Por Edivaldo Holanda Junior

Prefeito de São Luís

As obras estruturantes são necessárias para o desenvolvimento da cidade e o bem-estar da população, mas não somente para essas melhorias na infraestrutura a minha gestão tem dado atenção. A obra social é também uma prioridade para mim e para toda a equipe da Prefeitura de São Luís, e temos nos destacado nesse cuidado com o cidadão, com trabalho humanizado e direcionado a quem mais precisa, como as crianças e adolescentes vítimas de violações de direitos, atendidas pelo Família Acolhedora.

O nosso programa incentiva famílias a abrigar, voluntária e temporariamente, crianças e adolescentes afastados do lar por via judicial por terem sofrido situações de risco como exploração sexual, agressões físicas e psicológicas e negligências familiares. A família solidária passa por capacitação e recebe atendimento psicossocial e um auxílio financeiro para contribuir nas despesas durante o período de acolhimento, até que seja possível a reinserção na família de origem.

Ao longo da minha gestão, temos acompanhado o retorno à família de crianças e adolescentes cuidados por nossas equipes e por essas pessoas solidárias inscritas no Família Acolhedora, que com amor e carinho conseguem também auxiliar esses meninos e meninas em um dos momentos mais difíceis de suas vidas. É sempre muito emocionante para nós cada uma dessas histórias, pois compreendemos que por melhor que seja a instituição de acolhimento, nada se compara aos cuidados e convivência familiar.

O Família Acolhedora, que vamos continuar expandindo para que mais histórias sejam transformadas, é uma das formas de atendimento previstas na nossa política de Assistência Social. Outra modalidade é o Acolhimento Institucional, a mais conhecida da população, que são espaços públicos destinados a abrigar pessoas com vínculos familiares rompidos ou que precisam ficar afastadas temporariamente. Quando assumi a Prefeitura de São Luís, a cidade possuía apenas 90 vagas no total entre esses serviços. Atualmente são disponibilizadas 370 vagas.

Na estrutura do Acolhimento Institucional são disponibilizados ainda abrigos para públicos específicos: população adulta em situação de rua; a Casa de Acolhida Temporária, destinada a famílias e adultos; Residência Inclusiva, que cuida da pessoa adulta com deficiência; Abrigo Luz e Vida, onde recebemos adolescentes; e a Casa de Passagem, que é destinada apenas a crianças.

A Prefeitura mantém, ainda, convênio com instituições para atendimento de crianças, adolescentes e adultos, são elas: Grupo Solidariedade é Vida e Servos da Divina Providência/Lar Calábria. No total, são 12 unidades de acolhimento institucional, e também estabelecemos a Central de Acolhimento responsável por receber todas as demandas de órgãos e fazer a triagem, realizar as orientações necessárias e sugerir a melhor instituição para a situação apresentada.

Seja no programa Família Acolhedora ou em uma das nossas unidades de assistência social, as equipes da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social trabalham incansavelmente na perspectiva de que os atendidos retornem às suas famílias e tenham seus vínculos restabelecidos com segurança e qualidade de vida. Assim, garantimos que eles não percam a referência, o amor, o cuidado e o carinho da família, aspecto tão importante para o seu desenvolvimento psicossocial, emocional e humano.

Esse trabalho que fazemos, invisível aos olhos de muitos, só reafirma o nosso compromisso e zelo com o nosso maior patrimônio: as pessoas. Fica o meu convite a todos que quiserem se unir nesta corrente de solidariedade e amor que é o Família Acolhedora.

Acompanhe o Blog do Luis Cardoso também pelo Twitter™ e pelo Facebook.