Na manhã desta quarta-feira (23), o deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) utilizou a tribuna para solicitar que o governador Flávio Dino reduza o imposto sobre circulação de mercadorias e serviços – ICMS, como forma de diminuir o alto valor da gasolina no estado, assim como já o fez em outras oportunidades. Somente nos últimos dez dias, já foram 4 aumentos no preço da gasolina no país, sendo que 45% do valor do combustível correspondem a impostos.

No final de 2016, o Governo do Estado sancionou a Lei nº 10.542/2016 que aumentou as preços da gasolina, do etanol, tarifas de energia elétrica, internet, telefonia e TV por assinatura, a partir do reajuste de ICMS, tornando o combustível mais caro em todo Maranhão. Wellington votou contra esse aumento por entender que a medida prejudica consideravelmente o povo maranhense.

Atualmente, 26% do valor da gasolina são destinados ao imposto estadual, o que tem atingindo diretamente o bolso do trabalhador maranhense.

“Diante do grande do número de desempregados no Maranhão, não podemos permitir que a população pague a conta da ineficácia da administração pública por meio de altas cargas tributárias. Precisamos encontrar maneiras para que não joguemos o prejuízo no bolso do cidadão maranhense onde principalmente os mais pobres, moto-taxistas, taxistas padecem. Se na capital o preço já está alto, imagine no interior! Por isso, solicito ao governador Flávio Dino que, assim como houve redução do ICMS de 17% para 2% no fornecimento do óleo diesel para as empresas do sistema de transporte urbano da região metropolitana de São Luís e Imperatriz, haja redução da alíquota do ICMS que incide sobre o valor do combustível. Votei contra o aumento de impostos dos combustíveis. Flávio Dino, dê exemplo e reduza o ICMS, reduza o imposto que incide sobre os combustíveis no Maranhão. O povo maranhense não merece pagar por mais essa conta!”, destacou o deputado Wellington ao reafirmar seu compromisso com a população e a luta para reduzir o preço do combustível.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.