Detentor da maior fatia da verba pública do Maranhão, o Jornal Pequeno, na pessoa do seu editor, foi escalado para fazer as mais absurdas defesas do Governo do Estado e, ao mesmo tempo, os mais canalhas ataques a quem denunciar ou mostrar erros de seu severo patrão. Atropela fatos, se descabela, vai ao desespero, e faz advogado refém, exatamente aquele que foi perseguido pela gestão Flávio Dino que pretendia encarcerá-lo no caso Sefaz: Jorge Arturo.

Em postagem de hoje, uma tira do JP, corretamente chamada de “O IFORMENTE”, o editor do jornal fez uma entrevista com o advogado Jorge Arturo  para que fosse negada a publicação aqui postada no Blog do Luis Cardoso em que amigos médicos revelaram o estado depressivo de Mariano depois que saiu da prisão e perdeu a esposa e amante ao mesmo tempo.

O JP, diz hoje que “informações prestadas  na noite dessa sexta-feira, pelo advogado Jorge Arturo Mendoza Reque Júnior” que “Mariano não tinha depressão”.

Ora, afinal foi sexta-feira 13, um dia depois da morte do médico que o azar incorporou no jornalista e advogado na montagem de mentira ou será ainda nesta próxima sexta-feira, dia 20? Primeiro que o advogado, além de não ser médico, confirmou na mesma entrevista que tratava as coisas do cliente Mariano de Castro com duas irmãs dele. E ainda não esqueceu de dizer que após deixar a prisão, o médico foi morar sozinho em Teresina. O Blog prefere acreditar na versão dos médicos que conviveram com Mariano.

O advogado se enrola todo quando fala das cartas. Ora disse que em outras entrevistas que na segunda carta o médico confirma que a primeira missiva é de autoria da vítima. Depois fala que a prisão domiciliar seria revogada logo, como se estivesse combinado com o Ministério Público Federal e a Justiça Federal ou, no mínimo, achava que o desvio de R$ 18 milhões de recursos públicos federais e nada fosse a mesma coisa.

Para completar, o advogado diz que não sabe se a esposa de Mariano havia se separado, embora diga que o médico estava morando sozinho em um apartamento, e que tratava as coisas do cliente com as irmãs dele. Mais uma prova de que nada sabia se Mariano vivia ou não depressivo.

O advogado foi perseguido pelo Governo do Estado na questão do que a Sefaz considerou como fraude tributária e denunciou ao Ministério Público. Se dependesse do governo e do PM, ele estaria hoje preso.

Jorge Arturo é um dos melhores advogados tributaristas deste país, mas a área criminal não é a  sua praia.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.