Décio Sá foi executado com cinco tiros. Foto: Blog do DécioDécio Sá foi executado com cinco tiros. Foto: Blog do Décio

O andamento das investigações que apuram o assassinato do jornalista Décio Sá está sendo prejudicado pela série de informações desencontradas, que tem sido apresentadas à polícia.

O valor da recompensa de R$ 100 mil oferecido pelo disque-denúncia a quem der informações que levem aos envolvidos no crime, tem atraído inúmeras ligações com denúncias infundadas, que só atrapalham as autoridades policiais.

Além disso, as versões diferenciadas de cada testemunha sobre as características do assassino tem contribuído para a demora na elaboração do retrato falado do autor dos disparos.

Tudo isto sem falar na baixa qualidade das imagens coletadas pelas câmeras de prédios e casas que ficam no entorno da orla. Elas contêm registros do local onde o bandido fugiu em um automóvel ainda não foi identificado. Estas imagens precisam ser trabalhadas e melhoradas para que possam fornecer elementos importantes de indentificação do veículo usado e das pessoas envolvidas. Situação que demanda tempo.

Hoje pela manhã, em entrevista coletiva, o secretário de segurança do estado, Aluísio Mendes, foi taxativo, determinando que a partir de agora toda a dinâmica de trabalho adotado pela polícia na elucidação deste crime, será conduzida de forma sigilosa. E que a polícia só vai se manifestar quando tiver fatos concretos para apresentar à sociedade.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.