Ao contrário das mentiras ou tentativas de menosprezar pela mídia muito bem paga e ordenada pelos comunistas, o senador Roberto Rocha exerceu papel de fundamental importância na eleição de Flávio Dino para governador em 2014. Só para citar um pequeno exemplo, Dino foi candidato a deputado federal em 2006 com o apoio total e irrestrito dos cofres do Palácio dos Leões, além de ser do peito e coração do então governador José Reinaldo Tavares, obteve 123.597 votos. Roberto Rocha também foi candidato e ficou em primeiro lugar com 139.294, tornando-se o federal mais votado da história do Maranhão.

Ambos são descendentes do Sarneismo. Roberto pelo pai, Luiz Rocha, que chegou a governador do Maranhão. Dino através do pai, Sálvio Dino, que foi deputado estadual e até interventor em municípios pelas mãos de Sarney. Dino se desgarrou mais cedo pelas lutas estudantis, Rocha um pouco mais tarde para buscar independência política.

Roberto Rocha  é formado em Administração de Empresas pela UEMA  e aos 26 anos foi eleito Deputado Estadual, e aos 30 anos, em 1994, eleito deputado federal, renovando o mandato aos 34 anos, em 1998,  com 80 mil votos. Em 2002 foi candidato a governador e, em gesto de grandeza, saiu da disputa no meio dela para apoiar Jackson Lago. Zé Reinaldo venceu.

Em 2010 foi candidato a Senador pelo PSDB,  obtendo quase 700 mil votos. Atualmente, Roberto Rocha é senador eleito pelo estado do Maranhão (PSB/MA), com aproximadamente 1,5 milhões de votos, e integra diversas comissões no Senado Federal, como a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e eleito ao cargo de Corregedor Geral do Senado Federal.

Flávio Dino, formado em Direito pela Ufma,  foi eleito deputado federal pelas mãos de José Reinaldo Tavares, sendo votado nos currais eleitorais, mas não se pode negar o excelente papel que exerceu na Câmara Federal. Depois foi candidato a prefeito de São Luís e perdeu para João Castelo.

Em 2010 disputou o cargo de governador rompendo o acordo de que apoiaria Jackson Lago. Roseana Sarney ganhou dos dois no primeiro turno. Depois foi ungido presidente da Embratur com o aval de Sarney. Na eleição de 2012, criou-se um grupo político para derrotar o prefeito João Castelo, que estava em pleno processo de desgaste. Edivaldo Holanda venceu e Flávio Dino saiu atribuindo a ele a vitória.

Em 2014, Roseana Sarney abandonou seu candidato a governador, Luis Fernando, que renunciou, e deixou sozinho na estrada o substituto Edinho Lobão. Aproveitando-se do desgaste do grupo Sarney e com um discurso de mudança, Flávio Dino se elegeu governador do Maranhão e seu companheiro Roberto Rocha para o Senado da República.

Portanto, Rocha tem história e nome na política do Maranhão, ao passo que Dino se aproveitou do momento certo para chegar onde foi colocado. Não fosse Roberto Rocha, era provável que a eleição se encaminhasse para o segundo turno.

Ou seja: o que diferencia um do outro é a trajetória da atividade política, embora ambos tenham a mesma origem. Um deles foi uma criação familiar da política , que geralmente dura mais, e outro uma invenção de um grupo que anda decepcionado, geralmente tem pouco tempo de sobrevivência.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.