Radar DF


“Sou candidato a reeleição a deputado federal. No entanto, se não aparecer nenhum outro nome de oposição, ao grupo político de Flávio Dino, eu serei candidato ao governo do Maranhão”.

Ao se recuperar da covid, Hildo Rocha afirma estar disposto a sair candidato ao governo do Maranhão, caso não apareça um nome para liderar a oposição contra o grupo Flávio Dino.

A posição é do deputado federal Hildo Rocha (MDB-MA) diante da intensa movimentação política do grupo liderado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) .

Pesa ainda para esta decisão, segundo o deputado, o silêncio do senador Roberto Rocha (PSDB-MA) que não deixou claro, até o momento, qual o seu rumo em relação às eleições majoritárias do próximo ano.

Por telefone, Hildo Rocha disse ao RadarDF, que a falta de um nome de oposição, para enfrentar o grupo dinista, favorece a abertura de espaços, cada vez maiores, para a consolidação de apenas duas candidaturas, ligadas ao mesmo grupo, comandado pelo governador comunista.

“Ao permanecer dessa forma, Flávio Dino e seu grupo ganhará as eleições por W.O sobre uma oposição fria, indecisa e, até agora, cheia de dúvidas”, pontua.

O deputado fez uma rápida leitura do cenário político voltado para 2022 no Maranhão.

Aponta que apesar de ter três nomes postos à mesa da ala dinista, apenas dois serão candidatos pra valer.

Na opinião do emedebista a candidatura de Josimar Maranhãozinho (PL-MA) não irá prosperar.

“Neste grupo, de um lado tem o senador Weverton Rocha (PDT), que será candidato com ou sem o apoio de Flávio Dino. Do outro, tem  o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos), candidato natural a sucessão, que já  demonstrou não abrir mão da disputa. Ele (Brandão), recusou uma vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, oferecida pelo próprio Dino”.

O emedebista também não acredita que Flávio Dino trairá Brandão em apoio a Weverton Rocha.

“Quando o governador for candidato a senador quem vai estar com o poder da caneta é o agora vice. Será temerário fazer algo que desgoste o plantonista dos Leões”.

Pelo grupo de oposição que faz parte, Hildo Rocha disse que Roseana Sarney (MDB), anunciou que será candidata a deputada federal e não ao governo.

Já o senador Roberto Rocha continua fechado em copas, o que é muito ruim na visão do deputado, apesar de ser o nome mais forte da oposição para disputar o Palácio dos Leões.

“Estarei com Roberto, mas terá que se definir o mais rápido possível”, condiciona.

Ainda sobre Roseana, Hildo não soube dizer por qual  grupo político a filha de Sarney marchará em 2022, apesar de nos bastidores da política maranhense tem quem afirme que a ex-governadora faz acenos e salamaleques em apoio ao pedetista Weverton Rocha e ao próprio Flávio Dino.

Após ter sido abatido pela covid, doença que o deixou fora de combate por 60 dias, o deputado retorna à cena política e reitera a sua disposição em colocar o seu nome na disputa representando o campo da oposição.

“Sigo resistindo aos assédios políticos de Flávio Dino que tenta  me convencer a compor com ele, oferecendo-me cargos no governo. Rejeitei a oferta”.

As investidas, segundo ele, trata-se de uma espécie de “cerca lourenço” para apear o MDB do Maranhão.

Para Hildo Rocha, pegou mal a tentativa do vice-presidente regional da legenda, deputado estadual Roberto Costa de entregar o partido a Flávio Dino.

“Nem eu e nem o deputado João Marcelo, fomos consultados”, reclamou.

Sobre a questão, Hildo afirmou que Roberto Costa deixará a presidência da legenda e que a transição será feita nos próximos dias: “isso é fato”.

“Essa conversa eu tratei diretamente com o presidente nacional do MDB, Baleia Rocha (SP), a quem tem sido leal”, cravou o deputado

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.