ônibus

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Neto Evangelista sugere união entre governo e prefeitura para solucionar greve dos rodoviários em São Luís

    Reduzir ainda mais o ICMS do diesel e destinar recursos para o sistema de transporte seriam a solução para o fim da greve dos rodoviários em São Luís. A sugestão é do deputado estadual Neto Evangelista (DEM), que se pronunciou sobre o assunto na sessão plenária desta quarta-feira (27). O parlamentar disse, ainda, que a Prefeitura de São Luís e o Governo do Estado precisam dar as mãos para solucionar a questão.

    “É necessário dividir os riscos e prejuízos e, juntos, financiar o sistema de transporte público. O combustível subiu de preço, mas não dá para aumentar a passagem de ônibus agora”, destacou Neto Evangelista.

    O parlamentar lembrou que o sistema de transporte urbano e semiurbano da Ilha de São Luís está parado há uma semana, ocasionando enorme prejuízo à população e à economia da cidade.

    “São mais de 700 mil usuários que dependem do transporte público. Além disso, com a paralisação, muitos comerciantes tiveram de reduzir suas equipes e alguns não puderam abrir as portas de seus estabelecimentos. Os serviços estão parados, já que os funcionários não conseguem se deslocar ao local de trabalho”, enfatizou o deputado.

    Por fim, Neto Evangelista reiterou que “se o governo estadual fizer o que pode fazer, ou seja, reduzir o ICMS, e a Prefeitura subsidiar, de forma legal, o que é permitido no contrato devido ao momento atual, o sistema de transporte da capital voltará a funcionar”.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Proposta indecente é recusada por motoristas de ônibus e greve chega ao 6º dia na Grande São Luís

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Prefeitura de São Luís encontra a solução para a greve dos motoristas; enquanto o governo fica calado

    O prefeito de São Luís, Eduardo Braide, informou hoje ao quadro “Bastidores”, do programa Bom Dia Mirante, a solução encontrada para encerrar hoje o quinto dia de greve do rodoviários. Ele vai criar um programa para pagar as passagens de desempregados, injetando mais recursos nos cofres do sistema de transporte.

    Detalhe: a Prefeitura de São Luís, ao que parece, vai arcar sozinha com as despesas para evitar o aumento das tarifas neste momento em que a pandemia ainda não acabou no Brasil.

    Além de São Luís, a nova ação social vai beneficiar as passagens de três municípios: Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar, que são de competência da MOB, órgão do Governo do Estado do Maranhão.

    Flávio Dino se fingiu de morto o tempo todo da greve e, ao que parece, não ajudará em nada a prefeitura da capital para assumir sua responsabilidade sobre as três cidades. Ou será que as prefeituras beneficiadas por essa nova medida irão ajudar os cofres de São Luís e bancar o programa social?

    A reunião, conforme Eduardo Braide, está previstas para o período da tarde e ele espera que trabalhadores e patrões possam aceitar a proposta e devolver a normalidade ao sistema de transporte público da Grande Ilha.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Prefeitura de São Luís nega auxílio e cidade segue sem ônibus

    Por Blog do Diego Emir

    Acabou a reunião entre empresários, trabalhadores e a Prefeitura de São Luís, após quase quatro horas de negociações não houve acordo e a cidade vai permanecer sem ônibus.

    De acordo com informações, a Procuradoria Geral do Município representando o prefeito Eduardo Braide (Podemos), retirou a proposta de fornecer um subsídio ao sistema do transporte público.

    De acordo com um empresário que participou, a Prefeitura de São Luís chegou a sinalizar com um auxílio financeiro, um subsídio aos empresários para garantir um reajuste aos motoristas e cobradores, porém a PGM comunicou que o executivo não teria como ajudar em nada.

    Outras fontes confirmam que a Prefeitura “fez compromisso verbal de ajudar financeiramente o sistema, mas não quis constar na ata”.

    O desembargador Evandro, responsável por mediar a reunião, demonstrou insatisfação com o recuo da Prefeitura, que acabou atrapalhando um possível desfecho da greve.

    Empresários afirmam que não podem propor reajuste sem que a Prefeitura de São Luís coloque uma proposta de subsídio ou reajuste da passagem.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Deputado critica a omissão da Prefeitura e pede aos empresários que respeitem os direitos do trabalhador rodoviário

    O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) se manifestou hoje criticando a posição do prefeito Eduardo Braide, a quem classificou de incapaz de mediar um acordo entre os motoristas de ônibus e os empresários do setor, o que tem causado sérios prejuízos para a população neste terceiro dia de paralisação. . Confira abaixo:

    Neste momento, às 12h, patrões e empregados discutem um acordo na sede da Justiça do Trabalho. Motoristas alegam que não vem sendo cumpridos acordos  feitos na última Convenção Coletiva de Trabalho, que prevê uma série de direitos aos motoristas e citam como exemplo o reajuste nos salários em 13%, jornada de trabalho de seis horas, tíquete-alimentação no valor de R$ 800, manutenção do plano de saúde e a inclusão de um dependente, e concessão do auxílio-creche para trabalhadores com filhos pequenos, conforme divulgado hoje no Blog do Domingos Costa.

    O prefeito de São Luís nunca participou de nenhuma reunião entre as duas classes para evitar a greve, limitando-se apenas a colocar a Justiça no caso com suas pesadas punições aos trabalhadores.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Após 14 bancários morrerem de covid no MA, sindicato prepara greve geral no estado

    Os bancários maranhenses já começam a discutir a deflagração de uma GREVE GERAL SANITÁRIA em defesa da saúde e da vida da categoria e da população no Maranhão.

    Desde janeiro de 2021, o SEEB-MA tem solicitado a todas as esferas do poder público – municipal, estadual e federal – que os bancários sejam incluídos no grupo de vacinação prioritária contra a Covid-19. Afinal, a categoria exerce atividade essencial e não parou de trabalhar presencialmente durante a pandemia.

    Além disso, tem atuado na linha de frente da crise, em agências fechadas, sem ventilação natural, com aglomerações e alto risco de contágio pelo coronavírus, a fim de pagar o auxílio emergencial e evitar o colapso econômico-social do país. Vale ressaltar que o Governo Flávio Dino já incluiu diversas categoria na lista de imunização prioritária, mas excluiu os trabalhadores dos bancos, o que tem contribuído para o aumento do número de óbitos no Estado.

    Para se ter ideia, nos últimos meses, 14 bancários tombaram vítimas da Covid-19, além de milhares de maranhenses, que podem ter se contaminado nos bancos, um dos locais mais perigosos para a transmissão do vírus, segundo o médico especialista em doenças infecciosas da UFES, Crispim Cerutti.

    “Desde o início, cobramos do Governo Federal um lockdown nacional e, sobretudo, a vacinação em massa e gratuita para todos os brasileiros. Diante da omissão do presidente e do aumento do número de casos e óbitos, recorremos ao governador e aos prefeitos do Maranhão para garantirem a vacina não só para os outros trabalhadores, mas também, para os bancários, devido às peculiaridades já citadas da categoria, a fim de salvar vidas e evitar o colapso do sistema de saúde. Caso, nos próximos dias, não haja uma resposta satisfatória e definitiva do poder público a respeito do pleito da categoria, não restará alternativa a não ser a deflagração de uma GREVE GERAL SANITÁRIA dos trabalhadores dos bancos. Os preparativos já começaram. Vamos à luta” – afirmou o presidente do SEEB-MA, Eloy Natan.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.