A Seinc, Secretaria de Industria, Comercio e Energia zela por um patrimônio do povo do Maranhão que está avaliado em mais de R$ 150.000.000,00 ( cento e cinquenta milhões de reais ). São distritos industriais construídos com recursos do BNDES pelo governo anterior, sem nenhum estudo de viabilidade, localizados nas cidades de Timon, Caxias, Imperatriz, Grajaú, São Luis, Balsas e mais recentemente, entregue na atual gestão, na cidade Pinheiro.

Também está sob nossa responsabilidade os aeroportos e aeródromos de Bacabal, Balsas, Barreirinhas, Barra do Corda, Colinas, Pinheiro, Santa Inês e Carolina.

Esse patrimônio custa mensalmente a manutenção de ruas, avenidas, prédios, estações elétricas, rede de esgoto, vigilância armada, pavimentação e recuperação asfáltica, e inúmeros outros serviços.

A SEINC faz gastos de manutenção e investimentos em reformas que totalizam gastos em torno de R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais) por ano, gastamos cerca de 400 mil reais em média para dar manutenção em todo esse patrimônio, gastos que eram muito maiores na Gestão anterior na Seinc.

Em 2014, por exemplo, a Seinc gastou mais de 62 milhões de reais ao ano, gasto que fora reduzido para 6 milhões de reais em 2015. Atualmente a Seinc tem um dos menores orçamentos do Governo do Estado e zelamos pela correta aplicação dos recursos públicos.

A Secretaria de Industria, Comercio e Energia está a disposição dos órgãos de fiscalização para a devida comprovação e repudiamos informações inverídicas, infundadas e totalmente fora do contexto.

A licitação cujo objeto é manutenção deste patrimônio é realizada dentro da lei, com total isonomia, publicidade, transparência, e este pregão em específico ocorreu como de praxe com a participação de várias empresas, com alto grau de competitividade , gerando economicidade ao Governo, com planilha final de obra por demanda, com 35% de desconto abaixo da tabela SINAPI referência do Governo Federal.

Por fim, está clara a intenção da matéria e também a digital de quem a encomendou, continuaremos a trabalhar certos de que temos incomodado pela forma e principalmente pelos resultados de nossas ações, que tem levado muitos benefícios ao povo do Maranhão como é o caso dos respiradores que custaram para o erário publico em torno de 2 mil reais por equipamento, que foi o equivalente a parte do frete, pois os recursos para aquisição foram doados à Seinc pela Classe Empresarial.

Simplicio Araújo
Secretário de Industria, Comércio e Energia

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.