O objetivo da reunião, que aconteceu na Igreja Quadrangular, foi esclarecer os impactos para o município e para a população

Na manhã desta quinta-feira, 8, a prefeita Irlahi Moraes (PMDB) participou da Reunião Pública para tratar dos impactos positivos e negativos pela instalação da linha de Transmissão de 500kv Bacabeira – Pecém II. O empreendimento irá passar por comunidades de Rosário.

Irlahi Moraes destacou a importância da reunião, que contou com a participação do superintendente do Ibama, Pedro Leão, da gerente de Meio Ambiente, do diretor institucional da Argo Energia, Márcio Severi, da procuradora do Município, Iellem Linhares, do Controlador Geral do Município, George Cunha,e secretários municipais, vereadores, representantes do Iphan, Sebrae, CMBIO e de comunidades da zona rural. Segundo a prefeita, a decisão sobre a realização da reunião decorre da necessidade de se debater as consequências da instalação de um empreendimento desses para a comunidade. “Queremos o progresso, mas não de qualquer jeito. É fundamental que se discutam todos os aspectos referentes ao processo e, principalmente, sobre o que isso irá trazer para nossa região e para nossa população”, esclareceu.

A questão é reforçada pela superintendente de Igualdade Racial, Mauricea Lopes, para a qual a pauta é de extrema importância. “Queremos o desenvolvimento sim, mas com responsabilidade e respeito. Então, todos os pontos devem ser debatidos com muito critério”, disse. O presidente da Câmara de Vereadores do Município, Luís Carlos Kiko reforça esse discurso. “Temos que estar atentos e munidos de informações para que os benefícios oferecidos sejam realmente ofertados”, afirmou.

Estudos

De acordo com o coordenador-geral de Infraestrutura Linear do Ibama, Ricardo Araújo Zoghbi, o Instituto tem a responsabilidade pelas análises de cunho ambiental do empreendimento. “Nossas equipes são extremamente técnicas, de forma que as análises são minuciosas e consideram estudar o impacto de cada população que estará recebendo determinado empreendimento”, garante ele, que revela a necessidade de se fazer um Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), que trará dados técnicos detalhados sobre os impactos ambientais da linha de transmissão. “Para que, assim, possamos emitir um parecer”, acrescenta.

O diretor institucional da Argo Energia, Márcio Severi, destacou a importância desses estudos. “O desenvolvimento é necessário, mas o interesse individual não pode prevalecer sobre o coletivo, daí o processo precisa ser amplo e transparente”, ressaltou.

Este aspecto foi reforçado por Irlahi Moraes. “É por essa razão que estamos realizando esta reunião, para que, juntos, possamos tomar todas as decisões”, finalizou a prefeita.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.