O deputado Zé Inácio usou a tribuna esta quarta-feira (10) para comentar a visita que fez ao P.A. Pedra Mocambo, no município de São João do Sóter. Onde residem 2.100 famílias, entre assentados e não-assentados em uma área total de 11.221 hectares. 

O deputado esteve no local para conversar com os moradores que relataram estar enfrentando problemas quanto ao loteamento da área. Segundo eles, a empresa Plantagro que está fazendo o serviço e que diz ter a autorização do INCRA no Maranhão para realizar os trabalhos, tem adotado métodos questionáveis, além de cobrar de dois a três mil reais dos moradores em troca do serviço, o que supostamente seria irregular.

“Nós recebemos a denúncia de que a empresa está fazendo essa cobrança talvez de forma irregular. Se a empresa for contratada pelo Incra e estiver recebendo recurso para isso, ela não pode cobrar das famílias que ali estão para ter seus lotes parcelados. Se esta empresa está autorizada pelo Incra para desenvolver o trabalho, ela precisa de acompanhamento da equipe técnica do órgão para orientar e selecionar como esse trabalho deve ser feito.”, disse o deputado.

Diante do problema quatorze das associações locais pediram na Superintendência Regional do INCRA o embargo do trabalho e paralização deste parcelamento. Foi realizada uma reunião, mas não tiveram o pedido atendido, e a empresa continua atuando, e as divergências permanecem. Segundo os assentados a seleção de escolha da empresa que faz o parcelamento não foi transparente e claro.

Os moradores pedem que o INCRA fiscalize os trabalhos de forma clara, respeitando as agrovilas, as benfeitorias feitas, as plantações já realizadas e que seja feito o recadastramento de assentados. Não deixando de considerar que as famílias estão há quase 30 anos na área.

O deputado Zé Inácio fez um discurso com o intuito de chamar a atenção das autoridades e garantir que seguirá fazendo o acompanhamento do caso, visando, principalmente, evitar um conflito.

“Subo a essa tribuna para dizer que a partir do acompanhamento que fiz estamos acionando o Incra, solicitando uma audiência para discutir esse tema junto à superintendência com as representações das associações que estão organizadas no assentamento, assim como estamos tomando providência junto ao Ministério Público Federal para fiscalizar o trabalho que está sendo feito por essa empresa. Vamos também acionar a Defensoria Pública Federal para avaliar a possibilidade, inclusive, de suspender esse loteamento que está gerando um conflito dentro de uma área em que residem mais de duas mil pessoas. E conflitos dessa natureza nós sabemos o tipo de desfecho. No meu entendimento, por ser uma área de assentamento consolidado a mais de 30 anos, a regularização deve ser feita através do município, logo o INCRA deve passar a competência da regularização para a Prefeitura Municipal.”, declarou.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS

O Blog do Domingos Costa confirmou agora a noite que o empresário Sandro Schons não resistiu a ...
Leia Mais
Em um grande reunião realizada neste sábado (13), em São Luís, o líder político Dr Hilton ...
Leia Mais
No município de Peritoró, Região dos Cocais, os produtores rurais já estão sentindo os efeitos do ...
Leia Mais
ATUAL 7 Desembargadores da Primeira Câmara Criminal da corte entenderam que Vara de Organizações Criminosas não ...
Leia Mais
Uma tentativa de assalto na Avenida Contorno Leste, no bairro Cohatrac, em São Luís, na manhã ...
Leia Mais

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.