Blog do Marco Aurélio D’Eça

Mortes anunciadas nas últimas 24 horas são de pessoas já sepultadas há pelo menos uma semana, mas a forma da divulgação dá a impressão de uma escalada da coVID-19 e apavora a população em isolamento social

O governo do Maranhão tem adotado uma prática confusa na divulgação das mortes por coVID-19, o que acaba levando a um pânico desnecessário à população, que já vive a ansiedade do isolamento social.

Dentre as últimas sete mortes anunciadas entre a segunda e a terça-feira, por exemplo, boa parte já estava enterrada há semanas.

Mas a forma como a Secretaria de Saúde – e o próprio governador Flávio Dino (PCdoB)  – fizeram o anúncio, deu a impressão de que as mortes aconteceram nas últimas 24 horas.

E passou a ideia de uma escalada nos casos de coVID-19.

O problema ocorre por que há duas situações não devidamente esclarecidas pelas autoridades de saúde do Maranhão;

1 – quantos pacientes estão sendo monitorados – no hospital ou em casa – já com o diagnóstico oficial para coVID-19?

2 – quantos pacientes morreram com suspeita de contaminação pelo coronavírus e sem que o resultado do exame para coVID-19 tenha sido divulgado antes do enterro?

Em outras palavras, nem todas as mortes anunciadas pelo governo ocorreram exatamente no período em que foram anunciadas.

O governo maranhense precisa encontrar formas de separar essas informações e as divulgar claramente, sob pena de gerar ainda mais pânico na população confinada.

A menos que seja esse o objetivo das autoridades…

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.