Se você está procurando traduzir seu livro para atingir um novo público ou deseja publicar seu artigo em uma revista que não está em seu idioma nativo, é fundamental escolher o tradutor certo para o seu documento. Procurar um tradutor acadêmico para sua pesquisa acadêmica pode ser uma tarefa difícil. Mas aqui vão algumas dicas para você entender melhor como fechar o melhor negócio.

O primeiro passo para escolher um bom tradutor é encontrar alguém que seja altamente proficiente nos idiomas de origem e de destino do seu documento/livro. Os tradutores se descrevem de várias maneiras diferentes, o que pode ser confuso, portanto, começaremos definindo os termos mais comumente usados. 

Idioma nativo: seu idioma nativo é o idioma da cultura em que você cresceu, que geralmente é o idioma em que você mais usa.

Língua materna: sua língua materna é a língua que você fala em casa quando cresce. Para muitas pessoas, é o mesmo que sua língua nativa, mas nem sempre é o caso, especialmente entre os filhos de imigrantes.

Falante fluente e proficiente: Este nível pode ser adquirido em um segundo idioma por meio de estudo intensivo. Normalmente, esse nível é insuficiente em traduções acadêmicas.

Se você deseja que o texto traduzido pareça natural, você precisa de um tradutor que seja um falante nativo, não apenas um “fluente” ou “proficiente”. Ao procurar um tradutor, muitas pessoas acreditam erroneamente que o que procuram é um falante nativo do idioma de origem, e sim, é verdade que os tradutores devem ser proficientes em ler e compreender as nuances dos idiomas dos quais estão traduzindo. Porém, além disso, a tradução acadêmica usa terminologias muito específicas e linguajares que muitas vezes não se consegue nem com um nativo, e sim com um especialista na mesma área que você. Com livros, isso pode até ser resolvido com uma conversa com você, mas é melhor evitar essas situações.

Uma dica para quem não tem muito conhecimento e também não quer muitos problemas e burocracias é contratar empresas de serviços de traduções. Geralmente, essas empresas possuem bastante experiência e clientes dos mais diferentes tipos, bem como tradutores especialistas dos mais diversos locais do mundo. Um exemplo de  uma empresa que tem muita solidez e qualidade nesse ramo é a Protranslate.

Acima de tudo, se você deseja evitar ter que submeter seu artigo traduzido a novas edições e correções que, quase certamente serão exigidas se o tradutor não for um falante nativo. Além do que isso provavelmente irá acarretar em atrasos para você conseguir publicar o livro, ou muitas vezes perder a data limite para envio das publicações em uma revista. Um artigo bem escrito deve retornar da revisão sem comentários e críticas importantes na linguagem. Em vez de confiar em edições posteriores, certifique-se desde o início de que seu tradutor é um falante nativo e um escritor experiente, familiarizado com sua área de pesquisa. 

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.