A única diferença do crime ocorrido a mando do vice-prefeito contra o prefeito de Davinópolis no Maranhão é que na cidade de Novo Acordo, no Tocantins,  o prefeito não morreu, apesar de pegar um tiro na cabeça. As razões foram as mesmas: dinheiro sujo.

Vice  e o prefeito de Novo Acordo Foto: Reprodução/TV Anhanguera

No Maranhão, o vice Rubem Lava Jato mandou assassinar o prefeito Ivanildo Paiva em 3 de novembro do ano passado. Para isso, contou com a ajuda do empresário  e fazendeiro Antonio José Messias, que contratou os pistoleiros. O vice nega o crime, mas informou para a polícia que o prefeito não cumpriu acerto com ele que era de entregar R$ 300 mil e mais a pasta da Educação.

No Tocantins, no município de Novo Acordo, o vice prefeito Leto Moura Leitão pediu ao empresário Paulo Henrique Sousa que contratasse o pistoleiro Gustavo Araújo Silva para matar o prefeito Elson Lino Aguiar, mais conhecido como Doutozinho. O planejamento da morte vem desde outubro e no Natal houve uma falha.

Dotozinho, porém, foi baleado na cabeça pelo pistoleiro quando encontrava-se sozinho em casa em Novo Acordo e foi levado às pressas para um hospital, na noite de quarta-feira, dia 9 deste.

O vice, então, exigiu novamente a morte do prefeito assim que ele deixasse o hospital e dobrou para R$ 20 mil o valor do contrato com o pistoleiro.  A Polícia do Tocantins informa a existência de um acordo não cumprido de que o vice ganharia R$ 800 mil de uma propina na prefeitura da cidade.

Como o leitor amigo pode observar, acordos para assaltar os cofres de prefeituras entre vice e os prefeitos existem em grande parte dos municípios e quando não são honrados, alguém pode sair morto.

Anotações para depósitos bancários envolvem vice na morte do prefeito de Davinópolis

Preso atual prefeito de Davinópolis como mandante da morte do ex-prefeito Ivanildo Paiva

Delegado descarta latrocínio no assassinato do prefeito de Davinópolis

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.