MPMA registrou 54 denúncias sobre irregularidades na vacinação contra Covid-19 no estado

    Até esta quinta-feira, 18, a Ouvidoria do Ministério Público do Maranhão já registrou 54 denúncias de irregularidades na campanha de vacinação contra a Covid-19.

    O levantamento foi iniciado no dia 22 de janeiro e inclui outros registros, como consultas jurídicas (19), demandas improcedentes (4) e procedimentos que aguardam mais informações para serem consolidados (24), num total de 101 acessos referentes à vacinação.

    Segundo a Ouvidoria do MPMA, após o recebimento das demandas, a Assessoria Jurídica do órgão realiza uma primeira triagem, encaminhando as denúncias às Promotorias de Justiça responsáveis. Caso seja comprovada alguma irregularidade, tanto no que se refere ao desrespeito à ordem de prioridade para a imunização, quanto a outros procedimentos, os envolvidos podem ser punidos.

    De acordo com o promotor de justiça José Márcio Maia Alves, diretor da Secretaria para Assuntos Institucionais da Procuradoria Geral de Justiça, além das denúncias enviadas à Ouvidoria, as Promotorias de Justiça em todo o estado também estão recebendo diretamente denúncias sobre condutas irregulares relativas à imunização. “Há uma série de repercussões cíveis, criminais e administrativas que podem ser deflagradas pelo Ministério Público para coibir essa prática de irregularidades”, apontou o promotor de justiça.

    “Podem trazer consequências em várias searas, como no campo da improbidade administrativa; dependendo do caso, algum agente público pode ser enquadrado por enriquecimento ilícito; na área criminal, pode haver, dentre outros, os crimes de concussão e abuso de autoridade. Até crime de responsabilidade contra prefeito pode ser caracterizado”, acrescentou.

    SUPORTE

    Para dar suporte à atuação dos promotores de justiça nas comarcas, o Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (Caop-Saúde) emitiu ofício, no dia 20 de janeiro, orientando que sejam notificados os secretários municipais de Saúde para garantir a obediência à fila de prioridade na vacinação contra a Covid-19.

    Além disso, os promotores de justiça devem requisitar informações sobre o cumprimento dos critérios de prioridade, a atualização diária do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização e a lista das pessoas vacinadas.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    MPMA recebeu 38 denúncias sobre “fura fila” da vacina contra covid-19

    Um relatório da Ouvidoria do Ministério Público do Maranhão, divulgado nesta terça-feira, 9, informa que já foram registradas, até a data de ontem (08/02), 38 denúncias relativas à campanha de vacinação contra a Covid-19.

    No levantamento, que foi iniciado em 22 de janeiro, também foram efetuados outros registros, como consultas jurídicas (11), demandas improcedentes (04) e procedimentos que aguardam mais informações para serem consolidados (19). Do total de 72 demandas relacionadas à vacinação, 26 tiveram origem em são Luís.

    Segundo a Ouvidoria do MPMA, após o recebimento das demandas, a Assessoria Jurídica do órgão realiza uma primeira triagem, encaminhando as denúncias às promotorias responsáveis. Caso seja comprovada alguma irregularidade, tanto no que se refere ao desrespeito à ordem de prioridade para a imunização, quanto a outros procedimentos, os envolvidos podem ser punidos, inclusive criminalmente, após a instauração regular de processo judicial.

    Para dar suporte à atuação dos promotores de justiça nas comarcas, o Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (Caop-Saúde) emitiu ofício, no dia 20 de janeiro, orientando que sejam notificados os secretários municipais de Saúde para garantir a obediência à fila de prioridade na vacinação contra a Covid-19.

    Além disso, os promotores de justiça devem requisitar informações sobre o cumprimento dos critérios de prioridade, a atualização diária do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização e a lista das pessoas vacinadas.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Município de Godofredo Viana recebe segundo lote de vacinas contra Covid-19

    Na tarde desta última terça-feira, 2, o município de Godofredo Viana recebeu o segundo lote de vacinas contra a Covid-19, com um total de 49 doses, sendo 20 doses de AstraZeneca e 29 doses de CoronaVac.

    As vacinas foram recebidas pelo chefe de gabinete, Thiago Mota, pela diretora do Centro de Saúde Aprígio Normélia Miranda e Silvana, Coordenadora do Programa de Imunização.

    Segundo o secretário de saúde, Emanoel Coimbra, ainda não foram vacinados todos os profissionais da rede municipal que estão na linha de frente do combate à doença.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Covid-19: CNM disponibiliza Plano de Comunicação para auxiliar Municípios na vacinação

    A Confederação Nacional de Municípios (CNM) disponibiliza um Plano de Comunicação que traz estratégias que podem ser adotadas pelos gestores municipais de todo o país para a vacinação contra a Covid-19. Isso porque, mesmo com as diretrizes do plano de vacinação apresentadas pelo Ministério da Saúde, o gestor deve elaborar um Plano de Vacinação com o planejamento do Município e as ações para a campanha de vacinação.

    Durante os Seminários Novos Gestores, o presidente da CNM, Glademir Aroldi, reforçou a importância de os Municípios implementarem o plano. “É o único caminho para salvar vidas, para amenizar a situação sanitária, para a retomada da economia. Por isso, precisa chegar rapidamente a cada Município e a população precisa entender que não tem outro caminho. Cada cidadão vai receber a vacina, receber a ferramenta para fazer o enfrentamento a esta verdadeira guerra que estamos vivendo. Além de estar protegida, estará protegendo os seus. E isso só pode acontecer se criarmos uma campanha de divulgação de comunicação com a sociedade”.

    De acordo com o plano, os Municípios devem manter um diálogo claro e padronizado com a população, de forma a transmitir as fases operacionais da campanha de vacinação de acordo com as diretrizes nacionais de vacinação e as informações disponibilizadas pelas autoridades de saúde e instituições de ciência e pesquisa. Entre as ações, a gestão municipal deve manter a população informada sobre os seguintes pontos:

    I. segurança e eficácia da vacina;
    II. grupos prioritários para vacinação e quantitativo;
    III. quantitativo de doses e insumos recebidos;
    IV. placar/ vacinômetro: população a ser vacinada x número de doses aplicadas;
    V. farmacovigilância;
    VI. quantitativo de salas de vacinação e profissionais de saúde para a aplicação;
    VII. distribuição das salas de vacinação;
    VIII. quantitativo de pessoas aptas a receber a vacina na primeira fase (conforme o grupo prioritário);
    IX. cronograma de vacinação ou previsão (quando possível); e
    X. projeção dos locais de vacinação (se já possui previsão).

    Como primeiro passo, a entidade orienta os gestores municipais a construir ações comunicativas, iniciando com mensagens de antecipação e preparação, passando para a fase de informação à população com clareza: como, quando, onde e para quem será a primeira etapa e demais etapas, bem como a quantidade de doses recebidas no Município.

    Peças de publicidade
    Para ajudar na disseminação de notícias, a CNM disponibiliza peças gráficas para as redes sociais e impressões que as prefeituras possam atuar levando informação à população. Pode e deve ser usado como meio de comunicação oficial, o site da prefeitura, quando deve ser destinado um espaço exclusivo sobre a campanha de vacinação.

    Além disso, a prefeitura deve buscar a divulgação da campanha junto à imprensa local, por meio do envio de release com as informações mais importantes que a população precisa saber para garantir ampla participação na campanha de vacinação, destacando um porta-voz, com amplo conhecimento no assunto e ações, para responder qualquer questionamento durante o processo.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Proposto no Senado prisão e multa para quem furar fila da vacina

    O senador Plínio Valério (PSDB-AM) apresentou nesta segunda-feira (25) um projeto de lei (ainda não numerado) para estabelecer punição a quem furar a fila de vacinação contra a covid-19. A proposta, explicou o senador, foi motivada por denúncias de irregularidades em diversos estados brasileiros.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Acompanhe aqui quantas doses da vacina de Oxford cada cidade do Maranhão vai receber

    No início da tarde de ontem (24) o Maranhão recebeu 48.500 doses da vacina de Oxford-AstraZenac. As vacinas serão enviadas aos municípios maranhenses a partir do momento em que as cidades alcançarem a meta de 70% do seu público alvo vacina chinesa. Neste primeiro, serão incluídos como prioridade para tomar a vacina de Oxford, pessoas que enfrentam a rotina hospitalar, como pacientes de quimioterapia, radioterapia e hemodiálise.

    A capital, São Luís, receberá mais de 14 mil doses da vacina de Oxford. Acompanhe a lista e veja quanto sua cidade irá receber:

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Secretários serão notificados para evitar descumprimento da fila de prioridade na vacinação contra o coronavírus

    O Ministério Público do Maranhão (MPMA), por meio do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (Caop Saúde), emitiu, nesta quarta-feira, 20, ofício aos promotores de justiça de todos dos municípios maranhenses para que estes notifiquem os secretários municipais de saúde a fim de obedecerem a fila de prioridade na vacinação contra o coronavírus.

    O objetivo é assegurar o cumprimento da fila de prioridade definida pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). A desobediência à determinação deve ocasionar a responsabilização do gestor, inclusive por improbidade administrativa.

    Na primeira fase, devem ser vacinados os profissionais de saúde, população indígena, pessoas de 60 anos ou mais que estejam em instituições de abrigamento e pessoas com deficiência na mesma situação.descum

    “Para que haja o controle do estoque de vacinas e da correta aplicação das doses, é imprescindível que seja garantida ampla e irrestrita transparência dos gestores da saúde na vacinação da Covid-19. Assim, os órgãos de controle poderão avaliar não apenas a probidade dos seus atos, mas também a efetividade das ações adotadas”, alertou a promotora de justiça e coordenadora do Caop Saúde, Ilma de Paiva.

    FISCALIZAÇÃO

    O Ministério Público destaca que os dados epidemiológicos indicam que o Brasil passa por uma fase de aumento de casos da pandemia. No Maranhão, houve aumento da taxa de ocupação de leitos de UTI e leitos clínicos exclusivos para Covid-19. A informação é confirmada ao se comparar o boletim epidemiológico do dia 1º com o dia 17 de janeiro.

    O MPMA destaca, ainda, a obrigatoriedade de registro das informações das pessoas imunizadas nos sistemas do Ministério da Saúde. O registro da aplicação de vacinas deve ser feito no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SIPNI). O objetivo é possibilitar aos gestores envolvidos no programa uma avaliação dinâmica do quadro de imunização, a quantidade de pessoas vacinadas, a faixa etária, permitindo o controle do estoque de imunizantes.

    REQUISIÇÕES

    O Caop Saúde, ao considerar a necessidade de atuação institucional conjunta, sugeriu aos promotores de justiça que requisitem aos secretários municipais de Saúde quais as Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIS), residências terapêuticas e residências inclusivas que receberão vacinas.

    Também foi solicitado aos promotores de justiça que requisitem informações sobre o cumprimento dos critérios de prioridade, atualização diária do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização e a lista das pessoas vacinadas. Além disso, os secretários municipais de Saúde devem divulgar diariamente, no Portal da Transparência, a quantidade de doses aplicadas e a quantidade em estoque.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Fiocruz adia para março entrega de vacinas de Oxford produzidas no Brasil

    Em ofício ao MPF, fundação diz que, mesmo com recebimento de matéria-prima em janeiro, produção e testes irão durar mais de um mês

    Com o atraso na chegada de insumos vindos da China, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) adiou de fevereiro para março a previsão de entrega das primeiras doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 que serão produzidas no Brasil.A informação sobre a nova data está em ofício da Fiocruz encaminhado nesta terça-feira (19/1) ao Ministério Público Federal (MPF). A mudança deve dificultar ainda mais a execução do plano nacional de imunização contra a Covid-19, que já sofre com incertezas quanto à importação dos insumos para a produção da Coronavac.O MPF tem apurações abertas desde dezembro para o acompanhamento das estratégias de vacinação contra a doença. Na semana passada, o órgão enviou ofício à presidência da Fiocruz com questionamentos sobre o cronograma de entrega tanto dos 2 milhões de doses prontas que serão importadas da Índia quanto do quantitativo que terá sua fabricação finalizada no Brasil pela Fiocruz, a partir da importação do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) de uma parceira da AstraZeneca na China.No ofício de resposta, assinado pelo diretor do Instituto Biomanguinhos, Mauricio Zuma Medeiros, a Fiocruz informa que o primeiro lote do IFA tem chegada prevista para 23 de janeiro, “ainda aguardando confirmação”, e que as primeiras doses produzidas com essa matéria-prima deverão ser entregues ao Ministério da Saúde somente no início de março.A Fiocruz justifica ser necessário mais de um mês para o fornecimento das doses pois, além do tempo de produção do imunizante a partir do IFA, as doses fabricadas nacionalmente precisarão passar por testes de qualidade que demorarão quase 20 dias.

    “Estima-se que as primeiras doses da vacina sejam disponibilizadas ao Ministério da Saúde em início de março de 2021, partindo da premissa de que o produto final e o IFA apresentarão resultados de controle de qualidade satisfatórios, inclusive pelo INCQS (Instituto Nacional de Controle da Qualidade em Saúde).

    Importa mencionar que o período de testes, relativos ao controle de qualidade, está estimado em 17 dias, contados da finalização da respectiva etapa produtiva, acrescidos de mais 2 dias de análise pelo INCQS”, disse a Fiocruz no ofício.

    O documento deixa claro, portanto, que, se o IFA não chegar em janeiro ou se os insumos ou produtos finais não passarem nos testes de qualidade, esse prazo de entrega pode ser esticado ainda mais.

    A promessa anterior, feita pela fundação no fim de dezembro, era entregar o primeiro lote de vacinas produzidas no Brasil na semana do dia 8 de fevereiro. Seriam 1 milhão de doses distribuídas entre os dias 8 e 12 de fevereiro. A partir de 22 de fevereiro, a fundação entregaria 700 mil doses diariamente. Pela estimativa anterior, portanto, o Brasil teria ao menos 5,9 milhões de doses garantidas para o mês que vem. A fundação prometia ainda entregar 100,4 milhões de doses até o fim do primeiro semestre.

    O ofício também traz a informação de que os lotes de insumos serão entregues de forma escalonada, a cada duas semanas, num total de 30 remessas com insumos suficientes para a produção dos 100,4 milhões de doses. “A chegada do primeiro lote do IFA está prevista para o dia 23/01/2021, mas ainda aguardando confirmação, e, a partir desta data, serão entregues mais 30 (trinta) lotes, em intervalos de 2 semanas, resultando na quantidade suficiente para a produção de 100,4 milhões de doses da vacina acabada”, diz.

    A Fiocruz também afirma já estar com uma linha de envase pronta para entrar em funcionamento a partir da chegada do IFA e que uma segunda linha entrará em operação em março. O atraso no envio dos IFAs deve-se a um bloqueio do governo chinês na exportação de insumos para a produção de vacinas.

    Não é possível precisar data para a chegada das doses da Índia

    No ofício enviado ao MPF, a Fiocruz informa ainda não saber a data de envio dos dois milhões de doses prontas que serão importadas do Serum Institute da India. A importação de doses prontas foi uma estratégia adotada pelo Ministério da Saúde para tentar antecipar o início da vacinação com o imunizante de Oxford/AstraZeneca. A estimativa era trazer as doses ao Brasil na semana passada, mas a operação foi frustrada pelo governo indiano, que não autorizou o envio da remessa.

    “No presente momento, não é possível precisar a data de chegada das doses da vacina Covishield aqui no Brasil. Isto porque, embora a carga contendo essas doses já esteja disponível, negociações diplomáticas, entre os governos da Índia e do Brasil, ainda se encontram pendentes de ajuste final para autorização do processo de envio para o Brasil. Por fim, destacamos que o agente de cargas já foi contratado e aguarda apenas autorização para a operacionalização do transporte para o Brasil”, diz o ofício da Fiocruz.

    Questionada sobre a mudança no prazo de entrega das primeiras doses ao Ministério da Saúde, a Fiocruz afirmou que a carga de insumos está “pronta para embarque”, aguardando liberação de autorização governamental para exportação e que ainda não é possível confirmar a data de chegada do IFA. “As instalações da Fiocruz estão prontas para iniciar a produção, apenas aguardando a chegada desses insumos”, disse a fundação, em nota. A Fiocruz afirmou ainda que “um cronograma detalhado da produção será divulgado em breve”.

    Também procurada pela reportagem, a AstraZeneca afirmou que “está trabalhando atualmente para apoiar o desenvolvimento da produção no Brasil de 100,4 milhões de doses da vacina e liberar os lotes planejados de IFA para a vacina o mais rápido possível”.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Vacinas estão chegando aos municípios; veja quanto cada cidade receberá

    Desde cedo da manhã que as cidades maranhenses estão recebendo o primeiro lote de vacinas contra a covid-19, enviadas pelo Governo Federal para o Governo do Maranhão. Nesta primeira etapa, pouco mais de 78 mil imunizantes estão sendo distribuídos. Veja abaixo quantas vacinas estão sendo entregues em cada município:.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Na presença do prefeito Rigo Teles, três profissionais da saúde são vacinados contra o coronavírus em Barra do Corda

    Prefeito determinou que a vacinação comece de forma imediata em Barra do Corda.

    O prefeito Rigo Teles recebeu por volta das 10h da manhã desta terça-feira(19) os kits com a vacina Coronavac.

    O avião do governo do estado chegou no aeroporto local por volta das 8:30h da manhã.

    Ao lado da secretária Vanessa Ferry, do gestor regional de saúde Dilamar Filho e demais profissionais da saúde, Rigo Teles determinou que a vacinação comece de forma imediata em Barra do Corda.

    Vieram 3098 doses,sendo, 518 para os profissionais da saúde e o restante para população indígena e demais pessoas do grupo de risco.

    Três profissionais da saúde tomaram as primeiras doses em Barra do Corda, sendo eles;

    Fabrícia Marques de Macedo, Técnica de enfermagem do Materno Infantil foi a primeira pessoa a ser vacinada.

    Aline Sobrinho, efermeira do Materno infantil, a segunda.

    Lucimar Alves Silva de Souza, técnica de enfermagem e tem 27 anos de vacinação.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Prefeitura de São Luís disponibiliza vacina contra meningite nos postos de saúde da rede municipal

    A ACWY (conjugada quadrivalente) é aplicada em 54 unidades de saúde em crianças de 11 e 12 anos e desde março está ofertada na rede pública

    A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), informa que a vacina ACWY (conjugada quadrivalente) contra a meningite integra o calendário de rotina do setor de imunização da pasta. Com base em orientação do Ministério da Saúde (MS), a vacina protege contra quatro sorotipos da doença, sendo por essa razão, mais abrangente, reforçando o amparo imunológico ao organismo. A ACWY é aplicada em São Luís em crianças de 11 e 12 anos e desde março está ofertada na rede pública brasileira.

    Na capital, 54 unidades de saúde oferecem as doses nos sete distritos da cidade (Centro, Vila Esperança, Tirirical, Bequimão, Cohab, Itaqui-Bacanga e Coroadinho) obedecendo a todas às recomendações de proteção contra o coronavírus de separação física dos usuários.

    Além da vacina conjugada, na rede municipal, também é disponibilizada à população a vacina contra a meningite do tipo C, indicada para crianças entre 3 meses e 4 anos de vida. A criança que já tomou anteriormente a vacina meningite do tipo C deve tomar futuramente a dose conjugada. Mesmo quem não tomou a vacina do tipo C poderá receber a ACWY.

    Para isso, o responsável deve apresentar a carteira de vacinação. “Trata-se de uma vacina ainda mais completa, neste caso, a conjugada, que passou a ser ofertada na rede pública este ano. Nossos vacinadores, por enquanto, aplicarão as doses nas unidades, obedecendo à separação entre os usuários nestes locais”, disse a secretária de Saúde de São Luís, Natália Mandarino.

    Por ser uma vacina considerada de rotina, não há planejamento para campanha específica sobre ela. A inclusão da ACWY pelo Ministério no calendário de vacinas fez parte de uma atualização da pasta federal.

    De acordo com o MS, a meningite costuma afetar crianças de até cinco anos de idade. No caso das pessoas mais velhas, o foco é no público até 20 anos. Na meningite bacteriana, a transmissão é de pessoa a pessoa, através das vias respiratórias.

    SAIBA MAIS

    LOCAIS COM A VACINA MENINGITE ACWY e do TIPO C

    1.       Centro de Saúde Dr. Paulo Ramos – Rua do Passeio, 236 – Centro.

    2.       Ambulatório da APAE – Avenida Casemiro Júnior, nº 1 – Outeiro da Cruz

    3.       U.M Itaqui-Bacanga – Avenida dos Portugueses

    4.       C. S. Clodomir P. Costa – Av. Odilo Costa Filho, S/N – Anjo da Guarda.

    5.       C. S. Valdecy Eleoteria Martins (Paraíso) – Av. Sarney Filho – Vila Embratel.

    6.       C. S Yves Parga – BR 135, S/n – Vila Maranhão.

    7.       C.S. Vila Nova – Praça Raimundo de Sousa Gomes, S/N – Vila Nova.

    8.       Hospital Aquiles Lisboa – Rua José Sarney, s/n – Bonfim.

    9.       C.S. da Vila Embratel – Rua 14 S/N – Vila Embratel.

    10.   C.S. do Gapara – Rua Projetada S/N Gapara.

    11.   C.S Bairro de Fátima – Rua Ademar de Barros, S/N – Bairro de Fátima.

    12.   U.M Coroadinho – Rua da Vitória, S/N – Coroadinho.

    13.   C.S. Dr. Antônio Guanaré – Rua da Vitoria – Coroadinho.

    14.   P.S. Anil – Avenida Casemiro Júnior, Anil

    15.   C.S. Amar – Rua Deputado Luís Rocha, S/N – Vicente Fialho.

    16.   C.S. Radional – Rua G, S/N – Radional.

    17.   C.S. Vila Lobão – Estrada da Vitória, Nº 8 – Vila Lobão.

    18.   C.S. João de Deus – Rua Gardênia Ribeiro Gonçalves, S/N – João de Deus.

    19.   U.M. São Bernardo – Rua São Benedito, Nº 185 – São Bernardo.

    20.   C.S Santa Bárbara – Rua Principal, Nº 180 – Santa Bárbara.

    21.   PS Coquilho – Avenida Principal 10 A, 10 – Vila Coquilho.

    22.   C.S. Drª Nazaré Neiva – Rua 15, Nº 01 – São Raimundo

    23.   USF Maria Ayrecila II – Rua 16, Qd 82, Bloco C, S/N – Cidade Olímpica.

    24.   USF Jailson Alves III – Rua 7, Qd 83, Casa 1 – Cidade Olímpica.

    25.   USF Santa Clara – Rua Lucy Sarney, S/N – Santa Clara.

    26.   USF Santa Efigênia – Rua Tancredo Neves, S/N – Santa Efigênia.

    27.   USF Pirapora – Rua 3, Qd B, S/N – Tirirical.

    28.   C.S. Vila Janaina – Rua Eptacio Cafeteira s/n Vila Janaina.

    29.   C.S Cohab – Anil – Rua 04, S/N – IV Conj. Cohab – Anil.

    30.   C.S Salomão Fiquene – Av. Leste Oeste, S/N – Cohatrac.

    31.   C.S Djalma Marques – Av. Celso Coutinho, S/N – Ipem Turu.

    32.   34. C.S. Itapera – Rua Principal, Nº 31 – Itapera.

    33.   35. C.S. Quebra Pote – Praça do Cemitério, S/N – Quebra Pote.

    34.   C.S. Tales Ribeiro Gonçalves – Praça N. Sra. Da Conceição, S/N – Vila Esperança

    35.   USF Vila Sarney – Rua Cantinho do Céu Nº 06 Vila Sarney

    36.   C.S. Pedrinhas I – BR 135, Km 12, Nº 26 – Pedrinhas.

    37.   C.S. Pedrinhas II – Rua da União, S/N – Pedrinhas.

    38.   C.S. Tibiri – Rua Santo Antônio, S/N – Tibiri.

    39.   C.S. Maracanã – Estrada da Vitória, S/N – Maracanã.

    40.   USF Coqueiro – Rua da Vitória, S/N – Coqueiro.

    41.   C.S. Mª de Lourdes Rodrigues (Rio Grande) – Rua Bom Jardim, 385- Rio Grande.

    42.   C.S Vila Itamar – Rua do Fio, S/N – Vila Itamar.

    43.   CS Fabiciana de Moraes – Rua 3, Qd 7, s/n – Habitat Nice Lobão

    44.   CS Laura Vasconcelos – BR-135, Km, 23, s/n, Vila Maranhão, Região da Estiva

    45.   CS São Raimundo – Vila Mauro Fecury, s/n – São Raimundo

    46.   CS Turu – Avenida 07, S/N, Conj. Hab – Turu

    47.   Hospital Dr. Adelson de Sousa Lopes – R. São Paulo, s/n – Vila Luizão

    48.   USF São Francisco – Rua das Paparaúbas, quadra 13, lote 31, são Francisco

    49.   CS Liberdade – Rua Epitácio Pessoa, 323 – Liberdade

    50.   CS Genésio Ramos Filho – Rua 13, s/n – Cohab Anil

    51.   CS Carlos Macieira – Avenida dos Africanos, s/n – Sacavém

    52.   Policlínica Cidade Operária – Av. Principal, 36 – Cidade Operária

    53.   USF Dr.Antonio Carlos S. Reis I – Av: 4, Qd 36, Casa 11 – Cidade Olímpica

    54.   UBS Expedito Alves de Melo – Av. Brasil Qd. 12 s/n Alexandra Tavares

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Prefeitura de São Luís já imunizou mais de 307 mil pessoas contra Influenza/H1N1 superando meta do Ministério da Saúde

    Campanha segue até o dia 26 deste mês e a partir de segunda (15) até sexta (19), serão imunizadas pessoas do público-alvo com nomes inciados com as letras H a P; ação integra a política de saúde preventiva da gestão do prefeito Edivaldo

    A campanha de vacinação contra a Influenza/H1N1 na capital maranhense vacinará, a partir de segunda-feira (15) até sexta-feira (19), o público-alvo cujos nomes começam entre as letras H e P. Desde o início dos trabalhos, no dia 23 de março deste ano, 307.040 pessoas foram vacinadas, colocando a cidade acima da meta estipulada pelo Ministério da Saúde (MS). A ação integra a política de saúde preventiva da gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior.

    Atualmente integram o púbico-alvo profissionais das forças de segurança e salvamento; caminhoneiros; profissionais de transporte coletivo; portuários; pessoas com deficiência física, auditiva, visual, intelectual e deficiência múltipla e retardatários, ou seja, pessoas dos grupos anteriores que não se vacinaram. Nesta fase, iniciada no dia 8 deste mês, Já foram imunizadas pessoas cujos nomes começam entre as letras A a G.

    Na segunda-feira (15) e terça-feira (16), pessoas iniciadas com as letras H, I e J serão imunizadas. Na quarta-feira (17) e quinta-feira (18) será a vez do público cujos inícios de nomes estão entre as letras K, L e M. No dia 19, começarão a ser vacinadas as pessoas cujos nomes começam com as letras N, O ou P.

    Até o dia 26 deste mês, pessoas incluídas no público-alvo e cujos nomes começam com a letra Z serão protegidas. Até o fim da campanha, haverá a separação do público vacinado por turno.

    Pela manhã, das 8h ao meio-dia, devem comparecer aos postos profissionais das forças de segurança e salvamento, pessoas com deficiência e àquelas pessoas que não conseguiram se vacinar nas fases anteriores da campanha. Durante a tarde, das 13h às 17h só poderão se vacinar os portuários, profissionais de transportes coletivos (motorista e cobradores) e os caminhoneiros.

    No total, 46 locais de vacinação (sendo 42 unidades de saúde e 4 unidades de ensino) estarão disponíveis. “Nosso planejamento é seguir com a ampliação da nossa cobertura. Manteremos a descentralização dos locais de aplicação das doses e separação dos perfis, para evitar aglomerações durante este período de pandemia”, disse o secretário de Saúde de São Luís, Lula Fylho.

    Esta será a penúltima semana de imunização antes do encerramento da campanha. Nas fases anteriores, crianças entre seis meses e menores de cinco anos, idosos a partir dos 60 anos de idade e outros públicos, como profissionais de saúde, por exemplo, foram vacinados.

    SAIBA MAIS

    Ordenamento alfabético (somente entre os dias 15 e 19 de junho)

    Dias 15 e 16 – Pessoas cujos nomes começam com as letras H, I e J

    Dias 17 e 18 – Pessoas cujos nomes começam com as letras K, L e M

    Dia 19 – Pessoas cujos nomes começam com as letras N, O e P

    LOCAIS DE VACINAÇÃO

    1.      Centro de Saúde Dr. Paulo Ramos – Rua do Passeio, 236 – Centro.

    2.      CTA Lira (atendimento específico) – Praça São Roque Lira, S/N – Lira.

    3.     U.M Itaqui-Bacanga – Avenida dos Portugueses

    4.      C. S. Clodomir P. Costa –  Av. Odilo Costa Filho, S/N – Anjo da Guarda.

    5.      C. S. Valdecy Eleoteria Martins (Paraíso) – Av. Sarney Filho – Vila Embratel.

    6.      C. S Yves Parga – BR 135, S/n – Vila Maranhão.

    7.      C.S. Vila Nova – Praça Raimundo de Sousa Gomes, S/N – Vila Nova.

    8.      Hospital Aquiles Lisboa – R. José Sarney, s/n – Bonfim.

    9.      C.S. da Vila Embratel – Rua 14 S/N – Vila Embratel.

    10.   C.S. do Gapara – Rua Projetada S/N Gapara.

    11.   C.S Bairro de Fátima  – Rua Ademar de Barros, S/N – Bairro de Fátima.

    12.   U.M Coroadinho  – Rua da Vitória, S/N – Coroadinho.

    13.   C.S. Dr. Antônio Guanaré – Rua da Vitoria – Coroadinho.

    14.   U.M. Bequimão – Av. do Contorno s/n Bequimão.

    15.   C.S. Amar – Rua Deputado Luís Rocha, S/N – Vicente Fialho.

    16.   C.S. Radional – Rua G, S/N – Radional.

    17.   C.S. Vila Lobão – Estrada da Vitória, Nº 8 – Vila Lobão.

    18.   C.S. João de Deus – Rua Gardênia Ribeiro Gonçalves, S/N – João de Deus.

    19.   U.M. São Bernardo – Rua São Benedito, Nº 185 – São Bernardo.

    20.   C.S Santa Bárbara – Rua Principal, Nº 180 – Santa Bárbara.

    21.   PS Coquilho – Avenida Principal 10 A, 10 – Vila Coquilho.

    22.   C.S. Drª Nazaré Neiva – Rua 15, Nº 01 – São Raimundo

    23.   USF Maria Ayrecila II – Rua 16, Qd 82, Bloco C, S/N – Cidade Olímpica.

    24.   USF Jailson Alves III – Rua 7, Qd 83, Casa 1 – Cidade Olímpica.

    25.   USF Santa Clara – Rua Lucy Sarney, S/N – Santa Clara.

    26.   USF Santa Efigênia – Rua Tancredo Neves, S/N – Santa Efigênia.

    27.   USF Pirapora – Rua 3, Qd B, S/N – Tirirical.

    28.   C.S. Vila Janaina – R. da Saudade, 148 – Cidade Operária.

    29.   UBS Dr. Expedito Alves de Melo – Av. 4, Qd 36, Casa 11 – Cidade Olímpica.

    30.   C.S Cohab – Anil – Rua 04, S/N – IV Conj. Cohab – Anil.

    31.   C.S Salomão Fiquene – Av. Leste Oeste, S/N – Cohatrac.

    32.   C.S Djalma Marques – Av. Celso Coutinho, S/N – Ipem Turu.

    33.   CTA Anil (atendimento especifico) – Av. São Sebastião, S/N – Anil.

    34.   C.S. Itapera – Rua Principal, Nº 31 – Itapera.

    35.   C.S. Quebra Pote – Praça do Cemitério, S/N – Quebra Pote.

    36.   C.S. Pedrinhas I – BR 135, Km 12, Nº 26 – Pedrinhas.

    37.   C.S. Pedrinhas II – Rua da União, S/N – Pedrinhas.

    38.   C.S. Tibiri – Rua Santo Antonio, S/N – Tibiri.

    39.   C.S. Maracanã – Estrada da Vitória, S/N – Maracanã.

    40.   USF Coqueiro – Rua da Vitória, S/N – Coqueiro.

    41   C.S. Mª de Lourdes Rodrigues (Rio Grande) – Rua Bom Jardim, 385- Rio Grande.

    42.   C.S Vila Itamar – Rua do Fio, S/N – Vila Itamar.

     ESCOLAS

    1.       Escola Militar Tiradentes –  Rua Gabriela Mistral, Vila Palmeira.

    2.       C.E Nascimento de Moraes  – Avenida 3, Vinhais.

    3.       UEB Felipe Conduru  – Avenida Guajajaras, 115.

    4.       UEB Frederico Chaves  – Rua Presidente Dutra, São Francisco.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.