Jogos eletrônicos são uma das formas de entretenimento mais inovadoras


    Devido à sua interatividade e capacidade de desafiar seus jogadores, ao mesmo
    tempo em que os apresentam a novos mundos e possibilidades, os jogos eletrônicos são uma das formas de entretenimento mais interessantes já criadas.

    Os títulos mencionados abaixo representam o que há de melhor dessa área nos últimos anos no quesito inovação e todos os jogadores interessados em experiências diferentes deveriam experimentá-los.

    Jogos com temáticas inusitadas e novas versões de modalidades tradicionais

    Criado pela Team 17, desenvolvedora responsável pela franquia de sucesso Overcooked, o game Moving Out é um dos jogos cooperativos mais inesperados e inovadores que já foram lançados. Se em Overcooked o objetivo dos jogadores era se unir para comandar uma cozinha, em Moving Out eles precisam trabalhar em equipe para girar, inclinar e posicionar móveis para uma mudança.

    O conceito pode parecer simples, mas todo mundo que assistiu o famoso episódio de Friends em que Ross compra um novo sofá e tem dificuldades em levá-lo até o apartamento, gerando a clássica cena do “vire!”, sabe das dificuldades em coordenar movimentos e as situações hilárias que essa empreitada pode gerar.

    O jogo explora isso ao máximo e as circunstâncias em que ele coloca os jogadores são tão inusitadas e difíceis de superar quanto recompensadoras, tornando-o perfeito para quem quer uma experiência diferente. Moving Out está disponível em todas as principais plataformas.

    Os diversos jogos de cassino também merecem ser conferidos pelos entusiastas de jogos inovadores, já que os novos títulos disponíveis utilizam como base as regras de cassino tradicionais dessas modalidades e adicionam diversos elementos e mecânicas para oferecer uma experiência diferente.

    Por exemplo, Lightning Dice e Lightning Roulette utilizam, respectivamente, as regras básicas de dados e roletas, mas as duas modalidades contam com o elemento surpresa de raios que atingem a mesa e podem multiplicar os valores por 50 até 1.000 vezes, deixando tudo muito mais emocionante.

    Outra opção inovadora é Infinite Blackjack. Do mesmo modo, as mecânicas e as regras utilizadas são as do blackjack, mas essa modalidade permite um número infinito de jogadores em cada uma das mãos, o que faz com que eles não precisem esperar para jogar e dá toda uma nova camada para o jogo.

    É possível encontrar os diversos jogos de cassino tanto em aplicativos para celular quanto nas versões online para PCs ou notebooks.

    Títulos de criação colocam o jogador na pele de desenvolvedores de jogos

    Considerando que Minecraft e seus personagens chegaram a dar origem até mesmo a lutadores de Super Smash Bros. Ultimate, não é surpresa que a essência criativa do jogo e suas diferentes mecânicas tenham servido como influência para desenvolvedores criarem títulos que levam isso a um novo patamar. E poucos jogos fazem isso tão bem quanto o sucesso Dreams.

    Disponível apenas para os consoles PlayStation 4 e 5, o título permite aos jogadores criar magníficas obras de arte, curtas e longas metragens, cafés da manhã tridimensionais e até mesmo jogos inteiros com seu amplo conjunto de ferramentas de design de fácil utilização.

    Desenvolvido pela Media Molecule, o game explora ao máximo o conceito de sandbox e inova ao colocar o jogador na pele de um desenvolvedor com recursos ilimitados, possibilitando que ele crie praticamente tudo que sua imaginação permitir.

    Também é possível procurar no menu do jogo por criações de outros jogadores e experimentar suas obras, que vão desde títulos inspirados por franquias de sucesso – como Fallout, Super Mario e Naruto – até criações incríveis que só existem lá.

    Título de horror reverso completa novas inovações que precisam ser jogadas

    É impossível falar sobre as inovações dos últimos anos sem mencionar Carrion. Inspirado por clássicos como O Enigma do Outro Mundo, o jogo da Devolver Digital inverte totalmente a lógica dos filmes de terror e coloca o jogador na pele do antagonista.

    O game, que conta com visuais retrô em 16-bit, aprimora ideias introduzidas em clássicos modernos como Prototype, Styx e The Darkness, fazendo com que o jogador vivencie a difícil e perigosa jornada de uma criatura tentando escapar uma estação espacial, com direito a diversos elementos de Metroidvania para introduzir novos poderes e habilidades.

    As mecânicas desenvolvidas para controlar a criatura e fazê-la se movimentar pela estação espacial são realmente únicas e não podem ser encontradas em nenhum outro título, motivo pelo qual o game, apesar de relativamente curto, merece ser conferido por todos os interessados em inovação.

    É possível encontrar Carrion nos consoles Xbox One e Nintendo Switch assim como nos sistemas operacionais Microsoft Windows, Mac OS e Linux.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    As criptomoedas serão uma tendência no poker online?

    A tecnologia nunca foi tão relevante e necessária no dia a dia das pessoas quanto atualmente. Ao longo dos anos, a evolução tecnológica ajudou a aproximar pessoas, melhorou e inovou as formas de comunicar, produzir conteúdo, trabalhar e até mesmo de realizar pagamentos e transações financeiras. Junto dessa onda também houve um crescente das chamadas criptomoedas.

    O que é uma criptomoeda

    Para os que não estão familiarizados com o termo, uma criptomoeda nada mais é do que uma moeda virtual, que pode ser utilizada para pagamentos e operações comerciais, assim como as moedas já conhecidas, como real, dólar ou euro. No entanto, a grande diferença entre uma criptomoeda e uma moeda real, é principalmente sua regulamentação e segurança.

    Por se tratarem de moedas virtuais, elas não são regulamentadas por governos, bancos ou outras instituições. Todas as operações feitas com criptomoedas são registradas em uma rede chamada blockchain, e sua configuração determina que qualquer registro feito na mesma, tenha o valor correto e sejam públicos. Ou seja, isso torna as operações com as moedas virtuais mais seguras e sem custos adicionais.

    Criptomoedas em operações comerciais

    Por causa dessas vantagens em relação às moedas reais, as criptomoedas tem apresentado um crescimento muito grande, com a popularização do Bitcoin, Ethereum e Ripple. E um dos negócios que tem utilizado muito das vantagens do uso de criptomoedas são os cassinos online.

    Foram-se os dias em que para jogar poker era necessário frequentar um cassino de verdade. Hoje em dia, é possível jogar poker online de qualquer lugar do mundo, a qualquer hora. Dependendo da modalidade do jogo, também é possível jogar diretamente do celular, com dinheiro real, fictício e inclusive participar de torneios.

    O grande problema dos jogos de poker online é que a segurança das transações financeiras em algumas plataformas foi corrompida, e jogadores foram vítimas de golpes e fraudes. A confiança e transparência das transações nos jogos de aposta online estava abalada e necessitava de uma nova solução, que garantisse tranquilidade aos jogadores. E assim entram em cena as criptomoedas.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Brasil ganha 10 milhões de internautas em 1 ano, aponta IBGE

    Idosos representam o grupo que mais aumentou percentualmente entre os novos usuários da web. Celular lidera como principal meio de conexão à rede e uso de redes sociais é a principal finalidade de acesso.

    Em apenas 1 ano, o número de internautas no Brasil cresceu cerca de 10 milhões de pessoas, sendo que os idosos representam a faixa etária com maior crescimento de novos usuários da rede.

    É o que aponta um levantamento divulgado nesta quinta-feira (20) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) feito no quarto trimestre de 2017. Ele faz parte das coletas da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD).

    Veja outros destaques do estudo:

    • número de domicílios com acesso à web subiu para 75% contra 69% em 2016;
    • principal finalidade de acesso é enviar mensagens por aplicativos diferentes de e-mail, ou seja, redes sociais;
    • área rural do país foi a que mais registrou expansão no número de domicílios conectados, que chegaram a 41%; nas áreas urbanas subiu para 80%;
    • celular continua sendo o principal dispositivo para usar a internet, responsável por 98% dos acessos;
    • o número de domicílios que acessam a internet pela TV subiu de 11%, em 2016, para 16%; e o número de casas com computador e tablets continua caindo.

    Número de internautas

    Em 2017, segundo o IBGE, o país tinha 126,4 milhões de usuários de internet, o que representava 69,8% da população com 10 anos ou mais. Um ano antes, os internautas somavam 116,1 milhões, 64,7% da população.

    Assim, de 2016 para 2017, o contingente de pessoas conectadas à rede mundial de computadores no Brasil aumentou em quase 9%.

    “É um avanço bem expressivo e ocorreu em todos os grupos etários, com mais intensidade entre os idosos”, destacou a analista do IBGE Adriana Beringuy.

    Idosos conectados

    Dos 10 milhões de novos usuários de internet, 23% tinham 60 anos ou mais. “No mesmo período, a população idosa cresceu em cerca de 1 milhão, enquanto a população de 60 anos ou mais usuária de internet cresceu 2,3 milhões”, destacou a pesquisadora.

    Em 2016, o percentual de idosos acessando a internet em relação ao total de internautas era de 24,7%, e saltou para 31,1% em 2017, uma variação de 25,9%. No grupo etário de 10 a 13 anos, a variação nesse período foi de 7,4%, e no de 14 a 17 anos, de 2,9%.

    “O uso das tecnologias mais recentes, como é o caso da internet, tem adesão mais rápida entre os jovens. Mas, a rápida evolução das facilidades para o seu uso vem ampliando a sua disseminação entre todos os grupos etários e de ambos os sexos”, enfatizou o IBGE.

    Distribuição percentual dos internautas brasileiros por grupo etário
    Maioria das pessoas que acessam a internet no Brasil tem entre 25 e 39 anos
    10 a 13 anos: 6,8 %14 a 17 anos: 8,9 %18 ou 19 anos: 4,8 %20 a 24 anos: 11,2 %25 a 29 anos: 10,5 %30 a 34 anos: 10,7 %35 a 39 anos: 10,7 %40 a 44 anos: 9,2 %45 a 49 anos: 7,6 %50 a 54 anos: 6,8 %55 a 59 anos: 5,1 %60 anos ou mais: 7,7 %
    Fonte: IBGE

    Domicílios com acesso à internet

    O número de domicílios com acesso à rede mundial de computadores também cresceu na passagem de 2016 para 2017. No primeiro ano da pesquisa, 69,3% dos lares brasileiros tinham equipamento conectado à internet, percentual que saltou para 74,9% em um ano.

    De acordo com o IBGE, a área rural do país foi a que mais registrou expansão no número de domicílios conectados à rede – saltou de 33,6% para 41%, enquanto na área urbana foi de 75% para 80,1%.

    “O mesmo tipo de evolução foi observado em todas as Grandes Regiões do país”, destacou o instituto.

    Domicílios com acesso a internet — Foto: Juliane Souza/Arte G1

    Domicílios com acesso a internet — Foto: Juliane Souza/Arte G1Domicílios com acesso a internet — Foto: Juliane Souza/Arte G1

    Celular lidera

    Em 2015, outro levantamento do IBGE mostrou que o celular se consolidou no Brasil como o principal meio de acesso à internet. Naquele ano, em 92,1% dos casos, o smartphone era usado para conexão à rede. Esse percentual aumentou para 97,2% em 2016, chegando a 98,7% no final de 2017.

    Também vem crescendo o acesso à rede por meio de aparelhos de TV. Em 2016, 11,7% dos domicílios tinham a televisão como meio de conexão. No ano seguinte, esse percentual subiu para 16,1%.

    Em contrapartida, microcomputador (incluindo desktops e notebooks) e tabletes têm caído cada vez mais em desuso. O percentual de domicílios com uso de PCs caiu de 57,8% em 2016 para 52,3% em 2017. Já o de tablets caiu de 17,8% para 15,5% no mesmo período.

    Foco em rede social

    A pesquisa do IBGE mostrou que a principal finalidade de acesso à internet no Brasil é enviar mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos diferentes de e-mail. Ou seja, o principal objetivo de quem se conecta à rede é o uso das redes sociais como Facebook, Instagram e Whatsapp.

    Em seguida, a outra principal finalidade é a realização de chamadas de voz ou vídeo. Assistir a vídeos, incluindo programas de TV, séries e filmes aparece em terceiro lugar. Troca de e-mails aparece na quarta posição.

    Levantamento do IBGE detalha perfil do uso da internet no Brasil — Foto: Juliane Monteiro/G1Levantamento do IBGE detalha perfil do uso da internet no Brasil — Foto: Juliane Monteiro/G1

    Regionalmente, a finalidade de acesso à rede é semelhante para o uso das redes sociais em todas as cinco regiões do país – varia entre 95,2% dos usuários no Sul do país e 95,8% no Centro-Oeste. Já para as outras três finalidades, há pequenas variações entre as regiões. A principal delas é em relação às trocas de e-mail. No Nordeste, 55,4% dos usuários usam o correio eletrônico, percentual que chega a 70,9% no Sul.

    21 milhões não sabem acessar a internet

    O levantamento feito pelo IBGE mostrou, ainda, que 54,7 milhões de brasileiros com 10 anos ou mais não se conectam à rede mundial de computadores. Constatou-se que 75,2% destas pessoas não sabem ou não têm interesse em acessar a internet.

    Deste contingente de pessoas que não são internautas, os que disseram não saber acessar a rede representavam 38,5%, o que equivale a 21 milhões de pessoas.

    Pesquisa do IBGE mostra os principais motivos pelos quais os brasileiros não acessam a internet — Foto: Juliane Monteiro/G1Pesquisa do IBGE mostra os principais motivos pelos quais os brasileiros não acessam a internet — Foto: Juliane Monteiro/G1

    Conforme pontuou a pesquisadora do Instituto, Adriana Beringuy, a questão financeira não é o maior impedimento para o uso da internet no Brasil. Dentre os que não acessam a rede, 13,7% justificaram ser caro o serviço. Outros 4,5% disseram considerar caro o equipamento necessário para navegar.

    “Existe ainda um percentual importante da população que não sabe utilizar a tecnologia”, destacou a pesquisadora.

    Essa condição é maior na urbana que na rural. Na primeira, 39,7% dos que disseram não acessar a rede responderam que não sabem como fazê-lo, contra 29,3% dos não internautas que residem em áreas rurais. A maior diferença entre os dois tipos de área é a disponibilidade do serviço – 12,9% na rural contra 1,7% da urbana.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

    Prefeitura de Santa Rita é contemplada pelo programa “Internet para Todos”

    O prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, conseguiu junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) a adesão do município ao programa “Internet para Todos”. Após a validação do MCTIC, a prefeitura recebeu o termo de adesão e cadastrou os povoados no programa.

    A banda larga do programa Internet para Todos vem do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), fruto de um investimento de R$ 3 milhões do governo federal e que foi lançado ao espaço em maio do ano passado. Depois de seu lançamento, o MCTIC assinou um conjunto de convênios para usar a capacidade do satélite.

    O intuito do programa é a inclusão digital de populações que, seja por dificuldade de acesso, dificuldade econômica ou não dispor de serviços de internet em sua localidade de residência, não conseguem contratar serviços de internet de Banda Larga.

    Para participar do programa, os municípios deveriam habilitar e assinar um convênio com o governo federal. A partir disso, antenas serão instaladas gratuitamente nas regiões sem conectividade, de modo a distribuir banda larga em um raio de até 2 quilômetros.

    Na cidade de Santa Rita foram contempladas as seguintes localidades: Alto das Pedras, Careminha, Cariongo, Carionguinho, Centrinho, Companhia, Enfesado, Fogoso, Jiquiri, João Mendes, Jussara, Marengo, Mata dos Pires, Morada Nova, Munim, Nova Vida, Novo Horizonte, Novo Tempo, Outeiro dos Pires, Papagaio, Porto Alegre, Recurso, Santa Barbara, Santa Luzia, Santa Rita do Vale, Santana, Santiago, São Manoel, São Raimundo da Felicidade, Sítio do Meio e Vila Fé em Deus.

    Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.