Por R7 Notícias

Médicos do próprio PSG alertam sobre as duas fraturas no mesmo osso. Relembram os questionáveis tratamentos no Brasil. Isso trava as negociações

Barcelona e Real não aceitam pagar 222 milhões de euros. Duas fraturas assustam

Fair play financeiro?

Preço caro demais?

Farras incontroláveis?

Rejeição da própria torcida?

Por que Barcelona ou Real Madrid pagam o preço que o PSG está exigindo para liberar Neymar, 222 milhões de euros, R$ 989 milhões? E resolvem de vez a questão?

Por que razão entre as várias propostas que vazam diariamente pela imprensa europeia, há sempre jogadores incluídos e uma quantia menor da metade que o clube francês pagou em 2017?

A resposta pode estar no que já se comentava na própria Seleção Brasileira, quando o atacante não pôde disputar a Copa América, por conta de uma violenta torção no pé direito, que rompeu ligamentos do seu tornozelo.

Depois de duas fraturas no mesmo quinto metatarso, seu pé direito teria ficado fragilizado. Ou seja, mais sujeito a contusões.

O jornal Le Parisien falou com médicos e ex-médicos do clube francês. E eles deixam claro que Neymar precisa de cuidados especiais. Por ter sido um jogador com duas contusões no mesmo osso.

E sua constituição física ser frágil.

Muito magro.

Até os músculos do seu pé são questionados por serem magros demais e não oferecerem a devida proteção aos ossos.

Poucos dias depois de tirar a tala da segunda fratura. Dançando ‘até o chão’…

E há dúvidas como o osso do pé direito reagiria em jogos de alta intensidade, com muitas disputas de bola, contatos, pontapés, pisões. Ou mesmo torções.

Os questionamentos já surgem em relação à volta acelerada de Neymar para disputar a Copa do Mundo da Rússia, na primeira contusão. É destacado, pelo jornal As, que repercutiu a matéria do Le Parisien, que foi o médico da Seleção Brasileira, Rodrigo Lasmar, quem o operou. E colocou o prazo para que voltasse a atuar.

As exageradas, patéticas simulações no Mundial seriam uma maneira de Neymar tentar preservar o pé que havia sofrido a fratura.

Como não poderia deixar de acontecer, a recuperação de Neymar das suas fraturas, no Brasil, são muito questionadas. Principalmente as festas, as farras com o pé direito imobilizado.

Ou logo após retirar a tala, ir para o Carnaval da Bahia e ‘dançar até o chão’.  O que chocou, revoltou médicos de todo o mundo.

Para os bilionários Barcelona e Real Madrid, o diagnóstico segue o mesmo caminho. Neymar não é o mesmo atleta de 2017.

Dois anos mais velho, rejeitado pela própria torcida e com duas fraturas

Sofreu duas fraturas importantes no mesmo osso.

E por isso não aceitam pagar nem perto do que o PSG gastou.

De acordo com jornalistas franceses, Neymar não está treinando sozinho por castigo no PSG. Para evitar que sua apreensão, ansiedade de sair, contamine o elenco.

O problema é outro.

Ele ainda não estaria completamente recuperado de sua segunda fratura. E da torção que sofreu no amistoso contra o Qatar na véspera da Copa América. E que talvez seria melhor ele não emendar tratamento com novas festas, novas farras no Brasil, antes da pré-temporada.

Além das duas fraturas e suas questionáveis recuperações no Brasil, os dois maiores clubes espanhóis também não digeriram a desventura sexual explícita de Neymar com a modelo Najila Trindade.

Por mais que as acusações de estupro e agressão tenham sido arquivadas, a revelação de algo tão íntimo, do jogador pagar passagem e estadia para uma mulher que conheceu pela Internet, e ter vídeo divulgado dela o estapeando no rosto choca.

O PSG quer se livrar de Neymar.

Os palavrões de sua torcida organizada contra o jogador impressionou o mundo

A postura de desdém ao PSG segue clara.

Faz parte da pressão para que sua vontade seja feita.

E seja vendido.

De preferência ao Barcelona.

Ou até aceita o Real Madrid.

O que ele quer é deixar o PSG e o violento Campeonato Francês, que pune suas firulas desnecessárias  com pontapés violentos.

Só que além das farras intermináveis, da vida vazia de celebridade, dos dois anos a mais que desperdiçou no PSG, há a preocupação médica.

Um jogador com duas fraturas no mesmo osso do pé não vale 222 milhões de euros. Pelo menos para o Barcelona e para o Real Madrid.

Por isso, o futebol acompanha uma das negociações mais arrastadas da história.

O pé direito de Neymar virou risco.

Médicos não querem nem pensar em uma terceira fratura no local.

Daí o impasse…

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.