A guerra foi declarada da parte de Flávio Dino contra Weverton Rocha. Faltando menos de 20 dias para deixar o cargo, o governador montou toda a artilharia pesada dentro e fora do Palácio dos Leões para aniquilar o senador, que tem recebido os bombardeios calado. 

Uma imagem que, talvez, fique só no passado

Desde que Dino enganou os aliados ao elaborar um documento compromisso, contendo critérios por ele estabelecidos, para a escolha do candidato do seu grupo e se engasgou com a palavra assumida para favorecer seu vice em detrimento de quem preenchia todos os critérios, nunca mais o governador passou a olhar Weverton com os olhos de aliado.

Depois de lançar o nome de Brandão, Flávio Dino passou a jogar pesado para esvaziar completamente a pré-candidatura do senador. Um jogo perigoso e sem retorno, mas ainda assim o eleitorado maranhense, em sua maioria, resiste e segue colocando Weverton Rocha como líder nas pesquisas.

Os métodos são os mais perversos possíveis, que vão desde as criações de fake news, com as contratações de agências e sites de desconstruções de adversários pagos pelos cofres públicos, até as conhecidas compras de partidos e lideranças políticas.

O atual governante esquece que sua primeira eleição no primeiro turno, diga-se de passagem, não contava com apoio de lideranças. Ganhou com a força do povo, do voto espontâneo. Assim como esquece também que seu projeto pessoal de ganhar a eleição de senador da República depende de seus aliados.

A hora da reação deve chegar. Basta de apenas apanhar e ainda ficar entregando o outro lado da face. É hora do senador Weverton Rocha reagir e apontar ao Maranhão, com o seu grupo político, que não é pequeno, o nome do candidato a senador para fortalecer mais ainda a chapa. E sem esquecer que o atual governador vem despencando ladeira abaixo nas pesquisas para o Senado Federal.

E não venha com essa de traição, pois todos sabem o que passaram os traídos por Dino, como Waldir Maranhão, Zé Reinaldo Tavares, Jackson Lago e agora Weverton Rocha!

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.