Comemoração

Ontem, jornalistas que procuraram o CIOPS em busca de informações sobre as operações realizadas pela polícia nas últimas 24 horas deram com os burros n’água. Quem procurou ontem a Ascom da Secretaria de Segurança Cidadã, que sempre funcionou aos sábados, também deu com a cara na porta.

Comemoração II

Alguns policiais do CIOPS, é bem verdade, estavam no local de trabalho, mas sem a menor informação do que ocorreu ontem porque o pessoal da Secretaria de Segurança estava exercendo sua cidadania numa chácara pertencente ao jornalista Lourival Bogéa, no Parque Jair.

Estavam todos festejando, talvez, os resultados da política de segurança implantada pela secretária Eurídice Vidigal.

Comemoração III

Em 2007, segundo dados da própria polícia, tivemos mais de 100 homicídios em relação ao ano anterior. Segundo dados fornecidos pelo coronel Melo, comandante da Polícia Metropolitana, perto de 400 assassinatos foram cometido em 2007.

Comemoração IV

No dia primeiro deste ano, cinco pessoas foram executadas quando suas famílias ainda comemoravam a entrada de 2008. 12 ônibus e mais cinco postos de gasolina foram assaltados entre dezembro ao início de janeiro, sem falar aos assaltos a casas lotéricas e outro estabelecimento comerciais e residências particulares, além de estupros e outros crimes não menos perversos.

Comemoração V

Só em São Luís, mais de 20 assaltos foram praticados em restaurantes e bares da cidade, alguns com vítimas fatais como foi o caso do empresário Raimundo Tadeu Maciel, dono do Quibe & Companhia, na Ponta do Farol, que teve a vida ceifada por uma bandido até hoje não encontrado pela polícia.

Comemoração VI

Enquanto a família de Raimundo Tadeu Maciel e de outras dezenas de empresários choram a falta de seu ente-querido, lamentam a falta de segurança em seus lares, nas ruas, praças e avenidas, o pessoal da Secretaria de Segurança exerce sua cidadania, comemorando nossas lágrimas com churrasco, cerveja e boas gargalhadas.

Calados

Fonte da própria Secretaria de Segurança Cidadã garante que existe uma tabela para veículos de comunicação que lutam para mostrar que estamos vivendo o melhor período de nossas vidas, o momento mais seguro em nossos lares, nos nossos negócios, que podemos sair às ruas sem medo de assaltos ou de balas mortais. A coluna soube até que o “negócio” teria sido detectado pela Secom estadual, que não concorda com o procedimento. E com razão.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Amigos

Um grupo de amigos do secretário de Planejamento, Aziz Santos, esteve reunido antes do encerramento de 2007 para festa de confraternização.

Pelo número de presentes ao evento, Aziz é do tipo que sempre conservou amigos e amplia, cada vez mais, seu leque de amizades.

Compareceram, a um sítio no Turu, próximo da sede do Sampaio Corrêa, deputados, prefeitos, lideranças comunitárias, jornalistas, empresários e funcionários da Fazenda Municipal e da Secretaria de Planejamento. É isso aí Aziz, amigo é pra se guardar!

Candidato

O prefeito Tadeu Palácio escolheu a data para sinalizar o nome da sua preferência para disputar sua sucessão. Será logo no início de fevereiro, aproveitando o embalo do carnaval.

Tadeu achou por bem antecipar a data, que estava prevista para maio, para evitar desgastes futuros ou prováveis atritos entre seus amigos pré-candidatos.

Candidato II

Político habilidoso, Tadeu sabe que na esteira da sua popularidade o candidato indicado logo tende a crescer, ganhar musculatura.

Por exemplo: se no começo de fevereiro avisar que seu candidato a prefeito é o secretário Canindé Barros, em menos de 15 seu favorito aumenta na preferência do eleitorado.

Candidato III

O dia ainda não foi marcado, mas a data não pode passar da primeira quinzena de fevereiro. Tadeu Palácio, segundo soube, mandará fazer duas pesquisas até o final de janeiro. Quem estiver melhor colocado será por ele indicado.

Apressados

Alguns setores do governo estadual e até da própria imprensa se apressaram em comemorar o final e entrada de ano sem nenhum homicídio.

Pecaram pela pressa. Só no IML deram entrada nove corpos, sendo seis por assassinato.

Fechados

Alguns secretários do governo Jackson Lago são civilizados no tratamento com os políticos, principalmente com os deputados. Aziz Santos, do Planejamento e Edmundo Gomes, da Saúde, são uns deles.

Outros nem tanto. Fazem questão de não atender aos parlamentares, por telefone ou pessoalmente. Lourenço Vieira da Silva, da Educação é um deles.

Avançando

O JORNAL A TARDE passa a circular, a partir de hoje, em mais 30 municípios. Além de quarta maior tiragem, quarta maior venda em bancas da cidade, é o matutino que mais circula e vende na balneária cidade de São José de Ribamar.

Segundo levantamento feito por uma agência de publicidade local, o A TARDE perde apenas em venda para os jornais Estado do Maranhão, O Imparcial e Pequeno no corredor São Francisco/Cohab, São Francisco/Calhau. É só o começo.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Ausência dos plantões

Há uns 18 anos, ainda no governo de Epitácio Cafeteira a cidade de São Luís tinha aproximadamente 850 mil habitantes. Se hoje não temos o tão esperado 1 milhão de cabeças, conforme os números do IBGE, mostra que em termos populacionais quase não crescemos.

Naquela época, freqüentador de alguns bares do bairro do João Paulo, não havia tamanha violência, a onda de assaltos, os bárbaros homicídios, as cruéis brigas entre gangues e a facilidade que tem o bandido de andar armado.

Tínhamos nós boêmios e não boêmios certa segurança quando avistávamos vez por outra a presença dos antigos camburões e, principalmente, pela permanência dos plantões na delegacia do bairro

Hoje, embora afastado da comunidade, sempre ouço dos amigos de infância que o João Paulo é uma bairro sem lei, que oferece tristes espetáculos de rivalidades sangrentas entre grupos de jovens (gangues), com quase três a quatro homicídios por semana, e o que é muito pior: a delegacia fechada no período da noite, nos sábados, domingos e feriados. Ou seja: sem os plantões.

Sei que o contingente policial de São Luís ainda é pequeno, mas não custa lembrar que naquela época tínhamos 850 mil habitantes e quase 600 policiais civis lotados na capital. Isto, sem falar que a Polícia Militar não se envolvia porque não lhe era dado o direito de polícia preventiva. A presença dos policiais civis, quer passando nas viaturas ou fazendo as revistas, era mais constante.

A porta da delegacia sempre aberta nos parecia um freio às ações dos bandidos. As respostas dos policiais eram mais rápidas. A disputa saudável e precisa entre os investigadores na descoberta de crimes era acompanhada pelas comunidades, pela população. Hoje, salvo engano, a figura do investigador sumiu. O policial civil, agora com um tal de Serviço Velado da PM, deixou de cumprir sua função constitucional, que é a de investigar, de polícia judiciária. O Serviço Velado da PM, de forma inconstitucional, investiga casos já mastigados, basta acompanhar com atenção.

Portanto, é preciso colocar nas ruas a Polícia Civil. Fazer do policial um investigador e deixar que a PM cumpra apenas o seu papel de policia preventiva. Necessário se faz que todas as delegacias estejam 24h abertas e não apenas três plantões, sendo um na Cidade Operária, outro no Cohatrac e o terceiro na Beira-Mar, como acontecia hoje. A volta dos plantões em todas as delegacias, com pelo menos duas viaturas, três PMs e quatro civis, traria, pelo menos, a sensação de segurança aos moradores de cada bairro, até porque seria mais fácil a comunicação. Vale lembrar que temos hoje na capital mais de mil policiais civis para pouco menos de 50 distritos policiais e mais de 4 mil militares. Pense nisso, dona Eurídice Vidigal!

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

É preciso investigar

Em todos os assaltos praticados contra transeuntes, usuários de ônibus, frentistas, funcionários de correios, casas lotéricas, comércios, bares, restaurantes, os bandidos portam armas de fogo. Então, essa facilidade de andar armado em São Luís intriga ou deixa indignado qualquer cidade de bem da capital. Existe alguma coisa errada, ou não?

Confesso que não compreendo como a cada grupo preso a polícia apreende armas de fogo e quando soltos (às vezes em menos de uma semana) eles voltam a se armar.

A compra de armas nas casas de revendas em São Luís é igual a como se adquire banana, tomate ou farinha nas feiras e mercados da capital? Aliás, para minha maior surpresa, soube que um policial vende revólveres. A mim foi oferecido. Não quis tê-lo. Detesto armas, por mais inofensivas que sejam. Só sei atirar palavras e enfiar os dedos no teclado do meu computador para digitar meus textos.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Recuperação

É impressionante a recuperação do secretário de Indústria e Comércio, Júlio Noronha. No último dia do ano conversou, por telefone, com todos os seus familiares que estão em São Luís, inclusive com o sogro governador Jackson Lago.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Fora da sucessão

O governador Jackson Lago, ao informar que estará de fora da sucessão municipal de São Luís, desestimulou de uma tacada só cinco pré-candidaturas, sendo a maioria alojada no seu PDT.

A decisão de Lago, como se parecesse combinado, só fortaleceu o prefeito Tadeu Palácio. Aliás, o governador sempre disse que Tadeu iria comandar o processo da sua própria sucessão, inclusive com o direito a indicar seu sucessor.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Os desestimulados

Os pedetistas Sandra Torres, Moacir Feitosa e Clodomir Paz devem ter se decepcionados com as declarações do governador. Ora, se Jackson Lago vai agir como magistrado, portanto de fora do processo sucessório, fica claro que qualquer que seja o candidato oficial do PDT não terá seu apoio declarado. E muito menos, ao que parece, do prefeito Tadeu Palácio. A militância, pelo visto, não está tão aguerrida para carregar candidatos.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Outros desestimulados

Com o recuo do governador fica ainda mais claro que dificilmente vingarão as pretensões de João Castelo e José Reinaldo Tavares de suceder a Tadeu Palácio.

Como os dois não terão o apoio explícito do governador, jamais serão empurrados pelo prefeito Tadeu Palácio, a não ser para a beira de um precipício. Sem estrutura, sem grupo e sem apoio das duas maiores lideranças políticas da capital, os dois não irão se aventurar ao suicídio.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Vitória de Tadeu

Embora com três mandatos de vereador e seis anos no cargo de prefeito de São Luís, Tadeu Palácio mostrou que é mais habilidoso do que todos os aliados de Jackson Lago, incluindo os de alto coturno.

Ele vai mesmo levar o seu candidato (a esta altura todos sabem que é Canindé Barros) ao segundo turno e aguardar o apoio explicito do governador Jackson Lago. A disputa no segundo turno, anotem bem, deve acontecer entre o candidato do atual prefeito e o deputado Raimundo Cutrim.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Indicação de Tadeu

O prefeito de São Luís mandou recado pelas ondas da Mirante AM ao povo da capital. Pediu que aguardasse o seu sinal para entender bem quem será seu candidato.

O sinal, ao que parece, vem sendo emitido vez por outra. Na última ocorreu durante a confraternização dos servidores da SMTT, antiga Semtur, na Batuque Brasil. A festa foi no dia 17. Disse Tadeu:

– Atentai, companheiros, bem para o número dessa data. Gravem bem o número 17. Não esqueçam do 17.

Coincidentemente 17 é o número do PSL, partido que abriga a pré-candidatura do secretário Canindé Barros.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Secretário Aziz Santos em entrevista a Luis Cardoso

O Governo Jackson Lago encerra seu primeiro ano com balanço positivo. Mas o que marcou o primeiro ano da gestão estadual foi a transparência, os novos métodos adotados na relação com as prefeituras para que a população de cada município saiba exatamente onde e como estão sendo aplicados os recursos públicos resultantes de convênios entre os governos estadual e municipal. Sobre este e outros assuntos, o Jornal A Tarde fez entrevista exclusiva com o secretário de Planejamento, Abdalla Aziz Santos, que prevê gastos de mais de um bilhão em obras para 2008. Abaixo a entrevista na íntegra.

A Tarde – Dr. Aziz, após esse período inicial de turbulência, das greves que já foram contornadas, já pode se dizer que o Maranhão respira melhor?

Dr. Aziz – Olha, nós acreditamos que vamos terminar o ano que efetivamente ele está se findando de uma forma muito melhor do que a população, a classe política imaginava há seis, oito meses atrás. Você vê que o governo hoje tem uma marca definida. Qual é a marca do Dr. Jackson Lago nas próprias palavras dele? A marca da municipalização. Este é a grande, vamos dizer assim é a grande fiscalização que é justamente aproximar o governo da população. Como se faz isso? Através dos vários fóruns que o próprio governador tem presidido. Agora muito mais do que isso o governador vai contar com instrumentos extraordinários de política pública que é a regionalização, que foi um projeto concebido aqui na Seplan com parceria de todo o governo, em que o governador encaminhou a assembléia e que já está aprovado.

A Tarde – Vai descentralizar mais as ações do governo?

Dr. Aziz – Muito mais porque nós vamos ter agora fóruns permanentes em cada uma das 32 regiões. Então, ao invés de um fórum como está sendo feito, que já é um passo muito grande, muito importante, vai ser agora permanentemente em cada região nos conselhos regionais de desenvolvimento onde estão os prefeitos de vários municípios daquela região, os presidentes de câmaras e as lideranças da sociedade civil organizada e mais as parcerias das universidades públicas, do Banco do Brasil, do BNB, do Basa, Sebrae. E uma coisa realmente pra valer e pra aprofundar a visão do sistema em que estado precisa ter para continuar seu papel.

A tarde – Esses fóruns evidentemente resultam do planejamento e da execução de obras, o que resulta também em gastos. Qual foi o volume de gastos que o governo fez em 2007 e o volume que pretende fazer em 2008 em obras?

Dr. Aziz – Olha, nós vamos para um investimento de algo em termos de R$ 700 milhões no ano de 2007, que embora ainda seja muito aquém das necessidades da população do estado, mas já é bem diferente dos outros governos. Porque, até então, o nível de investimento era na base de R$ 400 a R$ 450 milhões. Eu acredito que nós fecharemos com um pouquinho mais porque ainda estamos terminando os orçamentos finais de educação e saúde em todos os dois setores, embora os índices constitucionais sejam de 25% e 12%, respectivamente. nós estamos avançando um pouco mais que os índices constitucionais. Então é mais provável que nós cheguemos a R$ 800 milhões no 1° ano de governo que é absolutamente inédito no Maranhão.

A Tarde – Qual é a previsão para o próximo ano?

Dr. Aziz – Bom, no orçamento que veio no nosso programa de investimento, nós vamos avançar um pouquinho mais, nós já estamos aí possivelmente passando da casa de R$ 1 bilhão de investimentos previsto para o próximo ano, nas várias áreas do governo.

A tarde – o Maranhão continua apresentando esse quadro negativo de ser o estado mais pobre do país, com os menores índices sociais. Até quando é possível suportar essa situação e o que o governo pretende fazer para amenizar esse quadro?

Dr. Aziz – na verdade já está fazendo, você está falando de um quadro que tem antecedentes históricos conhecidos e muito graves, a distorção é muito grave, mais é bom que se diga que recentemente, conjuntamente com o IBGE nós lançamos tanto o PIB (produto interno bruto) estadual como o PIB municipal e aí uma revelação muito grande para o período de 2002 a 2005 o PIB do Maranhão dá um salto de R$ 16 bilhões para R$ 25 bilhões. Isso é um ponto e cresceu no ano de 2004/2005 na média em termo de 79% que é um crescimento maior que é o crescimento do Brasil e também da média do nordeste. Então o que a gente sente é que a economia do Maranhão de uns anos pra cá, bem recente, ela começou realmente um aquecimento da economia, isso está nos garantindo projeções bastante animadoras para os próximos anos em termos de produto interno bruto. No caso do PIB municipal que também a gente fez o lançamento recente que agora nós vamos distribuir em documentos bem elaborados, publicações que vamos lançar. Aí se revela uma coisa: primeiro o ineditismo da gente ter os PIBs municipais, município a município, e o que se revela é uma coisa que vai ao encontro do que você fala, distorções, por exemplo. Não obstante, esse crescimento o PIB do Maranhão ainda é muito concentrado. Então é assim: cinco municípios detém 53% do PIB, de tudo que é produto no estado e 11 deles 67%. Então 67% da nossa riqueza na mão de 11 municípios, isso significa que 33 % é o que restam para os 201 município, essa concentração é que a preocupação base do governo hoje e a descentralização concreta das ações administrativas é justamente a política publica que a gente tem para poder enfrentar o desafio de libertar.

A tarde – mais recentemente a gente assistiu uma execução de uma operação desencadeada da policia federal que resultou na prisão de 8 (oito) a nove prefeito mais ou menos. O que ficou comprovado nessa operação é que os recursos federais que eram destinados a esses municípios acabaram sendo desviados. Nesse programa do governo Jackson Lago de estar mais presente no município, com a execução de obras e com assinaturas de convênios, não corre risco desse dinheiro, ao invés de ser aplicado em obras, acabar sendo desviado?

Dr. Aziz – A grande verdade é que nós já tivemos no país uma experiência diferente dessa descentralização, que foi na ditadura militar, que foi justamente a bruta concentração de poderes na Republica. Nem por isso a corrupção diminuiu. Ao contrario, ela era até maior, só que mais escondida da população que desconhecia menos os meandros dos poderes da republica, da concentração de poder. Mas, na medida em que você descentraliza cada vez mais, que você vai racionalizando, vai fiscalizando, vai dando também à população a possibilidade que ela própria fiscalize as prefeituras. Isso é um passo gigante, pois o Brasil não tem essa tradição. Risco de desvio isso tem, sempre houve, sempre haverá, mas nós estamos botando em cada setor de saúde e educação, nas obras equipes de auditores próprios para esse fim. Temos um caso interessante, o caso da Dra. Telma Pinheiro. Ela fez os convites que o governador autorizou e estão sendo feitos em varias etapas. Você faz a primeira e mede, você faz a medição, você paga e vai verificando se o andamento da obra está indo bem. Diferentemente de você pegar um convite e dar 100% na primeira aí você vai ter mais dificuldade. No primeiro momento os administradores reclamaram um pouco mais depois viram que essa é a formula certa porque tanto eles ficam tranqüilos em relação à prestação de conta como nós.

A Tarde – Como a população pode participar da fiscalização dessas obras? Esses fóruns, por exemplo, já seriam uma etapa inicial da discussão com a sociedade local para onde será enviada a obra e ela se tornar mais fiscalizadora?

Dr. Aziz – Um detalhe importante desses fóruns foi exatamente uma reivindicação da sociedade organizada para o governo, não foi nenhuma iniciativa do governo, foi a própria sociedade do Turi que exigiu que o governo fosse lá com toda sua equipe para essa discussão cara a cara. Então, aquilo é um começo de uma grande mudança no estado de procedimento de métodos para nossa realidade, que é a população dizer queremos isso e aquilo. O governo realmente oferecia aquilo que é possível, aí então ela vai se comprometer com a sua fiscalização porque são obras que ela está pedindo. E isso aí é um passo muito grande é uma revolução de procedimentos e de mentalidade. Eu estou muito animado com a perspectiva que nós temos do estado, de ver a população através dos seus seguimentos mais organizados fiscalizando as obras do governo e da prefeitura.

A tarde – O que a população pode esperar do governo agora para 2008?

Dr. Aziz – Uma prestação de serviço cada vez mais organizada mais, profunda, mais eficiente e mais eficaz. No primeiro ano o governo do Dr. Jackson Lago fez coisa que ninguém imaginava. Pra você que é jornalista e conhece e conversa todo dia com a classe política e com vários seguimentos, com a população há de convir que foi uma surpresa o que se conseguiu realizar este ano. Então é evidente que agora a gente conhece um pouco mais a maquina, depois de 40 ano aí entregue ao Deus dará. Você vai então vê que é possível a gente prestar serviços mais organizados e com mais consciência porque a maquina a gente vai conhecendo aí aos poucos e a gente já está com uma boa visão dela.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Barriga cheia I

Das duas uma: ou os presos do sistema carcerário da capital estão chorando de barriga cheia ou estão comendo gato por lebre.

A empresa gaúcha, que fornece comida aos presos sem licitação, a Gourmaitre recebe por mês da secretaria de Segurança Cidadã R$ 1.058.042,50 – R$ 449.008,00 (por almoços), R$ 443.915,00 (jantar), R$ 59.448,50 (café) e R$ 5.870,00 (lanche).

Barriga cheia II

Pelo volume de recursos, logo se tem a impressão de que os presos estão sendo bem alimentados, graças a Deus e a dona Eurídice Vidigal.

Porém, quando se conversa com algum preso a reclamação é imediata: a comida é de péssima qualidade e bastante limitada.

Barriga cheia III

Parece que a comida é mesmo de péssima qualidade, tanto que por duas vezes aconteceram rebeliões em Pedrinhas e até mesmo em alguns distritos policiais.

No DP do João Paulo, por exemplo, há 20 dias foi preciso mais de 30 militares do Batalhão de Choque para conter uma rebelião. Motivo: comida estragada.

Barriga Cheia IV

Ora, se a comida é de péssima qualidade e limitada conclui-se, então, que de fato existe o superfaturamento nos preços. E se existe a prática de superfaturamento alguém está enganando alguém. Ou a Goumaitre engana a secretária Eurídice Vidigal ou estamos todos nós maranhenses sendo vítimas de um escandaloso esquema montado dentro da Secretaria de Segurança Cidadã.

Lobão ministro I

O empresário Edinho Lobão não deve assumir a vaga no Senado Federal que será aberta com a ida do seu pai, senador Edison Lobão, para o Ministério das Minas e Energia.
O segundo suplente, ex-deputado Remi Ribeiro será o mais novo representante do Maranhão no Senado.

Lobão ministro II

Habilidoso, Lobão acerta duas vezes com a posse de Remi Ribeiro. Uma pelo prestígio que dará à região de Imperatriz, onde nasceu Ribeiro, e a segunda porque evita problemas futuros para o filho, que é do DEM e teria que fazer oposição ao governo Lula. Remi Ribeiro é do PMDB.

Lobão Ministro III

A escolha de Remi Ribeiro para ocupar a vaga de senador mostra que o senador Lobão está na firme disposição de disputar o Governo do Estado, ainda que contra a reeleição de Jackson Lago.

Lobão sempre teve a simpatia dos políticos de Imperatriz, região que sempre o elegeu deputado federal. Agora aumentará o seu prestígio.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.