PF deflagra operação contra tráfico de drogas e lavagem de dinheiro no Maranhão e em mais seis Estados

    A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (27), a Operação Tricoat II, com o objetivo de aprofundar investigação contra organização criminosa dedicada à lavagem de dinheiro oriunda do tráfico de drogas interestadual.

    Foto divulgação: PF em Operação Tricoat II

    Na ação, foram mobilizados mais de 100 policiais federais para os cumprimentos de dois mandados de prisão e 24 mandados de busca e apreensão, nos seguintes estados brasileiros: Acre, Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Maranhão, Amazonas, Pará e Piauí.

    As investigações contra o grupo criminoso iniciaram-se em janeiro de 2022, em que foi constatado um esquema profissional responsável pelo envio de drogas para estados do Brasil, principalmente, para a região nordeste, por meio terrestre. Além disso, apurou-se a realização de lavagem de capitais oriundas do tráfico de drogas.

    Para lavar o dinheiro proveniente das atividades criminosas, um núcleo – liderado por um empresário acreano – se utilizava de um mercado sediado em Rio Branco, a fim de simular um funcionamento regular do estabelecimento, para justificar os valores e os bens obtidos com o lucro do tráfico interestadual de drogas.

    Os investigados movimentaram mais de 37 milhões de reais em suas contas bancárias durante o período apurado, grande parte por meio de transações em espécie.

    Diante da situação, foram autorizados pela Justiça o Bloqueio de Contas, sequestro de imóveis, terrenos, itens de luxo, bem como carros.

    Os investigados serão indiciados por integrar associação criminosa para o tráfico de drogas, por lavagem de dinheiro e por tráfico interestadual de drogas, cujas penas somadas podem chegar até 33 anos de prisão.

    Foto: Polícia Federal

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Pedófilo é preso no interior do Maranhão em ação da PF contra abuso sexual infantil

    A Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos da Polícia Federal no Maranhão deflagrou na manhã desta quarta-feira (26) a Operação Jardim de Infância, dando cumprimento a dois mandados de busca e apreensão expedidos em desfavor de investigado que publicou na internet vídeos e imagens de abuso sexual infantil.

    Foto Reprodução

    Os mandados foram cumpridos nas cidades de Morros e Humberto de Campos, no interior do Estado. Além disso foi lavrado auto de prisão em flagrante em face do investigado por ter sido encontrado material pornográfico infantil em seu aparelho celular.

    A investigação inaugurou-se a partir de informações reportadas à Polícia Federal pela ONG NCMEC (Nacional Center for Missing and Exploited Children), a qual analisa dados repassados pelos prestadores de serviços de conexão/internet envolvendo suspeita de exploração sexual infantil que trafeguem em suas redes. Com base em tais dados, houve representação policial perante a Justiça Federal e foram deferidas as medidas cautelares cumpridas hoje visando a coleta de elementos de prova da autoria e materialidade delitiva.

    O investigado é suspeito da prática do crime de Publicação de cenas de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança/adolescente, tipificado no artigo 241-A da Lei 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente), cuja pena pode chegar a seis anos de reclusão.

    O nome da operação faz referência ao Jardim de Infância, etapa do ensino pré-escolar, e foi empregado em virtude da condição do investigado, o qual figura como professor de uma escola da rede municipal e possui contato direto e frequente com menores de idade.

    As investigações prosseguirão com análise do material constante nas mídias apreendidas pelas equipes policiais visando a coleta de elementos probatórios relacionados ao crime investigado bem como a identificação de eventuais outras condutas criminosas correlacionadas.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    PF estoura operação e desarticula associação criminosa que inclui São Luís na rota do tráfico internacional

    A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (26/4), a Operação Rota Caipira, com o objetivo de reprimir o tráfico internacional de cocaína oriunda dos países andinos: Bolívia, Peru e Colômbia, com destino a estados do norte e nordeste brasileiros, com o Maranhão.

    Foto: Polícia Federal

    Na ação, estão sendo cumpridos 195 medidas judiciais, sendo 28 mandados de prisão preventiva, 95 de busca e apreensão em 14 estados brasileiros, apreensão de 16 aeronaves, sequestro de três propriedades rurais e bloqueio de valores, que pode totalizar 300 milhões de reais, dentre outras medidas judiciais expedidas pela 1º Vara Federal de Araguaína/TO.

    Para a deflagração da operação foram mobilizados 400 policiais federais, servidores da Agência Nacional de Petróleo – ANP, da Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC, bem como equipes da Polícia Militar dos Estados do Tocantins, do Maranhão e do Piauí e equipe do grupamento aéreo da Polícia Militar do Tocantins.

    As investigações iniciaram-se em novembro de 2020 com a apreensão de 815kg de cocaína, na cidade de Tucumã/PA pela Polícia Militar do Estado do Pará, após troca de informações com a Delegacia de Polícia Federal em Araguaína/TO.

    De acordo com trabalhos investigativos, indica-se que a organização criminosa investigada adquiria cocaína de fornecedores localizados na Bolívia e Peru e realizava o transporte por meio de complexa estrutura aérea até pontos estratégicos localizados nos Estados do Pará, Tocantins e Maranhão, sendo as capitais nordestinas tais quais: São Luís/MA, Teresina/PI e Fortaleza/CE, a princípio, o destino. No entanto, a investigação não descarta que a droga também tenha tido como destino países da Europa.

    Diante da situação, os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de associação, financiamento e tráfico internacional de drogas, organização criminosa internacional, lavagem de dinheiro praticada por organização criminosa, dentre outros crimes.

    Foto: Polícia Federal

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    PF deflagra operação em São Luís por contrabando e apreende carga de cigarros avaliada em R$ 25 mil

    A Polícia Federal deflagrou a Operação Potência, na manhã desta quarta-feira, 19/04/2023, com o cumprimento de três mandados de busca e apreensão na cidade de São Luís, no Maranhão, contra grupo criminoso especializado no contrabando de cigarros.

    Foto: Operação Potência da PF em São Luís

    A investigação iniciou-se em 2021, após a prisão em flagrante de uma pessoa e a apreensão de 100 (cem) pacotes de cigarros de origem estrangeira, na localidade de Ribeira, zona rural de São Luís/MA. Na ocasião, também foi apreendido um aparelho celular.

    Da extração e análise dos dados do aparelho celular apreendido, após a devida autorização judicial, evidenciou-se não somente a participação do flagranteado nos crimes apurados, como também foi possível identificar outros atores que, de forma associada, com o objetivo de obter lucros, comercializam cigarros contrabandeados na capital maranhense.

    Os mandados estão sendo cumpridos na cidade de São Luís, tendo sido empregado um efetivo de 16 Policiais Federais.

    Caso condenados, os investigados poderão responder pelos crimes de contrabando e associação criminosa cujas penas somadas podem chegar oito anos de reclusão.

    Foto: Operação Potência da PF em São Luís
    Foto: Operação Potência da PF em São Luís

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    PF deflagra operação no Maranhão contra venda ilegal de bens arqueológicos

    A Polícia Federal (PF) no Maranhão deflagrou nesta terça-feira (11/04) a Operação PEDRAS DE RAIO com o objetivo de reprimir o comércio irregular de bens arqueológicos localizados no interior do Estado.

    Foto Divulgação: PF

    A investigação teve início a partir de denúncia encaminhada pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) que apontava indícios da venda de materiais arqueológicos pela internet.

    Após identificar e localizar o responsável pelo anúncio, a Polícia Federal representou pela expedição de Mandado de Busca e Apreensão Domiciliar, o qual foi cumprido na cidade de Turilândia/MA na manhã de hoje.

    A Lei nº 3.924/61 proíbe, em todo o território nacional, o aproveitamento econômico de bens e sítios arqueológicos, e esclarece que a posse e a salvaguarda dos bens de natureza arqueológica ou pré-histórica constituem, em princípio, direito imanente ao Estado.

    Os investigados responderão, na medida de suas responsabilidades, pelo crime de receptação qualificada previsto no artigo 180, §1° do Código Penal e pelo crime de destruição, inutilização ou deterioração bem especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial, previsto no artigo 62, inciso I, da Lei 9.605/98.

    Foto Divulgação: PF

    A operação foi batizada de PEDRAS DE RAIO, por serem assim também conhecidas as pedras de corisco, o bem que estaria sendo anunciado em sítio da internet.

    Foto Divulgação: PF

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Preso em Goiânia homem apontado como líder do Comando Vermelho em São Luís

    A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (5), simultaneamente na capital maranhense e em Goiânia (GO), a Operação ‘TORRE’, com o objetivo de cumprir um mandado de prisão e três de busca e apreensão, em desfavor de um investigado apontado como líder (torre) da facção criminosa Comando Vermelho, no bairro Estiva, em São Luís.

    Foto: Operação Torre da PF

    O alvo da operação foi preso na cidade de Goiânia – GO e em seu domicílio foi apreendida uma arma de fogo. Neste município, dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos endereços do investigado na Estiva – São Luís.

    Uma das casas, tidas como principal residência do alvo aqui no Maranhão, chamou a atenção da equipe policial, pois em seu interior havia rotas de fuga para parte de fora, bem como sistema de monitoramento eletrônico e uma espessa porta de ferro que dividia o acesso do térreo ao primeiro andar da casa.

    Participaram da operação 10 policiais federais.

    O investigado poderá responder por crimes, com penas que podem chegar a mais de 18 anos de prisão.

    Foto: Operação Torre da PF
    Foto: Operação Torre da PF

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    PF e PMMA prendem dupla e recuperam carga roubada de caminhão dos Correios na MA 034

    A Polícia Federal e o 2º Batalhão da Polícia Militar em Caxias/MA prenderam em flagrante, na tarde desta quinta-feira (30), dois assaltantes que participaram do roubo ao caminhão dos Correios na rodovia MA-034, ocorrido por volta das 11h.

    Foto: Polícia Federal

    O caminhão dos Correios havia saído de Caxias e tinha destino final a cidade de Buriti de Inácia Vaz. Próximo à cidade de Coelho Neto, os assaltantes tomaram o caminhão e forçaram o motorista a retornar.

    Parte das mercadorias foi levada e outra parte foi escondida numa estrada próximo à rodovia MA-034, aproximadamente 10 km da BR-316.

    Tão logo tomaram conhecimento do assalto, equipes da Polícia Federal e da Polícia Militar começaram a fazer incursões nas proximidades e, já no fim da tarde, conseguiram identificar e prender dois dos cinco assaltantes, recuperando ainda boa parte das encomendas.

    A Polícia Federal está colhendo os interrogatórios e buscando outros elementos para demostrar a participação de cada um dos envolvidos.

    Diante dos fatos constatados, os presos serão indiciados pelos crimes de roubo qualificado com emprego de armas de fogo entre outras qualificadoras, com penas que podem chegar a 10 anos.

    Após serem ouvidos na Delegacia da Polícia Federal, serão encaminhados ao presídio de Caxias, ficando à disposição da Justiça Federal.

    Foto: Polícia Federal

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    PF prende mulher que trazia para São Luís 3kg de cocaína escondidos no gesso da perna

    A Polícia Federal prendeu em flagrante, nesta terça-feira (28), uma mulher que ocultava três quilos de cocaína pura no gesso da perna no aeroporto de Brasília.

    3 kg de cocaína no gesso da perna da mulher presa em flagrante

    A passageira embarcou no Aeroporto Internacional Plácido de Castro, em Rio Branco, no Acre, com destino a São Luís, no Maranhão, e conexão na capital federal.

    Os Policiais Federais desconfiaram da atitude da mulher, cuja história não parecia consistente. Ao desembarcar em Brasília, a passageira foi revistada e presa em flagrante após os policiais encontrarem a cocaína dentro do gesso.

    A presa foi encaminhada para a Superintendência Regional de Polícia Federal no Distrito Federal, onde permanece à disposição da Justiça para responder pelo crime de tráfico interestadual de drogas.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    PF desarticula grupo criminoso que pretendia matar o Senador Sérgio Moro e um Promotor de Justiça

    A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (22/3) a Operação Sequaz para desarticular uma organização criminosa que pretendia realizar ataques contra servidores públicos e autoridades, incluindo homicídios e extorsão mediante sequestro, em pelo menos cinco unidades da federação (RO, PR, DF, MS e SP).

    Senador Sérgio Moro

    O Senador Sérgio Moro estaria na mira dos criminosos e seria assassinado. Um promotor de Justiça, que não teve  nome revelado, também era alvo da organização.

    De acordo com as investigações, os ataques poderiam ocorrer de forma simultânea, e os principais investigados se encontravam nos estados de São Paulo e Paraná.

    Cerca de 120 policiais federais cumprem 24 mandados de busca e apreensão, sete mandados de prisão preventiva e quatro mandados de prisão temporária em Mato Grosso do Sul, Rondônia, São Paulo e Paraná.

    O nome da operação se refere ao ato de seguir, vigiar, acompanhar alguém, devido ao método utilizado pelos criminosos para fazer o levantamento de informações as possíveis vítimas.

    Foto: PF
    Foto: PF

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    PF combate comércio irregular de madeira extraída em terras indígenas no Maranhão

    A Polícia Federal (PF) no Maranhão, como apoio do Instituto Nacional do Meio Ambiente (IBAMA)e Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão deflagrou, no dia 15/03/2021, a Operação AEGIS, com o objetivo de reprimir o comércio irregular de madeira extraída de Terras Indígenas localizadas no Maranhão.

    A PF apurou que parte da madeira extraída ilegalmente de Terras Indígenas, em especial a TI Araribóia, estava abastecendo serrarias na cidade de Grajaú/MA e que tais serrarias estariam revendendo essa madeira para o consumidor final.

    A ação contou com a participação de 95 (noventa e cinco) agentes públicos da PF, IBAMA e Bombeiros e teve como alvos serrarias nas cidades de Grajaú/MA e residências dos investigados tanto na cidade de Grajaú/MA como na cidade de Teresina/PI.

    No total foram cumpridos 16 Mandados de Busca e Apreensão e 4 ordens de suspensão de atividades expedidas pela Justiça Federal de Balsas/MA.

    Os investigados responderão pelos crimes previstos no artigo 180, §1° do Código Penal (receptação qualificada)e no artigo 46, parágrafo único, da Lei 9.605/98 (ter em depósito produto de origem vegetal sem licença válida).

    A operação foi batizada de AEGIS em uma alusão ao escudo utilizado pela deusa Atenas para proteção contra os inimigos.



    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    PF encontra R$ 270 mil em espécie na casa de filho de desembargador federal no Maranhão

    O advogado vai ter que explicar explicar a razão de  tanto dinheiro na sua casa. O portal g1 informou que  “tentou entrar em contato com Ravik, mas não obteve retorno até a última atualização desta matéria. Em nota, o gabinete de Cândido Ribeiro disse que a operação corre em sigilo e que o desembargador não tem nada a declarar”.

    Outro advogado e um juiz com traficantes

    No Maranhão vai estourar um caso idêntico que envolve um advogado e um antigo juiz, que caminha para se tornar desembargador do Tribunal de Justiça por tempo de idade.

    O juiz concedeu liminar determinando a prisão de uma mega traficante, mas em seguida cassou a sua própria decisão. O advogado que atuou na causa constrói atualmente uma grande escritório de luxo em um shopping da cidade. É só aguardar!

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    PF faz operação em São Luís e no DF contra advogado e desembargador suspeitos de vender sentenças a traficantes

    Metrópoles 

    A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (14/3), a Operação Habeas Pater, para combater crimes de corrupção ativa e passiva. A PF faz buscas em um escritório de advocacia na Asa Norte, área nobre de Brasília.

    Foto Divulgação: Polícia Federal

    Os mandados foram expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) para apurar o suposto envolvimento de um desembargador federal e seu filho, advogado, suspeitos de terem ligação com investigados da Operação Flight Level II, também deflagrada nesta terça pela Polícia Federal.

    Trata-se do advogado Ravik de Barros Bello Ribeiro, filho do desembargador Cândido Ribeiro, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). Eles são suspeitos de venda de sentenças para traficantes. Caso pai e filho venham a responder pelos crimes, poderão ser condenados a até 12 anos de prisão.

    Estão sendo cumpridos nove mandados de busca e apreensão em Brasília; sete em Belo Horizonte, na capital mineira; e um em São Luís, no Maranhão.

    Operação Flight Level II

    Também nesta terça, a PF deflagrou outra operação que investiga crimes de tráfico internacional de drogas, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

    As investigações apontaram que os envolvidos na primeira fase da operação seriam uma “célula” de uma organização criminosa maior voltada ao tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro e crimes financeiros.

    Foram identificadas aquisições de imóveis, veículos de luxo, joias e criptoativos sem que os rendimentos declarados fossem suficientes para justificar o acréscimo patrimonial no período.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.