Desemprego, recessão, fome, tristeza, depressão. Estes são apenas alguns dos grandes problemas enfrentados pela humanidade em tempos de Pandemia. E muitos em detrimento e no ápice do desespero, não vêem outra saída e acabam tirando a própria vida.

IML no local para remoção do corpo de Vinícius Rodrigues na Jordoa

Na noite do dia 20, o jovem de apenas 23 anos, Vinícius Rodrigues da Silva, se enforcou na casa onde morava no bairro Jordoa, em São Luís. O que o levou a cometer o suicídio ainda não se sabe de fato, mas o que pode-se afirmar é que ele foi mais uma vítima de si próprio e de circunstâncias que o tiraram a vontade de viver.

A quantidade de pessoas que têm tomado essa decisão é assustadora. Só na Região Metropolitana de São Luís, nas últimas semanas, o número vem disparando, assim como em todo o Estado e, na grande maioria das vezes, os suicidas recorrem ao enforcamento ou utilizam uma arma de fogo.

Neste mês de julho, a Secretaria de Segurança Pública do Estado incluiu, até a data de hoje, apenas um registro de morte por esta causa em seu relatório nominal. Mas sabe-se que a realidade não é essa, os números são outros.

No último sábado (17), na cidade de Formosa da Serra Negra, um homem identificado como Diogo, matou a esposa Juraci dos Santos Cirqueira a tiros e em seguida usou a mesma arma e se suicidou.

Diogo e Juraci

No mês passado, de acordo com dados oficiais da SSP, cinco pessoas recorreram ao suicídio na Região Metropolitana de São Luís. Um deles foi Luís Roberto Vasconcelos da Silva, de 47 anos de idade. Ele se jogou pela janela do sétimo andar da Torre Ipê, do condomínio Grand Park – Parque das Árvores no Calhau. As outras quatro vítimas morreram por enforcamento.

Corpo de Luís Roberto que se jogou pela janela do 7º andar

Também em junho, Cleidenir Carneiro Mendes, de 32 anos, moradora da cidade de Nina Rodrigues, recorreu ao suicídio na presença de dois filhos menores. Ela desferiu um tiro de espingarda e atirou contra o queixo.

Cleidenir Carneiro se matou com um tiro de espingarda no queixo

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.