“O ódio pode não ser um sentimento santo, mas é sério, por isso não pode ser desperdiçado com um esquerdopata”.

João Melo e Sousa Bentivi

Ser da esquerda, salvo honrosas exceções, exige esforço e dedicação enormes. Não é fácil ser, ao mesmo tempo, mentiroso, disfarçado, hipócrita, cretino e outras coisitas mais.

Poderia dar centenas de exemplos, mas vou recordar um, um pouco antigo: a ausência de mulheres no primeiro ministério do finado Michel Temer. A gritaria foi esquerdista e “engolobou”, como se dizia na minha Pedreiras, até pessoas sérias e incontáveis inocentes úteis.

Um pequeno raciocínio matemático, de mais e menos, mataria a argumentação: se ao não ter nenhuma mulher, no ministério, esse ministério fosse uma droga, então se todas fossem ministras, seria excelente? Qualquer uma das afirmações estará repleta de algo, conhecido popularmente como burrice, então, pode ser um raciocínio esquerdista, decerto.

Ter mulher no poder, no comando, é sinônimo de competência? Não vou dizer nem sim e nem não, mas vou dar alguns exemplos, entre centenas. Uma pequena lista de notáveis mulheres: Dilma Rousseff, Benedita da Silva, Luíza Erundina, Tereza Crusius, Rosinha Garotinho, Roseana Sarney, Gleise Hoffmann, Erika Kokay, Jandira Fegali, Maria do Rosario, etc.

Farei algumas perguntas gerais: você convidaria alguma delas para dirigir a sua empresa? Para dirigir a prefeitura de sua cidade? Para dirigir a sua casa? Para tomar conta de uma empresa de ônibus? Você pode dizer não e será pouco questionado, mas se disser sim, causará uma justificável admiração. Admiração negativa, ou seja, o sujeito teria que ser excessivamente corajoso, mesmo temerário, para assumir tamanho risco. Creio que nem esquerdopata aceitaria esse risco.

Serei mais específico. Alguém, mesmo um doente esquerdopata, ainda votaria em Dilma Rousseff para presidente da república? Gleise Hoffmann, para o Banco Central? Maria do Rosario para o Ministério da Justiça? A tal Erika Kokay ou Jandira Fegali para um hipotético Ministério da Família? A resposta NÃO é filha do bom senso e a resposta SIM é digna de um esquerdopata.

Alguém convidaria a famosa Benedita da Silva ou a Roseana para alguma coisa em uma empresa de pequeno porte, por exemplo? Ou Rosinha Garotinha para a tesouraria de sua igreja?

As respostas dizem tudo, a competência de qualquer pessoa não guarda nenhuma relação com o sexo explícito ou camuflado, tem relação, sim, com as qualidades intrínsecas de cada pessoa.

Esse discurso de competência relacionada com a sexualidade é mais uma das centenas de mentiras urdidas pelos esquerdopatas e isso não significa que os homens sejam melhores que as mulheres, a propósito, tem um gatuno, certamente homem, preso em Curitiba, denominado Luiz.

Alguém lembra do sobrenome?

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.