Nelson Melo

Na noite de terça-feira 1º de maio, foi comemorado o aniversário de 15 anos do Jornal Itaqui-Bacanga, na JBS Eventos, no Anjo da Guarda, em São Luís. Em uma solenidade grandiosa e magnífica, compareceram diversas autoridades, como o deputado estadual Edivaldo Holanda (PTC), que sempre aparece nos eventos daquela região. Houve, no decorrer da ocasião, a entrega de medalhas.

O evento começou por volta das 9h, quando um café da manhã especial foi oferecido aos convidados. Antes, porém, o diretor do Jornal Itaqui-Bacanga, César Cutrim, proferiu um discurso, contando, resumidamente, a história deste impresso e recordando fatos que mostram a preferência do maranhense por esse jornal, que, hoje, é distribuído em mais de 10 mil exemplares pela região metropolitana de São Luís e também por várias cidades do interior maranhense.

Em seguida, o empresário entregou as medalhas a autoridades e outras pessoas, como líderes comunitários, membros eclesiásticos e políticos. O deputado Edivaldo Holanda foi um dos agraciados com a comenda, assim como o coronel Ivaldo Barbosa, o vereador Pedro Lucas Fernandes (PTB) e o coronel Odair, representante da Exposição sobre Segurança Pública (Exposegma). Pastores evangélicos também receberam a premiação.

Em seu discurso, o deputado Edivaldo Holanda enalteceu o Jornal Itaqui-Bacanga e confessou que pode não ler os outros jornais, mas se apenas leu este, já estaria satisfeito. Essa fala demonstra o reconhecimento não apenas da população, como, também, de um representante da Assembleia Legislativa. As palavras de Holanda deixaram César Cutrim, sua esposa, Jesonita Cutrim, seus filhos e outros familiares

emocionados, pois são 15 anos de muita luta, com dificuldades, sendo que tudo é superado graças a Deus.

Importante frisar que as comemorações pelo aniversário do Jornal Itaqui-Bacanga não foram encerradas no café da manhã, pois, à noite, um Culto de Ação de Graças foi realizado também em homenagem ao jornal, por seu aniversário de 15 anos, em um momento de muito louvor e adoração ao Senhor.

A história do jornal

Tudo começou em 2004, no dia 1º de maio, como César Cutrim ressaltou. De acordo com o diretor do Jornal Itaqui-Bacanga, orou-se a Deus para que tudo desse certo, o que de fato aconteceu. Inclusive, o nome do jornal foi escolhido por meio de uma mensagem divina, tendo em vista que nada foi pensado ou concretizado sem a permissão do Senhor. Portanto, nas palavras do empresário, o Jornal Itaqui-Bacanga é “um projeto de Deus”.

As orações sempre surtem efeito. Basta que o sujeito acredite em Deus. Assim ocorreu, também, com o Jornal Itaqui-Bacanga, que começou com 700 exemplares, mas, a partir de 2010, esse número se elevou de forma surpreendente. Atualmente, frisou César, são 10 mil exemplares circulando semanalmente na região metropolitana da capital maranhense (São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa). E, também, em inúmeras cidades do interior maranhense, de acordo com estatísticas do empresário.

Esta alavancada foi possível, primeiramente, em virtude de Deus, e, ainda, a partir de uma mudança de posicionamento, tendo em vista que se tornou mais próximo do povo devido à sua linha policial. Hoje, o Jornal Itaqui-Bacanga está consolidado no Maranhão, “com muita luta e determinação”. O periódico também se envolve em projetos sociais nas comunidades e oferece premiação a pessoas que se destacam nos mais diversos setores, no tradicional “Troféu Itaqui-Bacanga”, concedido anualmente a líderes comunitários, jornalistas, blogueiros, políticos, gestores, delegados, policiais militares, empresários, membros eclesiásticos etc.

Cabe relembrar que, na data do aniversário do jornal, ou seja, no dia 1º de maio, circulou uma edição especial, que continha homenagens de várias pessoas, entre moradores de São Luís e outras cidades do Maranhão, e autoridades, como o vereador Pedro Lucas Fernandes, o deputado Edivaldo Holanda e o delegado Walter Wanderley, que não pôde comparecer ao evento por questões de saúde.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.