A Prefeitura de Timon, administrada por Dinair Veloso, está proibida de contratar novos servidores comissionados e efetuar pagamento de hora extra.

A decisão é da conselheira do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Flávia Gonzalez, que acolheu ao pedido do Ministério Público de Contas que constatou o descumprimento do limite de despesa total com pessoal (54% da Receita Corrente Líquida).

O MPC relatou ainda que verificando a documentação encaminhada pelo Município ao Tribunal através do Sistema de Informações para Controle (SINC), constatou que no ano de 2023 a Prefeitura informou a admissão de 2.035 servidores e o pagamento de horas extras no valor total de R$ 2.339.229,99 milhões. “Parte destas admissões e pagamentos de horas extras constituem violação à Lei de Responsabilidade Fiscal e que o gestor tem o dever de comprovar que tais atos se enquadram nas exceções estipuladas pela LRF”, garantiu.

E ao entrar com a Representação, o Parquet de Contas citou também a ação civil pública por ato de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público do Maranhão contra a prefeita, secretário Municipal de Governo, o secretário Municipal de Segurança Pública, o ex-secretário Municipal de Esporte, Juventude e Lazer do Município de Timon e o ex-presidente da Fundação Municipal João Emílio Falcão, em razão de ilegalidades na nomeação de servidores comissionados. Foi identificada a existência de nomeações de parentes de vereadores, que receberam proventos sem a devida contraprestação dos serviços.

Diante dos fatos, a conselheira de Contas afirmou que é imprescindível que o TCE impeça novas admissões e pagamento de horas extras que não se enquadrem nas exceções previstas no art. 22, parágrafo único, IV e V da LRF, bem como fiscalize se os atos já praticados observaram o referido dispositivo legal.

“Desse modo, deve ser concedida medida cautelar determinando que o Município de Timon se abstenha de admitir servidores, salvo os casos comprovadamente destinados à reposição decorrente de aposentadoria ou falecimento de servidores das áreas de educação, saúde e segurança, bem como se abstenha de efetuar o pagamento de hora extra, ressalvadas as hipóteses previstas na LDO, enquanto os gastos com pessoal do Poder Executivo estiverem acima do limite prudencial”, decidiu Gonzalez.

Neto Ferreira 


ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Alexandre de Moraes será relator de ação que aponta nepotismo em 14 nomeações para secretarias, Assembleia ...
Por Alex Ferreira Borralho “São João da Thay”. O que é isso? Seria uma tentativa de ...
Foi assassinato na tarde desta sexta-feira (14) o empresário Josival Cavalcanti da Silva, conhecido como “Pacovan” ...
A Assembleia Legislativa do Maranhão realizou, nesta quinta-feira (13), uma sessão solene para conceder a Medalha ...
Na manhã desta quinta-feira(13), a desembargadora do Tribunal de Justiça - Marcia Cristina Chaves deferiu, liminarmente, ...
O Centro Histórico de São Luís sempre abrigou pontos de festejos juninos e se destacava pelas ...

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.