Banco do Nordeste ultrapassa R$ 5 milhões financiados para geração de energia em residências no Maranhão

Com financiamento de até 100% dos componentes e instalação dos sistemas de micro e minigeração de energia elétrica, fotovoltaica ou eólica, o Banco do Nordeste tem estimulado a geração própria de energia elétrica em unidades residenciais. No Maranhão, R$ 5,1 milhões já foram financiados em 2019, para viabilizar a geração de energia limpa e as vantagens de economia que ela oferece.

Uma das beneficiadas no Estado é a cliente Ioleth Neves. Ela já implantou um sistema de geração de energia solar em sua residência, no bairro Cohab Anil, em São Luís, capaz de gerar 391 quilowatts-hora por mês, mais que a totalidade do consumo médio da casa. Assim, seu consumo com a concessionária de energia foi reduzida a zero.

Ioleth afirma que os resultados obtidos após a instalação do sistema são muito positivos, especialmente considerando a relação custo e benefício. “Após dois anos em busca de orçamentos viáveis para a instalação do sistema de energia solar, somente no Banco do Nordeste obtive condições que permitiram a reversão do valor que eu pagava na conta para a parcela do financiamento. Tivemos redução de 80% na conta de energia, mantendo-se apenas as taxas de serviços”, revelou.

O superintendente estadual do BNB no Maranhão, Hailton Fortes, destaca que a opção pelo financiamento de energia limpa a baixo custo oferecida pela instituição representa oportunidade vantajosa. “A economia gerada na conta de energia é, na maioria dos casos, diretamente proporcional aos custos de instalação da estrutura de geração de energia a partir do financiamento pelo Banco do Nordeste. Uma combinação de sustentabilidade ambiental e economia que resulta em muitas vantagens aos interessados”, explicou.

Em toda a área de atuação do Banco do Nordeste – estados do Nordeste e norte dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, a instituição financeira já investiu R$ 47,6 milhões na implantação de sistemas voltados para o uso residencial de energia solar apenas em 2019.

Condições

A grande vantagem da linha FNE Sol Pessoa Física é que os clientes não têm aumento nos gastos fixos que já possuem, já que podem compensar as parcelas dos financiamentos com a economia na conta de energia elétrica. O crédito pode ser pago em até oito anos, com carência de até seis meses. Após a quitação, sobram os benefícios do equipamento, que tem vida útil média de 20 anos.

O Banco do Nordeste financia até 100% do investimento, com limite de R$ 100 mil e taxas de juros a partir de 0,35% ao mês. Para valores abaixo de R$ 50 mil, há ainda outra facilidade: a garantia pode ser aval ou alienação dos próprios equipamentos.

As taxas acessíveis e condições diferenciadas do programa são possíveis graças à origem do recursos financiado, advindo do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste, operacionalizado exclusivamente pelo Banco do Nordeste. Interessados podem ter acesso ao programa FNE Sol no Maranhão procurando uma das 29 agências do BNB, instaladas em todas as regiões do Estado.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Banco do Nordeste abre seleção para apoio a projetos sociais, de saúde e esporte

Até 4 de novembro, o Banco do Nordeste recebe inscrições para seleção de projetos de cunho social e das áreas de saúde e esporte, voltados para crianças, adolescentes, adultos e idosos de baixa renda. As iniciativas selecionadas contarão com aporte de recursos não reembolsáveis, por meio de leis de incentivos fiscais.

Podem participar projetos que se enquadram no âmbito das regras do Fundo da Infância e Adolescência (FIA), Fundo dos Direitos do Idoso, Lei de Incentivo ao Esporte, Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica e Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde de Pessoa com Deficiência.

Na avaliação, serão considerados aspectos como nível de organização da entidade, qualidade de atendimento, incentivo à formação educacional, fomento à iniciação profissional, quantidade de beneficiários, regularidade fiscal do proponente, tempo de permanência na atividade, abrangência geográfica e possibilidades de expansão na área de atuação do Banco do Nordeste.

Os projetos serão executados por entidades governamentais ou não governamentais de comprovada experiência, estrutura e competência para desenvolvê-los.

Os editais com as informações sobre o processo de seleção estão disponíveis no endereço www.bnb.gov.br, no link “Responsabilidade Socioambiental – Informes Socioambientais”. As entidades podem enviar os projetos para o e-mail [email protected]

De 2007 a 2018, o Banco do Nordeste destinou R$ 25,49 milhões a 301 projetos sociais, via recursos incentivados, com base na previsão do seu imposto de renda devido. As iniciativas amparadas beneficiaram 63,9 mil pessoas.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Caixa e BB promovem ações para micro e pequenas empresas

Agência Brasil

A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil desenvolverão ações para as micro e pequenas empresas, a partir deste mês de outubro até o final do ano.

Em comemoração ao Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa, celebrado amanhã (5), será realizada pelo Banco do Brasil, pelo segundo ano consecutivo, a MPE Week. O projeto consolida a parceria com o público micro e pequena empresa (MPE), que representa 54% dos empregos com carteira assinada e 27% do PIB brasileiro, de acordo com dados do Sebrae. São 18,6 milhões de MPE no Brasil, sendo que 12,7% são clientes BB.

O movimento acontece em duas fases. Na primeira, que vai até amanhã, as micro e pequenas empresas são convidadas a cadastrarem suas ofertas no site mpeweek.com.br para oferecer seus benefícios aos consumidores. Toda MPE pode participar, cliente do BB ou não, gratuitamente.

A segunda fase da campanha acontece a partir de amanhã (5) até o dia 26 de outubro. Nessa fase, o BB divulgará as ofertas que as empresas cadastraram, convidando o público em geral a aproveitar as vantagens da temporada de oportunidades, no mesmo site onde as ofertas foram cadastradas. Por meio de geolocalização, a página possibilita encontrar as ofertas mais próximas.

Na primeira edição da MPE Week, em 2018, cerca de 20 mil empresas se cadastraram em todo país, o que gerou mais de 23 mil ofertas.

Caixa

Já a Caixa, oferece, até o final do ano, pacote com condições especiais em produtos e serviços para micro e pequenas empresas, visando facilitar o pagamento do 13º salário dos funcionários e demais despesas do período de final de ano.

Entre as opções de crédito, estão o GiroCAIXA Recurso PIS, com taxa de juros de 0,83% ao mês mais Taxa Referencial (TR) e isenção do pagamento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e a operação BNDES Crédito Pequenas Empresas, com possibilidade de carência de três meses e garantia flexibilizada.

A Caixa também oferece 10% de desconto no Seguro Multirisco, isenção da tarifa para a folha de pagamento e 50% de desconto na Cesta de Serviços Clássica.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

No Dia Nacional da MPE, Banco do Nordeste comemora R$ 26,5 bilhões aplicados em dez anos

O Banco do Nordeste celebra o Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa, no próximo dia 5, com R$ 26,5 bilhões investidos nos últimos dez anos no segmento. São mais de 667 mil operações na década, destinadas a contribuir com a dinamização da economia regional por meio da oferta de crédito a empreendedores dos nove Estados nordestinos e do norte de Minas Gerais e do Espírito Santo. Em 2019 já foram aplicados mais de R$ 2,5 bilhões, em 30,7 mil operações, e a expectativa da instituição é superar R$ 3,3 bilhões no ano.

Micro e pequenas empresas do Maranhão receberam mais de R$ 2,5 bilhões em dez anos, valor distribuído em 56,7 mil contratos. Em 2019 já são mais de R$ 241,6 milhões no Estado, em 2,6 mil operações.

O BNB conta, atualmente, com mais de 207 mil MPEs em sua carteira de clientes ativos e prepara para esse público uma série de ações durante o mês, com apresentações de soluções financeiras e facilidades tecnológicas focadas em tornar o atendimento cada vez mais célere.

O capital de giro digital é o destaque entre as novidades de outubro. Com ele, micro e pequenos empresários da área de atuação do Banco do Nordeste podem solicitar o recurso via internet banking com ainda mais agilidade no processo de concessão de crédito.

O Banco do Nordeste oferece recursos para aquisição de estoques, veículos e equipamentos, instalação e ampliação de unidades, modernização e redução de custos que permitam o incremento dos resultados.

Semana do Crédito

Também como parte da programação relativa ao Dia da Micro e Pequena Empresa, o BNB participa da Semana Nacional do Crédito, com taxas para capital de giro reduzidas, a partir de 0,4% ao mês. A ação é promovida pela Subsecretaria Nacional da Micro e Pequena Empresa, órgão ligado ao Ministério da Economia, com objetivo de ampliar o acesso ao crédito e promover regularização de operações em atraso. A programação da Semana Nacional do Crédito envolve consultorias gratuitas, palestras e rodada de renegociação de dívidas.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Receita abre consultas ao 2º lote de restituições do IR 2019

Por G1

A Receita Federal abriu nesta segunda-feira (8) as consultas ao segundo lote de restituição do Imposto de Renda de Pessoas Físicas (IRPF) de 2019, e a lotes residuais de 2008 a 2018.

De acordo com o Fisco, serão pagos neste lote R$ 5 bilhões, a 3.164.229 contribuintes. Os depósitos serão feitos em 15 de julho.

Assim que abertas, as consultas podem ser feitas pelo site da Receita Federal na internet. Há, ainda, o aplicativo para tablets e smartphones que facilita consulta às declarações do IRPF e situação cadastral no CPF, diretamente nas bases de dados da Receita Federal.

Do total a ser pago, R$ 2,362 bilhões serão pagos a contribuintes idosos acima de 60 anos, com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave, e contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Como consultar sua restituição

Pelo telefone

  • Ligando para o Receitafone, no número 146

Pelo computador

    • Digite seu CPF (apenas números), data de nascimento e os caracteres de verificação (captcha), e clique em “consultar”.

    Pelo aplicativo da Receita

    • Para fazer a consulta pelo aplicativo, é preciso ter um certificado digital, ou criar um código de acesso, e liberar o uso do aplicativo.
    • Para criar um código de acesso:
    • Acesse a página da Receita Federal pelo computador – clique aqui para acessar
    • Crie o código de acesso usando o número do CPF, data de nascimento e recibos de entrega das duas últimas declarações
    • Entre no e-Cac, o Centro Virtual de Atendimento – clique aqui para acessar
    • Entre em Meu Imposto de Renda/Outros/Autorizar Acesso via Smartphones e Tablets
    • Cadastre o smartphone ou tablet – para cada um deles deverá ser informado um nome, uma palavra-chave e uma data de expiração dessa autorização
    • Após a criação do código:

      • Baixe e abra o aplicativo “Meu Imposto de Renda”
      • Digite seu CPF e data de nascimento
      • Digite os caracteres de verificação (captcha)
      • Clique em acompanhar
      • Digite o CPF

      Malha fina

      A Receita informou que é possível checar se a declaração foi processada. E se ela estiver já na fila de pagamentos, as informações prestadas estão coerentes com o banco de dados da Receita – indicando que a declaração, a princípio, não tem pendências (a Receita Federal tem até cinco anos para pedir esclarecimentos sobre as declarações).

      A verificação pode ser feita pelo serviço Meu Imposto de Renda da Receita Federal. Para isso, é preciso gerar um código de acesso, a partir do número do CPF, data de nascimento e recibos de entrega das duas últimas declarações.

      Veja as datas de pagamento dos lotes de restituição do IR neste ano:

      • 1º lote, em 17 de junho de 2019;
      • 2º lote, em 15 de julho de 2019;
      • 3º lote, em 15 de agosto de 2019;
      • 4º lote, em 16 de setembro de 2019;
      • 5º lote, em 15 de outubro de 2019;
      • 6º lote, em 18 de novembro de 2019;
      • 7º lote, em 16 de dezembro de 2019.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Abono salarial PIS/Pasep 2018-2019: prazo para retirar benefício termina na sexta-feira

G1

O prazo para os trabalhadores sacarem o abono salarial PIS-Pasep do calendário 2018-2019, relativo ao ano-base 2017, termina nesta sexta-feira (28).

Segundo último balanço divulgado pelo Ministério da Economia, 2,2 milhões de trabalhadores ainda não sacaram R$ 6,5 bilhões.

O PIS é pago na Caixa Econômica Federal. O Pasep é pago para servidores públicos por meio do Banco do Brasil. O valor do abono varia de R$ 84 a R$ 998, dependendo do período trabalhado formalmente em 2018.

O abono salarial ano-base 2017 começou a ser pago em julho de 2018, de forma escalonada. O calendário de recebimento leva em consideração o mês de nascimento, para trabalhadores da iniciativa privada, e o número final da inscrição, para servidores públicos.

Desde então, mais de 22,4 milhões de trabalhadores já retiraram os valores, somando mais de R$ 17 bilhões liberados, segundo dados do governo do dia 12 de junho.

Agora os recursos estão disponíveis para os nascidos em qualquer mês. O saque poderá ser realizado em agência bancária. Depois de 28 de junho, o recurso volta para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Quem tem direito

Tem direito ao abono salarial quem recebeu, em média, até dois salários mínimos mensais com carteira assinada e exerceu atividade remunerada durante, pelo menos, 30 dias em 2017. É preciso ainda estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e ter os dados atualizados pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais) ano-base 2017.

Trabalhadores da iniciativa privada retiram o dinheiro na Caixa Econômica Federal, e os servidores públicos, no Banco do Brasil. É preciso apresentar um documento de identificação e o número do PIS/Pasep.

No caso do PIS, para quem é correntista da Caixa, o pagamento foi feito 2 dias antes do restante dos outros trabalhadores. Já no caso do Pasep, o crédito em conta para correntistas do Banco do Brasil foi efetuado a partir do 3º dia útil anterior ao início de cada período de pagamento.

Valor depende dos meses trabalhados

O valor do abono é associado ao número de meses trabalhados no exercício anterior. Portanto, quem trabalhou um mês no ano-base 2017 receberá 1/12 do salário mínimo. Quem trabalhou 2 meses receberá 2/12 e assim por diante. Só receberá o valor total quem trabalhou o ano-base 2017 completo.

Por exemplo, se o período trabalhado foi de 12 meses, vai receber o valor integral do benefício, que é de um salário mínimo (R$ 998). Se trabalhou por apenas um mês, vai receber o equivalente a 1/12 do salário (R$ 84), e assim sucessivamente.

Para saber se tem direito e como sacar

Para sacar o abono do PIS, o trabalhador que possuir Cartão do Cidadão e senha cadastrada pode se dirigir aos terminais de autoatendimento da Caixa ou a uma casa lotérica. Se não tiver o Cartão do Cidadão, pode receber o valor em qualquer agência da Caixa, mediante apresentação de documento de identificação.

Informações sobre o PIS também podem ser obtidas pelo telefone 0800-726-02-07 da Caixa. O trabalhador pode fazer uma consulta ainda no site www.caixa.gov.br/PIS, em Consultar Pagamento. Para isso, é preciso ter o número do NIS (PIS/Pasep) em mãos.

  • Veja como localizar o número do PIS na internet

Os servidores públicos que têm direito ao Pasep precisam verificar se houve depósito em conta. Caso isso não tenha ocorrido, precisam procurar uma agência do Banco do Brasil e apresentar um documento de identificação. Mais informações sobre o Pasep podem ser obtidas pelo telefone 0800-729 00 01, do Banco do Brasil.

Cotas do Fundo PIS-Pasep

Outra modalidade do PIS-Pasep, as cotas do fundo podem ser sacadas – uma única vez – por quem tem idade a partir de 60 anos ou se enquadra nos casos de aposentadoria, invalidez (inclusive do dependente), morte do cotista (habilitando o herdeiro a sacar) e algumas doenças graves, como câncer, aids, Parkinson e tuberculose (incluindo o dependente).

Tem direito ao Fundo PIS-Pasep quem trabalhou com carteira assinada na iniciativa privada ou foi servidor público civil ou militar entre 1971 e 1988.

Os fundos do PIS e do Pasep funcionaram de 1971 a 1988 e davam direito ao trabalhador de receber o rendimento das cotas e sacar o dinheiro em caso de aposentadoria, doença grave ou ao completar 70 anos.

A partir de outubro de 1988, após a promulgação da Constituição, a arrecadação do PIS-Pasep passou para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que paga o seguro-desemprego e abono salarial, e para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que faz empréstimos a empresas.

Como as cotas do Fundo PIS-Pasep vigoraram durante um período específico, muitos beneficiários desconhecem esse direito e, no caso de morte do cotista, muitos herdeiros também não sabem que têm direito ao dinheiro.

Nesses casos, é possível fazer os saques a qualquer momento, sem necessidade de seguir cronograma, e o prazo continua aberto por tempo indeterminado.

O governo cogita autorizar os saques das cotas do Fundo PIS-Pasep para todas as idades, como fez o governo anterior. A previsão é de injetar R$ 20 bilhões na economia.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Conta de luz voltará a ter cobrança adicional em maio após 4 meses

R7 Notícias

A bandeira tarifária a partir deste mês será amarela, o que implicará um custo adicional de R$ 1,00 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumido 

Foto: Reprodução

As contas de luz vão ficar mais caras em maio. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) definiu que a bandeira tarifária de maio será amarela, o que implicará um custo adicional de R$ 1,00 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumido. De dezembro até abril, estava em vigor a bandeira verde, em que não há cobrança de taxa extra.

As duas variáveis que definem o sistema de bandeiras tarifárias são o preço da energia no mercado de curto prazo (PLD) e o nível dos reservatórios das hidrelétricas, medido pelo indicador de risco hidrológico (GSF, na sigla em inglês).

“Maio é o mês de início da estação seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN). Embora a previsão hidrológica para o mês indique tendência de vazões próximas à média histórica, o patamar da produção hidrelétrica já reflete a diminuição das chuvas, o que eleva o risco hidrológico (GSF) e motiva o acionamento da bandeira amarela”, diz nota divulgada pela Aneel.

Com relação ao PLD, a Aneel avalia que, diante da perspectiva de que as afluências aos principais reservatórios fiquem perto da média, o PLD deve permanecer próximo ao registrado nos últimos meses.

Escala

Na bandeira verde, não há cobrança de taxa extra. Na bandeira amarela, a taxa extra é de R$ 1,00 a cada 100 kWh consumidos. No primeiro nível da bandeira vermelha, o adicional é de R$ 3,00 a cada 100 kWh. E no segundo nível da bandeira vermelha, a cobrança é de R$ 5,00 a cada 100 kWh.

O sistema indica o custo da energia gerada para possibilitar o uso consciente de energia. Antes das bandeiras, o custo da energia era repassado às tarifas no reajuste anual de cada empresa, e tinha a incidência da taxa básica de juros. A Aneel deve anunciar a bandeira tarifária que vai vigorar em junho no dia 31 de maio.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Novo sistema de boletos reduz circulação de R$ 5,1 bilhões em espécie

Agência Brasil

O sistema de pagamento de boletos, conhecido por Nova Plataforma de Cobrança, criado pelos bancos, reduziu a necessidade de saques de dinheiro em espécie no total de R$ 5,1 bilhões, em seus três primeiros meses de funcionamento. A informação é da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

A federação acredita que os investimentos de R$ 500 milhões feito pelos bancos para criar a plataforma vai eliminar o equivalente a R$ 450 milhões em fraudes por ano.

A economia no uso de dinheiro em espécie foi obtida com 50 milhões de boletos que, no período de dezembro de 2018 a fevereiro deste ano, foram pagos em uma instituição financeira diferente daquela em que foi emitido o boleto. O total é equivalente a 65% dos documentos pagos, nesse período, após a data de vencimento. Antes da Nova Plataforma, uma conta vencida só poderia ser quitada na própria instituição financeira destinatária (emissora do boleto), o que exigia o saque em dinheiro para pagamento.

A estimativa da Febraban é que, em 2019, 6,6 bilhões de boletos sejam registrados na Nova Plataforma e mais de 25 bilhões de operações sejam realizadas, considerando o desempenho dos três primeiros meses de plena operação do sistema.

Segundo a Febraban, a adulteração do código de barras nos boletos de pagamento, fraude mais frequente aplicada nos pagamentos com boletos, foi inviabilizada com a Nova Plataforma, que facilita a conferência de dados de pagamento e alerta para inconsistências.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

BNDES anuncia linha de crédito mais simples e ágil para micro e pequenas empresas

As micro e pequenas empresas brasileiras terão acesso a uma nova linha de financiamento, mais simples e ágil, criada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Anunciada nesta sexta-feira, 22, a BNDES Crédito Pequenas Empresas atende às demandas do setor e tem como foco a geração de empregos e a ampliação da concessão de crédito para empresas de menor porte, responsáveis por mais de 50% dos postos de trabalho formais no País. 
O lançamento foi feito em evento que contou com a participação do presidente do BNDES, Joaquim Levy e de representantes da Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ) e de bancos parceiros.
Segundo Levy, as micro e pequenas empresas são a “saúde e a vitalidade da economia” e o crédito é extremamente importante para elas. “Estamos lançando essa linha mais ágil para atender quem tem mais dificuldades de obter crédito. Essa é uma contribuição do BNDES para dar mais competitividade ao segmento que mais gera emprego. E emprego é o que o Brasil mais precisa”, afirmou.
Ele também ressaltou que não há limite de valores destinados ao programa. A expectativa é que a demanda chegue a R$ 1 bilhão rapidamente e, se necessário, o BNDES disponibilizará mais recursos caso a demanda seja maior. “Estamos deixando de investir nas grandes para ter mais recursos para esse tipo de atividade e se chegar a R$ 3 bilhões ou R$ 4 bilhões, melhor ainda”, disse o presidente do Banco.
A BNDES Crédito Pequenas Empresas será oferecida por meio dos agentes financeiros credenciados que repassam recursos do BNDES e que começarão a disponibilizá-la nas próximas semanas. As empresas interessadas podem ir direto aos bancos ou acessar o Canal MPME (www.bndes.gov.br/canal-mpme]www.bndes.gov.br/canal-mpme), que permite encaminhar pedidos de financiamento a um ou mais bancos repassadores, selecionados conforme as necessidades de quem solicitar e de acordo com o perfil informado pelo tomador.
A nova linha terá limite de crédito máximo de R$ 500 mil por cliente a cada 12 meses, com prazo máximo de até 60 meses e até dois anos de carência. O cliente contará com três opções de juros de referência – Taxa de Longo Prazo (TLP), Taxa Selic (TS) ou Taxa Fixa do BNDES (TFB). A eles será acrescida a remuneração do BNDES, de 1,45% a.a., e a remuneração do agente financeiro, que é negociada diretamente com o cliente final. Com isso, na maior parte dos casos, os juros do financiamento devem ficar em torno de 1,3% a.m.
Pequenas empresas – Com a aprovação da linha BNDES Crédito Pequenas Empresas, o BNDES também aprovou a realização de um estudo de efetividade que vai avaliar a geração e a manutenção de empregos nas empresas.
Responsáveis por mais da metade dos postos de trabalho formais no país (18 milhões empregos, ou 55% do total), as empresas de menor porte são as que mais sofrem com restrição de crédito.
O BNDES segue apoiando fortemente o segmento. Em 2018, foram R$ 14,7 bilhões em desembolsos, num total de 242.400 operações (79% do total). O percentual de clientes com faturamento até R$ 4,8 milhões correspondeu a 90% dos clientes do Banco no período, alcançando 4.581 municípios (82% do Brasil).
Opções de custo financeiro – O BNDES oferece aos clientes três opções de custo financeiro. A Taxa de Longo Prazo (TLP) é inferior à taxa referencial de mercado (DI) para todos os prazos de financiamentos. Em uma comparação para financiamentos com prazos de 3, 5 ou 7 anos, a TLP equivale a 93,3%,  88,3% ou 83,5% do DI, respectivamente.
A Taxa Fixa do BNDES (TFB), na qual a variação do IPCA é pré-fixada, elimina qualquer variação da taxa de juros ao longo do seu financiamento, o que garante previsibilidade no custo do empréstimo. Com a TFB, é possível prever todo o fluxo de pagamento da empresa e, neste caso, é o BNDES que arca com os riscos decorrentes das variações da inflação.
O valor da TFB varia diariamente, mas a taxa é fixada para cada financiamento no momento da contratação da operação pelo Banco repassador ou no pedido de liberação do financiamento ao BNDES. Em operações que usam a Taxa Fixa do BNDES, o financiamento é desembolsado de uma só vez.
Como exemplos, os valores da TFB para contratos firmados em 18 de março de 2019, com prazo de pagamento de 3, 5 ou 7 anos, ficaram com custo de 7,74 % a.a. ou 101% do DI (3 anos); 7,84 % a.a. ou 93% do DI (5 anos) ; ou 7,99 % a.a. ou 91% do DI (7 anos).

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Além dos desligamentos naturais, pente fino retirou de circulação 381 mil do Bolsa Família

Muitos que estiveram pendurados no cabide mensal do programa Bolsa Família ficaram assustados com a eleição do presidente Jair Bolsonaro. E trataram logo de se desligar automaticamente do benefício.

Ontem, o ministro da Cidadania informou ao Uol que janeiro fecha com 381 mil pessoas que ficarão de fora do programa por inadequações ou desligamentos voluntários.

Aqui no Maranhão não existem os números dos que foram cortados, mas ainda permanecem centenas mamando no Bolsa Família. São políticos, comerciantes, taxistas e pequenos empresários.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Governador não quebrou Supermercados Maciel; os donos que não souberam administrar na crise

Pediram ao blog para ajudar na campanha e salvar o Grupo Maciel da falência, com o argumento de que o governador Flávio Dino ajudou o Grupo Mateus, o que não é verdade. Por isso, não topamos.

Desde 2014 que o Grupo Maciel vem dando os primeiros sinais de que não estava sabendo administrar seus negócios com o advento da crise financeira que começava a se instalar no Brasil e nos estados.

Enquanto o Grupo Mateus vinha se expandindo, apesar da crise, outros foram vendendo seus estabelecimentos até o fim dos estoques, a exemplo do Grupo Carone.

É mentira informar que pontos como o Supermercado Mateus do Renascença só abriu depois que o grupo teria sido beneficiado por uma lei de incentivo fiscal, que foi aprovada em 2017 pela Assembleia Legislativa e passou a vigorar a partir de 2018.

A lei, na verdade, contempla centros distribuidores e revendedores de produtos que tenham mais de 500 funcionários e capital de R$ 100 milhões. No Maranhão, salvo engano, poucas empresas estão enquadradas dentro da lei e não somente o Mateus.

Aqui em São Luís grandes empresas como Alumar e Vale já foram beneficiadas com isenções fiscais que duraram até 20 anos. Em contrapartida, empregaram milhares de pessoas, investiram financeiramente na construção do Italuis e geravam recursos em forma de impostos estadual e municipal.

O governador Flávio Dino, de quem o blog tem visão crítica, reagiu com firmeza ao que considera uma campanha para tumultuar sua gestão. E com razão: Confira abaixo:

Governador não quebrou Supermercados Maciel; os donos que não souberam administrar na crise

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Governo vai aplicar um pente-fino para derrubar fraudes nas aposentadorias e economizar R$ 9 bi

Novas regras serão apresentadas através de uma Medida Provisória que visa coibir as fraudes nas aposentadorias, pensões e auxílios para economizar R$ 9,3 bilhões neste ano.

Emissão de certidão por tempo de contribuição aos segurados estarão de fora das novas regras, assim como a pensão por morte só valera se comprovado o período em que o casal conviveu e se há de fato a necessidade do benefício.

As medidas atingem também a aposentadoria rural, que passa a não aceitar mais declarações sindicais, e ao auxílio-reclusão onde foram constatadas fraudes em quase R$ 1 bilhão.

O pente-fino vai passar pelas aposentadorias por idade, invalidez, tem de contribuição, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão, auxílio-alimentar, salário-maternidade e auxílio-suplementar.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.