O prefeito da capital, Eduardo Braide, ofereceu uma proposta agora no período da tarde desta sexta-feira aos empresários do setor de transporte coletivo, que recusaram a oferta de subsídio alegando que não resolveria o problema.

O valor do subsídio não foi revelado e nem como seria feito o pagamento. Com a recusa dos empresários e a falta do reajuste de 13% pleiteado pelos motoristas, a greve parte amanhã, sábado (29) para o décimo dia.

Enquanto isso milhares de trabalhadores, estudantes e outras pessoas estão sendo prejudicados, assim como os que estão com vacinação para combater a covid-19 marcadas e não podem chegar ao local.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.