Cliente do plano de Saúde Unimed Norte Nordeste, uma gestante residente em São Luís, vinha se preparando para ter a sua bebê na Clínica São Marcos, pelo plano, onde o obstetra que vem cuidando dela também faz o procedimento cirúrgico pelo convênio. Mais aí veio o desespero: a São Marcos suspendeu o atendimento por descumprimentos contratuais com o hospital. O mais grave é que a gestante só soube da suspensão apenas quando precisou de atendimento emergencial durante uma madrugada.

Em contato com o plano no dia 09 deste mês, às 10h30, sob o protocolo 3242132018000283, a cliente foi informada que nada estava regularizado nos Hospitais UDI, São Domingos e São Marcos. Por esse motivo, nova reclamação foi feita para a ANS -Agência Nacional de Saúde.

Por se tratar de uma gravidez de risco, a paciente necessita de atendimento emergencial, podendo ter o bebê prematuramente. A cliente, se quiser ter a filha no mesmo local, terá que desembolsar por volta de R$ 12 mil, mesmo pagando em dias R$ 998,00 mensais. 

Esta não é a primeira vez que a Unimed Norte Nordeste aplica calotes em redes de saúde e nem a segunda vez que levará a gestante a ingressar na Justiça contra o plano. Praticamente todas as clínicas, laboratórios e hospitais de São Luís descredenciaram o atendimento aos clientes Unimed NNe, sem que estes fossem previamente comunicados.

Da primeira vez foi negado o atendimento emergencial ao filho dela de apenas 2 anos na UPC  na época, por parte da Operadora de saúde. Um crime cometido pela Unimed que acabou sendo levado à Justiça.

Na segunda vez, um ato de desrespeito, trocou o sexo da gestante por um masculino, o que a impedia de ser atendida como mulher. Uma loucura e irresponsabilidade, o que levou a cliente novamente a entrar com uma ação de danos, a qual já ganhou a ação.

Agora, quando precisou do atendimento por causa de sangramentos, a Clínica São Marcos informou o descredenciamento da Unimed, assim como para o procedimento do parto que estava marcado para o dia 24 do mês de junho próximo. No dia em que a gestante estava com suspeita de descolamento de placenta, não encontrou nenhum hospital credenciado ao plano que pudesse realizar uma ultrassom obstétrica de emergência, tendo atendimento apenas particular na manhã seguinte.

A Unimed Norte Nordeste, ao invés de reparar o erro, ainda teve a coragem de enviar para a cliente informação de que a mensalidade terá acréscimo de 25% por causa da data de aniversário  de adesão ao plano agora em maio, mesmo tendo a ciência de que só possui um hospital para atendimento emergencial em São Luís, pois o descredenciamento com a operadora ocorreu em massa. Só muito óleo de Peroba!

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.