Os 17 membros dos 16 Jet Ski que foram dados como desaparecidos durante o dia de ontem no mar, quando foram atingidos por fortes correntezas, temporais, ondas perigosas, chegaram a ser arrastados muito próximo de uma área sem retorno: a conhecida Baia do Tubarão, local onde se concentra um grande número dos predadores. Eles saíram de São Luís (veja foto abaixo) com destino a Barreirinhas. A Marinha vai abrir investigações para apurar responsabilidades e punir os donos e pilotos das pequenas embarcações náuticas.

Conforme informou um especialista em navegação ao Blog do Luis Cardoso, eles saíram por volta das 5h da madrugada de São Luís, o que ilegal por ser proibido Jet Ski navegar à noite que possui apenas sinalizador e não iluminação. Além disso, o grupo que caiu ao mar é considerado como radical sem levar em consideração uma série de medidas de segurança, como navegar apenas em águas interiores “tais como hidrovias interiores, lagos, lagoas, baías, angras, rios e áreas marítimas onde normalmente não seja verificada onda com altura significativa”, como disse hoje a Marinha em nota oficial. 

Entre o povoado de Travosa (Humberto de Campos) e Primeira Cruz, por onde ficou a maioria aguardando socorro por um grupo de seis motos aquáticas que estava no mesmo comboio e chegou até Atins (Barreirinhas), fica bem próximo a Baia do Tubarão, exatamente no local onde existem as piores e maiores ondas e na hora a chuva chegou a índices de 28 mm. Na hora do resgate, várias motos aquáticas ficaram para trás danificadas.

Confira abaixo a nota da Marinha em que avisa da abertura de inquérito contra os integrantes dos Jet Ski que infringiram as normas e colocaram suas vidas em risco:

MARINHA DO BRASIL
CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO

NOTA À IMPRENSA

Por volta das 21h30 do dia 29 de março de 2018, integrantes da equipe de Inspeção Naval da Capitania dos Portos do Maranhão que estão a serviço na cidade de Barreirinhas – MA, foram contatados e informados do desaparecimento de dezesseis motos aquáticas que teriam saído de São Luís às cinco horas da manhã, com destino a Barreirinhas. Das dezesseis embarcações que se fizeram ao mar, apenas cinco chegaram ao destino, às 17h. As demais tiveram problemas devido ao estado do mar e em decorrência de pane seca.
Inicialmente, a Marinha contatou o Comando Tático Aéreo, da Polícia Militar do Maranhão, com o propósito de iniciar as buscas pelos desaparecidos com apoio de aeronave, logo ao amanhecer do dia 30 de março, sexta-feira da Paixão, desencadeando o planejamento da operação de busca e salvamento, com mobilização da Comunidade Marítima .
Em paralelo, a equipe da Marinha em Barreirinhas buscou ampliar as informações disponíveis junto aos familiares dos desaparecidos e junto aos tripulantes que conseguiram chegar ao destino, com o intuito de atualizar os dados disponíveis e concentrar esforços para facilitar e acelerar o resgate. Destas diligências verificou-se que o grupo original era de 17 pessoas, em 16 motos aquáticas, sendo que 5 chegaram ao destino planejado, 6 dispersaram a uma distância aproximada de 50 Km de Atins e 5 dispersaram a 30 Km deste município, provavelmente em resgate dos primeiros 6 que ficaram para trás.
Às 23h50 foi confirmado por familiares que as doze pessoas perdidas (onze tripulantes e um passageiro) haviam chegado em terra firme, na localidade de Atins, deixando algumas moto aquáticas para trás.
Visando a segurança da navegação e a salvaguarda da vida humana no mar, que são tarefas precípuas da Autoridade Marítima, a Capitania dos Portos do Maranhão ressalta que a navegação com moto aquática só pode ser feita com a luz do dia e em áreas abrigadas, tais como hidrovias interiores, lagos, lagoas, baías, angras, rios e áreas marítimas onde normalmente não seja verificada onda com altura significativa e que não apresente dificuldade ao tráfego de embarcações. Neste caso específico, orienta-se a não fazer este tipo de aventura, mesmo que em grupo, devido ao alto risco de acidente. Acrescenta-se à necessidade e responsabilidade de todo e qualquer condutor, em verificar as condições meteorológicas sempre que for para o mar.
De maneira a mitigar os riscos de acidentes e evitar que novos incidentes deste tipo aconteçam, será conduzido um Inquérito de Acidentes e Fatos à Navegação, no qual os condutores das moto aquáticas serão notificados a comparecer à Capitania dos Portos do Maranhão para prestarem os devidos esclarecimentos relativos ao fato.
SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO: QUEM VALORIZA A VIDA, RESPEITA.

São Luís, MA, 30 de março de 2018.

MARCIO RAMALHO DUTRA E MELLO
Capitão de Mar e Guerra

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.